Histórias, Relógios

ÍCONES | O TAG Heuer Carrera e as cinco décadas de um mito

50anos_Carrera_01_TAG_Heuer_Carrera_Calibre_36_Flyback_Chronograph

De 1963 a 2013; de uma lendária corrida mexicana para os pulsos de amantes de relógios em todo o mundo. O Carrera celebra cinco décadas de vida e mantém-se como um dos mais famosos cronógrafos de pulso da história da relojoaria. Um ícone que a TAG Heuer não se cansa de exaltar com o lançamento de novas declinações do modelo original e mesmo variantes futurísticas.

50 anos Carrera

Heuer Carrera, 1963 © TAG Heuer

Intimamente ligado ao desporto automóvel, o Carrera original nasceu e floresceu em plena era da conquista do espaço. Jack Heuer sabia então que a legibilidade seria determinante para os cronógrafos da nova geração e optou por um mostrador simples, mas acompanhado de uma escala até ao quinto de segundo em relevo e um vidro bombeado para proporcionar um efeito tridimensional. O resultado: um relógio belo e depurado, embora sem um nome de batismo à altura.


A força de um nome carismático

A designação foi encontrada numa animada conversa de Jack Heuer com um dos dois irmãos Rodriguez, famosos pilotos mexicanos, aquando de uma prova nos Estados Unidos (as ‘12 Horas de Sebring’) em que a Heuer assegurava a cronometragem oficial. Pedro Rodriguez recordou então um lendário rallye que atravessava o México nos anos 50 e que deixou de existir devido à sua extrema periculosidade: o ‘Carrera Panamericana Mexico’. A prova era destinada a promover a nova autoestrada panamericana, mas alguns acidentes fatais levaram ao seu definitivo cancelamento.

50 anos Carrera

Carrera Panamericana © TAG Heuer

Acabou-se a corrida, mas ficou a lenda — que deu origem a outro mito. Jack Heuer regressou à Suíça com um apelido carismático para o relógio que rapidamente passaria a simbolizar o apogeu dos cronógrafos de pulso e que seria posteriormente adotado por grandes campeões da Fórmula 1 como Nikki Lauda, Clay Regazzoni, John Watson, Gilles Villeneuve e… Bruce McLaren — o neozelandês fundador da McLaren em 1966 sem imaginar que, mais de três décadas depois, a ligação entre a TAG Heuer e a sua escuderia seria laureada com vários títulos mundiais de pilotos e de construtores.


Da corda manual ao automático

Após os primeiros modelos desvelados em 1963 e a grande apresentação na feira de Basileia de 1964, ao longo da década de 60 foram surgindo interessantes variações do Carrera com mecanismos cronográficos de corda manual — incluindo os modelos Carrera 12, Carrera 45, Carrera Tachy, Carrera Deci e Carrera Black. Até que surge o primeiro mecanismo cronográfico automático em 1969 (o Chronomatic), passando a equipar o Carrera e outros cronógrafos da marca como o Monaco e o Autavia.

50 anos Carrera

Heuer Carrera, 1969 © TAG Heuer

A onda de revivalismo que acompanhou o relançamento do Carrera em 1996 foi um enorme sucesso e constituiu o ponto de partida não só para a celebrada linha Classics da TAG Heuer (sucederam-lhe o Monaco em 1998 e depois vieram o Autavia, o Monza, o Targa Florio e o Silverstone) mas também para a autêntica febre de reedições e reinterpretações que atualmente assola a relojoaria. Mas o Carrera mantém-se um caso à parte e, cinquenta anos após o seu advento, continua a apresentar-se em cada vez mais declinações — as últimas das quais desveladas recentemente e que incluem um modelo comemorativo do 50.º aniversário em série limitada (com a assinatura do próprio Jack Heuer!).


Passado, presente e futuro

O modelo que se torna na nova vedeta da linha Carrera e que foi o mais destacado da exibição montada pela TAG Heuer no Espace Sécheron em janeiro é o denominado Carrera 50 Years, oficialmente designado Carrera Calibre 1887 Jack Heuer Edition 45 mm. Jean-Christophe Babin, CEO da marca, anunciou que o próprio Jack Heuer esteve por trás da criação da vedeta da nova geração do Carrera.

50 anos Carrera

TAG Heuer Carrera Calibre 1887 Jack Heuer Edition 45 mm © TAG Heuer

«Apesar de em breve cumprir o seu 81.º aniversário, Jack Heuer decidiu adiar a reforma mais um ano não só como presidente honorário e porta-voz da companhia mas também para desenvolver produto e participar em diversos eventos comemorativos que celebrarão o nascimento de um ícone», revelou Jean-Christophe Babin. «E o que o Jack desenvolveu para nós foi uma obra-prima específica derivada do Mikrogirder mas equipada com o nosso mecanismo cronográfico de manufatura Calibre 1887 e com um mostrador que ele próprio desenhou e que recorda o mostrador do primeiro Carrera desenhado por ele em 1963. Ele trabalhou dias e dias com os nossos designers para assegurar que o novo Carrera 50 Years fosse muito avant-garde e o chassis assimétrico da caixa do Mikrogirder obviamente assegura esse pendor vanguardista, mas o relógio mantém-se ao mesmo tempo muito ligado ao original de 1963».

O outro modelo em destaque na exibição 50 Years of Carrera montada pela TAG Heuer no Espace Sécheron assume a mesma arquitetura do Carrera Calibre 1887 Jack Heuer Edition 45 mm mas trata-se de um Concept Watch… que ainda não será comercializado mas que poderá em breve entrar para o catálogo regular da marca, à semelhança de outros Concept Watches recentes da TAG Heuer.

50 anos Carrera

TAG Heuer Carrera Calibre 1887 Chronograph Carbon Concept © TAG Heuer

O Carbon Carrera coloca em evidência uma caixa e um mostrador em carbono para um peso total de apenas… 19 gramas. Trata-se de um carbono que a TAG Heuer apela de ‘Carbon Matrix’, utilizado na Formula 1. No total, as tais 19 gramas, distribuídas pela caixa (10,5 gramas), fundo da caixa (4,35 gramas), asas (2,77 gramas) e luneta (1,23 gramas). Claro que há que juntar depois o peso do mecanismo e da bracelete, mas mesmo assim o total final é muito baixo. E trata-se de um material resistente ao risco e ao choque.


Arquitetura ‘Cabeça de Touro’

De resto, a mecânica dos dois Carreras de formato ‘Bullhead’ (coroa e botões em cima) é comum — os mais recentes descendentes da linhagem Carrera são alimentados pela motorização que constitui trave mestra na estratégia industrial da TAG Heuer: o novo Calibre 1887, um mecanismo cronográfico integrado (ou seja, não é de construção modular) de corda automática (com 50 horas de reserva de marcha) proporcionada por um rotor bidirecional que evita perdas de energia. O balanço oscila a uma frequência de 28.800 alternâncias/hora (4 Hz) e inclui 39 rubis.

50 anos Carrera

Calibre 1887 © TAG Heuer

Para além do sofisticado sistema de roda de colunas, a principal particularidade do Calibre 1887 prende-se com a utilização de um carreto oscilante que foi inventado pela marca em 1887 e que proporciona um acionamento extremamente suave e veloz: os técnicos da TAG Heuer alegam mesmo que o arranque da cronometragem é dois milésimos de segundo mais rápido do que qualquer outro mecanismo cronográfico! E 2/1000 de segundo podem ser a diferença entre um tempo e um recorde, entre uma vitória e uma derrota.


Mecanismo(s) de manufatura

O próprio Jean-Christophe Babin salientou o desejo de fazer da gama Carrera uma linha totalmente manufaturada, graças a mostradores e caixas feitos nas sucursais da marca em Tramelan e Cornol e sobretudo equipando-a com mecanismos de manufatura. Para o final do ano será apresentado o novo Calibre 1888; para já, o Calibre 1887 alimenta a maioria dos modelos Carrera, incluindo as novidades apresentadas pela TAG Heuer no início do ano em Genebra: para além do Carrera comemorativo dos 50 anos e do Concept Watch, também o Carrera Calibre 1887 Chronograph Ceramic Bezel 43 mm com uma luneta em cerâmica com taquímetro gravado e o Carrera Calibre 1887 Chronograph com um belo mostrador azul galvanizado em soleillé que varia conforme as incidências de luz.

50 anos Carrera

TAG Heuer Carrera Calibre 1887 Ceramic Bezel © TAG Heuer

Dentro de um mês espera-se que a linha do Carrera para 2013 fique completa com as derradeiras novidades do ano apresentadas em Baselworld, a maior feira mundial da indústria relojoeira e que tem sido palco das maiores revelações da TAG Heuer ao longo das décadas. E Jack Heuer deve voltar a marcar presença, depois de no ano passado ter anunciado que aos 80 anos já estava na hora de se dedicar mais à família e ao descanso… afinal de contas, nunca poderia estar dissociado das Bodas de Ouro de uma das suas mais emblemáticas criações. A reforma pode esperar mais alguns meses… ET_simb