2011

Memovox destaque

HISTÓRIAS – Memovox Deep Sea: a voz da nostalgia

Edição impressa | A linhagem Memovox (em latim, ‘voz do tempo’) é uma das mais distintas no longo currículo da Jaeger-LeCoultre — que tem reeditado algumas célebres versões do seu famoso relógio dotado de alarme mecânico. A mais recente recupera fielmente um histórico modelo de mergulho do meio do século passado: o Deep Sea.

destaque

HISTÓRIAS – Com os ponteiros na Lua

EdT37 — O luar guiou a humanidade através de séculos de mudança, desde as primeiras gravações rupestres até às primeiras pegadas na superfície lunar. A Lua sempre exerceu sobre o homem um peso emocional equivalente à sua influência sobre a natureza, sendo simultaneamente fonte de adoração e inspiração. Foi instrumento de navegação, fonte de iluminação noturna, cenário de episódios místicos e científicos… e fica sempre bem num relógio de prestígio!

destaque Patek Philippe

VISITA À MANUFATURA – Patek Philippe: guardião do templo

EdT35/ A Patek Philippe é nome omnipresente e insubstituível de todos os grandes leilões de relojoaria: ganhou a fama (e o proveito) de ser a marca que rima com investimento seguro, e soube, como nenhuma outra, transmitir os valores da perenidade através da mais eficaz campanha de comunicação no sector. Entre mito e realidade, a equipa da Espiral do Tempo foi recebida no santuário da Patek Philippe para uma reportagem exclusiva e repleta de descobertas.

Elvira Fortunato

ENTREVISTA – Elvira Fortunato

EdT36 — Elvira Fortunato é portuguesa e ganhou 2,25 milhões de euros. Não lhe saiu o Euromilhões nem protagonizou uma transferência futebolística. Foi, antes, o resultado da atribuição da maior bolsa jamais concedida a um investigador português. Há quem a considere uma espécie de Cristiano Ronaldo da eletrónica ou quem a ache mentora de uma revolução. A verdade é que Elvira Fortunato se tornou um caso sério de popularidade na comunidade científica internacional com o seu trabalho na área da eletrónica invisível. Mas não só. Ainda por cima, utiliza materiais comuns, amigos do ambiente, de baixo custo, 100 vezes mais rápidos e que fornecem melhores resoluções. Melhor é impossível — por sinal, um conceito inadmissível no ‘seu’ laboratório.