Histórias

REPORTAGEM – No atelier de Julião Sarmento…

lançamento Reverso Julião Sarmento

A Espiral do Tempo fez parte do grupo restrito de convidados que estiveram na passada segunda-feira, 28 de maio, no espaço de trabalho de Julião Sarmento para participar num evento exclusivo, no âmbito da apresentação do Reverso com a assinatura do artista português. Um momento descontraído no qual os presentes tiveram não só a oportunidade de conviver com o artista, como também de conhecer em pormenor as duas versões que compõem esta nova edição limitada e de contemplar os outros modelos da coleção Arte Portuguesa da Jaeger-LeCoultre.

Lançada em 2000, a coleção Arte Portuguesa nasceu da iniciativa da Torres Distribuição, representante da Jaeger-LeCoultre em Portugal, e permanece como uma coleção viva e em ativo crescimento — aliás, é a coleção temática da Jaeger-LeCoultre com maior longevidade — de tal modo que nos faz ansiar de tempos a tempos por uma nova colaboração da marca com um novo artista português.

Este ano, o convidado para este projeto foi Julião Sarmento, um dos mais internacionais artistas portugueses.

Lançamento Reverso Julião Sarmento

Para a sua interpretação do tempo no verso do Reverso, Julião Sarmento escolheu a representação de um corpo feminino : «Sou muito identificado com a representação do corpo feminino; todo o meu trabalho gira à volta da iconografia feminina e tenho uma série de obras que são uma espécie de mulher expectante, que está à espera, o que tem a ver com o espaço e com o tempo», explica o artista na mais recente edição (número 39) da Espiral do Tempo. «Tem a ver com o espaço no qual a mulher existe, que ela preenche, e com o tempo indeterminado em que ela lá está. Não é um tempo fugaz, é um tempo eterno. Foi esse o sentido que me interessou na conexão entre uma imagem de marca, a minha imagem de marca, e a ideia do tempo que não acaba.»

© Espiral do Tempo

© Espiral do Tempo

O Reverso/Arte Portuguesa Julião Sarmento declina-se em duas edições limitadas com mecanismo de corda manual que têm por base o Grande Reverso 976: a de ouro rosa tem uma tiragem de 20 exemplares com mostrador preto e pequenos segundos circulares; a de aço é de 30 exemplares com submostrador retangular dos pequenos segundos. No verso, a representação lacada de uma silhueta feminina. Cada relógio é acompanhado de uma serigrafia assinada pelo artista — com a peculiaridade da serigrafia que acompanha o modelo em aço ser a preto e branco, enquanto a serigrafia que acompanha a versão em ouro ser de cor amarela forte, «amarelo venenoso» nas palavras de Julião Sarmento. Esta distinção, foi uma opção do próprio artista, depois de ver o modelo em ouro.

Jaeger-LeCoultre Reverso Julião Sarmento.

A versão em ouro rosa do Jaeger-LeCoultre Reverso Julião Sarmento.

A apresentação oficial do relógio ocorreu na passada segunda-feira, 28 de maio, num evento exclusivo no atelier de Julião Sarmento.

Ali, os convidados tiveram a oportunidade de conviver com o artista e de conhecer em pormenor as duas versões que compõem a nova edição limitada. Por outro lado, em exposição estiveram também os outros modelos da coleção Arte Portuguesa da Jaeger-LeCoultre. Relógios Reverso em edição limitada valorizados com a arte de Júlio Pomar, Manuel Cargaleiro, Paula Rego e José de Guimarães.

Jaeger-LeCoultre Reverso Julião Sarmento.

A declinação em aço do Jaeger-LeCoultre Reverso Julião Sarmento.

Ainda em exclusivo para o evento, esteve presente uma perita em gravação da Grande Maison que revelou aos convidados os meandros do seu ofício em relojoaria.

O Reverso Julião Sarmento já está disponível em Portugal. ET_simb

Descubra mais sobre a a edição limitada Reverso Julião Sarmento da coleção Jaeger-LeCoultre Arte Portuguesa.
Leia a entrevista exclusiva à Espiral do Tempo.