Agenda, Histórias

Exposição ‘Ama-San’ no Museu do Oriente

© Cláudia Varejão

 

Agenda — Lembra-se da exposição de peças exclusivas da Mikimoto que esteve patente na Torres Joalheiros na avenida da Liberdade, em Lisboa? Então, agora não perca a oportunidade de conhecer melhor a vida das Ama, as mulheres mergulhadoras do Japão que, durante séculos, foram responsáveis pela colheita de ostras, com o objetivo de delas extrair as desejadas pérolas.

Foto: Cláudia Varejão

Como referimos aqui, a Torres Joalheiros teve patente na sua loja da avenida da Liberdade uma exposição dedicada a peças exclusivas da marca japonesa MIKIMOTO. A este propósito não poderíamos deixar de sugerir, como complemento, uma visita à exposição ‘Ama-San’ que destaca o papel das ‘Ama’, mulheres mergulhadoras que durante séculos asseguraram a colheita de “algas, ouriços, abalones, ostras e as suas pérolas” precisamente e que surgem como um verdadeiro desafio até para Carlos Coste! Afinal, são mulheres capazes de levar uma vida ao extremo com mergulhos até 20 metros de profundidade, sem recurso a qualquer auxiliar, como botijas, permanecendo em apneia até dois minutos. Com a nota de que a média de idades das mulheres que ainda hoje mergulham se situa entre os 50 e os 85 anos.

Esta mostra fotográfica de Cláudia Varejão resulta de viagens ao Japão com o objetivo de realizar um filme com um grupo de Ama-San da Península de Ise-Shima — terra natal de Kokichi Mikimoto.

Curiosamente, não é possível precisar a origem desta prática, mas encontram-se descrições dos seus corpos a mergulharem no mar na coleção de poemas Manyoshu (séc. XVIII) ou no Livro de Cabeceira de Sei Shonagon (séc. XI) e durante a era Tokudawa, a venda de abalone e respetiva exportação para a China, transformou as Ama-San num forte potencial de enriquecimento económico, pelo que estas mulheres foram mesmo protegidas pelas forças imperiais a fim de assegurarem entregas regulares dos tão cobiçados tesouros do mar, refere-se no site do Museu do Oriente.

Atualmente, as Ama-San continuam a ser incompreendidas e vivem uma vida independente dentro da sua comunidade, tecendo entre si laços de irmandade.

A exposição ‘Ama-San’ é assim uma oportunidade única de descobrir mais sobre estas surpreendentes mulheres, bem como o seu importante papel na sociedade oriental.

De 26 de junho a 30 de agosto, no Museu do Oriente, a não perder. ET_simb