Novidades, Relógios

Tributo a Muhammad Ali: os mestres do ringue e o Maioral

Carrera Calibre 5 Ring Master Muhammad Ali Edition

Em Nova Iorque — Não podia haver melhor palco para o lançamento do TAG Heuer Carrera Calibre 5 Muhammad Ali Edition: em cima de um ringue do lendário ginásio Gleason’s, em Brooklyn, Nova Iorque. Com Muhammad Ali e Jean-Claude Biver como protagonistas, mas também com vários outros lendários pugilistas e uma edição única vendida em leilão. Eis a primeira resenha de um combate também contra a doença de Parkinson.

Nova Iorque foi a mais recente paragem para o comboio Jean-Claude Biver: o patrão do polo relojoeiro do grupo LVMH e CEO da TAG Heuer não para e está não só a revolucionar a marca como também o mercado relojoeiro no que diz respeito ao produto propriamente dito mas também à estratégia de patrocínio. E, em vez de confinar a TAG Heuer às suas raízes historicamente ligadas ao desporto motorizado, abriu-lhe os horizontes e tem procurado influenciar mais modalidades desportivas e sobretudo mais clientes em mais mercados. Deu-nos uma entrevista exclusiva que publicaremos na próxima edição da Espiral do Tempo; para já, fica aqui o registo de uma memorável noite nova-iorquina em que, mais do que o próprio Jean-Claude Biver ou a TAG Heuer, o principal protagonista foi o grande Muhammad Ali — e o novo relógio que lhe foi dedicado.

Muhammad Ali

Muhammad Ali

© TAG Heuer

Muhammad Ali — nascido Cassius Clay — pode não dizer tanto às novas gerações, se bem que tenha sido o filho de 14 anos de Jean-Claude Biver a perguntar ao pai sobre o lendário pugilista e a despoletar todo o processo, mas é uma figura incontornável do desporto e sobretudo uma enorme personalidade do século XX. É o maior, o maioral, o melhor de todos os tempos, uma figura transcendental que foi considerado ‘Desportista do Século’ pela Sports Illustrated (a ‘bíblia’ do desporto nos Estados Unidos) e o primeiro campeão a misturar o desporto com a política. Foi ativista contra a discriminação racial e contra a guerra no Vietname, recusando o alistamento; converteu-se ao Islão e mudou de nome. Morreu a 3 de junho deste ano, aos 74 anos, na sequência de uma longa batalha contra o maior adversário da sua vida: a doença de Parkinson.

Muhammad Ali

© TAG Heuer

Até o modo como entrou para o boxe contribuiu para o mito: um chefe de polícia que também era treinador de pugilismo encontrou-o a sovar o ladrão que lhe queria roubar a bicicleta — com apenas 12 anos de idade! Foi campeão olímpico em 1960 e várias vezes campeão do mundo; acabou como Mensageiro de Paz das Nações Unidas e a receber a Medalha da Liberdade do presidente dos Estados Unidos, para além do galardão da Amnistia Internacional. Não vou estar aqui a relatar a biografia de Muhammad Ali, porque a sua vida é riquíssima em todos os aspetos e vale a pena ver o filme Ali com Will Smith e ler todos os livros sobre ele ou recordar as suas inesquecíveis tiradas («Flutuo como uma borboleta e ferro como uma abelha» é talvez a mais famosa). Mas vale a pena sublinhar a ideia de Jean-Claude Biver em se associar a uma figura estratosférica e dar-lhe os parabéns pela ‘contratação’ de um novo embaixador para a sua marca — com repercussões na coleção (o novo TAG Heuer Carrera Calibre 5 Ring Master Muhammad Ali Edition) e na luta contra a doença de Parkinson, não só pela visibilidade mas também pela verba (119 mil dólares) gerada pelo leilão efetuado nesta terça-feira à noite em Nova Iorque.

Muhammad Ali

© TAG Heuer

O evento teve lugar no famoso ginásio Gleason’s, no bairro de Brooklyn — onde Muhammad Ali e tantos outros campeões treinaram. O próprio dono do ginásio, Bruce Silverglade, esteve presente — tal como a mulher de Muhammad Ali, Lonnie, vários outros campeões de boxe como George Chuvalo, Earnie Shavers (contemporâneo de Ali), Evander Holyfield, Roberto Duran e Julio Cesar Chavez, e ainda embaixadores norte-americanos da marca como Tom Brady (futebol Americano) ou Henrik Lundqvist (hóquei no gelo) e a icónica fashionista Iris Apfel, incrivelmente energética para os seus 94 anos. Foi o primeiro grande tributo ao ‘Maioral’ após a sua morte e a apresentação, à boa maneira do boxe, foi feita por Paul ‘Magic Man’ Malignaggi. No final, leiloaram-se vários items alusivos à ocasião e a ponto alto foi a subasta de um estojo que incluía uma versão única em ouro do Carrera Calibre 5 Ring Master Muhammad Ali, luvas e documentos autografados pelo lendário pugilista.

Muhammad Ali

© TAG Heuer

E quem arrebatou o relógio? Jean-Claude Biver. É verdade: ele teve a ideia do relógio e da homenagem, é o patrão da marca… mas quis bater a concorrência no leilão e ficar não só com mais uma peça simbólica na sua extraordinária coleção pessoal como também contribuir para o The Muhammad Ali Center, a fundação de Muhammad Ali na cidade que o viu nascer — Louisville, no Kentucky. A parada subiu até aos 88 mil dólares e quando os vários candidatos viram que Jean-Claude Biver estava determinado a não deixar escapar o relógio foram desistindo… não fiquei admirado: antes, à tarde durante parte da entrevista que me concedeu, já havia revelado que estava disposto a ir até aos 100 mil dólares se fosse preciso!

TAG Heuer Carrera Calibre 5 Ring Master Muhammad Ali Edition

Muhammad Ali

© TAG Heuer

Peça única à parte, para o público em geral e aficionados da relojoaria em particular o que interessa verdadeiramente é o novo Carrera Calibre 5 Ring Master Muhammad Ali Edition. Um relógio com uma história muito interessante, já que foi inspirado no cronógrafo de mão Ring-Master que a Heuer lançou em 1957 — e que estava equipado com sete escalas intercambiáveis destinadas a outro tantos desportos, incluindo obviamente o boxe. Um relógio que, de certo modo, estava perdido no acervo histórico da TAG Heuer e que foi redescoberto quando a equipa de desenvolvimento de produto foi analisar o historial riquíssimo de peças associadas ao desporto que a marca lançou praticamente desde a sua criação, em 1860. Ainda houve um cronógrafo preto de 1985 dedicado ao boxe com movimento Lemania e muito raro, mas a combinação cromática da peça de 1957 é bem mais atraente. Tivemos a oportunidade de ver o Ring-Master original numa primeira ocasião e depois de o colocar junto ao novo Carrera Calibre 5 Ring Master Muhammad Ali em aço; as condições de luz não eram ideais, mas a oportunidade mereceu as fotografias.

© Espiral do Tempo / miguel Seabra

© Espiral do Tempo / Miguel Seabra

Ring Master, 1957

© Espiral do Tempo / Miguel Seabra

© Espiral do Tempo / Miguel Seabra

© Espiral do Tempo / miguel Seabra

© Espiral do Tempo / miguel Seabra

Atenção: o Carrera Calibre 5 Ring Master Muhammad Ali em aço está limitado a somente 750 exemplares — e sabe-se que apenas 10 estão destinados ao mercado português (com um preço de venda ao public aconselhado de 2.700 euros). O mostrador remete imediatamente para o original de 1957, mas a base é a do recente Carrera Driver Timer, com uma caixa de 43 milímetros, escala rotativa interior manejável a partir de uma coroa às 10 horas e o movimento automático Calibre 5. O fundo apresenta uma gravura em baixo relevo de Muhammad Ali.

Carrera Calibre 5 Ring Master Muhammad Ali Edition

© Espiral do Tempo / Miguel Seabra

O mostrador — com a assinatura de Muhammad Ali em destaque — e a escala rotativa estão evidentemente associados ao boxe. E os combates de pesos-pesados costumavam ter 15 rounds de 3 minutos cada, com intervalos de um minuto entre cada round. O que dá os tais 15 vezes 4 minutos, ou seja 60 minutos, no mostrador. Atualmente, os combates passaram de 15 para 12 rounds, mas a TAG Heuer preferiu seguir o original de 1957… até porque a soma dá os 60 minutos perfeitos para o mostrador.

Carrera Calibre 5 Ring Master Muhammad Ali Edition

© Espiral do Tempo / Miguel Seabra

Rodando a escala interior a partir da coroa às 10 horas, acerta-se o triângulo vermelho dessa escala com o ponteiro dos minutos. O Carrera Calibre 5 Ring Master Muhammad Ali Edition tem duas escalas para abranger também os combates femininos (e a filha de Muhhamad Ali é uma famosa pugilista), cujos rounds duram dois minutos em vez de três — daí os quadrados a creme e amarelo de dois minutos, com o quadrado preto a representar o intervalo entre rounds. Para os combates masculinos, os segmentos a vermelho têm três minutos e são intervalados pelos segmentos a preto.

Carrera Calibre 5 Ring Master Muhammad Ali Edition

© TAG Heuer

E está assim feito o registo do evento e do(s) relógio(s). Na Cidade que Nunca Dorme, acordei bem cedo para dar conta do acontecimento com a devida relevância e vos manter a par das últimas novidades da relojoaria. Com uma motivação dupla: o relógio é mesmo interessante e Muhammad Ali mesmo inesquecível! Over and out… deixo-vos com uma imagem da minha reedição Monaco ‘Steve McQueen’ na mítica Grand Central Station. Porque ser quadradão é fixe  e porque Steve McQueen e Muhammad Ali eram a personificação do cool. ET_simb

Monaco 'Steve McQueen'

© Espiral do Tempo / Miguel Seabra

Save

Save

Save

Save

Save

Save

Save

Save