Opinião

PONTO de VISTA – #SpeedyTuesday

Cronica_Hubert_SIHH_01

Em Genebra - Afirma-se que a história se repete. No entanto, se há uma história que a indústria relojoaria suíça não quer ver repetida é a mudança de paradigma que a tecnologia quartzo impôs nos anos 70. Nessa altura, centenas de pequenas e médias empresas produziam milhões de relógios mecânicos, exportando-os para os quatro cantos do Planeta.

Os decisores estavam convencidos de que o setor era demasiado poderoso para ser abalado por uma nova tecnologia. Porém, aconteceu. Os japoneses da Seiko, entre outros, ultrapassaram os seus concorrentes helvéticos em poucos anos, criando um terramoto económico e social de tal magnitude que só deixou escombros de uma outrora magnífica indústria relojoeira suíça.

Trinta anos passados, uma outra geração de gestores aparenta continuar a acreditar no ‘too big to fall‘.

A bela relojoaria mecânica demonstra, novamente, grandes dificuldades em adaptar-se a uma nova clientela, muito mais exigente por ser altamente conectada, logo informada ao minuto.

Vendem-se anualmente mais relógios conectados do que toda a relojaria suíça (avaliada pela Federação Relojeira Suíça em 28.5 milhões em 2015). A título de exemplo, a Tissot, para não a citar, marca do Grupo Swatch, teria tido toda a credibilidade para entrar nesta luta titânica contra os relógios Apple e Samsung. Não o fez, deixando espaço para as marcas americanas e asiáticas cresceram ainda mais.

Curiosamente, e enquanto o Salão Internacional da Haute Horlogerie (SIHH), abre as suas portas, o buzz já foi conseguido por uma outra marca do grupo Swatch. Pela primeira vez na sua história, a Omega terá conseguido vender na última terça-feira, através da sua conta de Instagram, 2012 Speedmaster “SpeedyTuesday” em poucas horas.

Apesar de representar uma ínfima parte dos seus negócios, esta operação comercial comprovou o valor das redes sociais não só como vetor de comunicação, mas igualmente como canal de venda direta para consumidores finais.

Isto promete agitar todo o setor, e sem dúvida nenhuma, e fazer vários emules ao longo deste ano.

Tempos agitados e desafiantes perfilam-se…

Ps: Parte da equipa Espiral do Tempo está em reportagem em Genebra esta semana. Acompanhem as nossas análises no nosso site e no Instagram e no Facebook.