Histórias

ESPECIAL BASELWORLD 2015 – As primeiras novidades

ETO_EF_Basel1_topo

Baselworld 2015 – Sempre sob o signo da emblemática cúpula aberta sobre a Messeplatz, a atividade no maior certame mundial da indústria relojoeira atinge o seu auge no fim-de-semana… e a edição deste ano não é exceção. Entretanto, a equipa da Espiral do Tempo já viu muito e ainda tem muito para ver – aqui ficam algumas das primeiras impressões e tendências de Baselworld 2015.

Tradicionalmente, Baselworld arranca a uma quarta-feira com a jornada dedicada à imprensa e abre as suas portas de quinta-feira até à quinta-feira seguinte, sendo que o fluxo aumenta significativamente durante o fim de semana – não só devido à presença de distribuidores, lojistas e jornalistas mas também por causa da afluência do público (curiosos, aficionados e colecionadores). Essa é uma das grandes diferenças entre o Salon International de la Haute Horlogerie e Baselworld – em Basileia qualquer pessoa pode comprar um bilhete e aceder aos vários pavilhões da feira, congestionando significativamente os corredores; em Genebra, o acesso é por convites e acreditação.

Baselworld ©

Baselworld © Miguel Seabra/ Espiral do Tempo

A outra grande diferença é mais do que grande: é enorme. No Salon International de la Haute Horlogerie convivem menos de duas dezenas de marcas de um nível não muito díspar. Baselworld é uma autêntica Babilónia, com centenas de marcas expositoras – desde a Rolex à Casio, desde uma manufatura relojoeira de elite como a Patek Philippe até fornecedores de fechos de báscula, desde marcas que fabricam estojos até às que fazem correias. Sem falar da parte da joalharia! Na parte mais puramente relojoeira, o grande tema de Baselworld 2015 são os smartwatches, como se constatou na conferência de imprensa de abertura.

Baselworld ©

Conferência de imprensa de abertura de Baselworld 2015. © Miguel Seabra/ Espiral do Tempo

Como é que os smartwatches influenciarão o mercado, como é que a relojoaria mecânica tradicional poderá incorporar eventualmente novas tecnologias, como é que a indústria relojoeira suíça poderá reagir à ameaça de Silicon Valley. Para já, a resposta mais interessante foi a da TAG Heuer – mesmo que ainda não haja produto que se veja: Jean-Claude Biver, responsável do polo relojoeiro do grupo LVMH (Luis Vuitton Moet Hennessy, proprietário da TAG Heuer, Zenith, Hublot e Bulgari) e CEO da TAG Heuer, deu uma mediática conferência de imprensa com representantes da Google e da Intel a anunciar uma parceria tendo em vista um futuro smartwatch. Trata-se de uma associação de peso para fazer concorrência ao Apple Watch!

Baselworld ©

Jean-Claude Biver, responsável do polo relojoeiro do grupo LVMH e CEO da TAG Heuer © Miguel Seabra/ Espiral do Tempo

Nas tendências, prossegue a insistência no estilo Neo-Vintage que serve de tema central à edição da Espiral do Tempo que está prestes a chegar às bancas: as marcas continuam a inspirar-se em modelos específicos ou estilos do passado para fazerem reedições, recriações e reinterpretações – em edições limitadas ou mesmo gamas completas. A Patek Philippe lançou um modelo aviador de evidente inspiração militar e logo se levantaram vozes em desacordo… mas, mesmo que seja um estilo aparentemente não muito consentãneo com a ideia que se tem da lendária manufatura genebrina, basta ir ao Museu Patek Philippe para se constatar que há uma lógica e uma história por trás do Calatrava Pilot Travel Time em ouro branco!

Baselworld ©

Patek Philippe Calatrava Pilot Travel Time © Miguel Seabra/ Espiral do Tempo

A situação mais curiosa foi a da Eterna, que em 2009 tinha apresentado em edição limitada a reedição do Super KonTiki de 1973: lançou agora um Super KonTiki baseado nessa reedição mas com várias alterações no polimento da caixa, na estrutura da luneta, no mostrador, nos ponteiros, nas cores e nas correias/braceletes. Uma ‘reinterpretação da reedição’ – bem sucedida, por sinal!

Baselworld ©

Eterna Super KonTiki © Miguel Seabra/ Espiral do Tempo

Sente-se muito o regresso das lunetas caneladas que se tornaram emblemáticas da Rolex. A própria Rolex voltou a investir mais nesse tipo de lunetas (quando há uns anos atrás lançou vários modelos com lunetas lisas) e a Omega estreou uma nova linha inspirada num antigo modelo Constellation e com luneta canelada, o Globemaster, que se pode ver aqui numa versão que revela outra das modas atuais (os mostradores azuis).

Baselworld ©

Omega Globemaster © Miguel Seabra/ Espiral do Tempo

O Globemaster tem um diâmetro de 38 milímetros e surge a velha questão do tamanho clássico/contemporâneo: qual o tamanho ideal, canónico? No nosso ponto de vista, não vale a pena adiantar números. Tem tudo a ver com a construção do relógio e com o pulso de cada pessoa. Um relógio pode ser pequeno para uns e grande para outros. Há 38 milímetros que ‘vestem’ maior do que outros 38 milímetros. O tamanho das asas (que saem da caixa para segurar as correias/braceletes nos modelos mais tradicionais) influi diretamente no modo como um relógio assenta no pulso e há relógios francamente grandes que ficam perfeitamente em pulsos pequenos devido a um design integrado sem asas protuberantes (geralmente os relógios de forma e os de estética moderna, como os Linde Werdelin — novas versões SpidoLite — da imagem).

Baselworld ©

Linde Werdelin SpidoLite, novas versões. © Miguel Seabra/ Espiral do Tempo

A nova caixa da linha Formula 1 da TAG Heuer tem asas curtas e é nesse formato que está declinada uma edição limitada dedicada ao ‘nosso’ Cristiano Ronaldo com um preço de venda ao público abaixo dos 1000 euros (tem movimento de quartzo) e que também revela outra das tendências da relojoaria nos últimos tempos: as braceletes do tipo NATO. E atenção ao pormenor do logotipo da TAG Heuer no canto inferior direito: houve um restyling das letras TAG (iniciais de Techniques d’Avant-Garde).

Baselworld ©

TAG Heuer Formula 1 CR7 © TAG Heuer

Ao longo dos próximos dias e semanas cá estaremos para abordar mais especificamente as novidades de várias marcas e as grandes tendências de Baselworld 2015… ET_simb