Atualidades, Histórias, Histórias, Novidades

Escolhas da semana: Vintage GMT, Duomètre Chronographe Magnetite e Hammerhead

Nossa Escolha

A versão GMT de uma das mais felizes interpretações do Chronofighter da Graham, novos modelos Duomètre da Jaeger-LeCoultre que se distinguem não só pelo já reconhecido conceito técnico, como pelo impacto estético do mostrador cinza magnetite e um relógio pujante de mergulho como tendem a ser os relógios de mergulho da Oris: são estes os modelos que destacamos esta semana. 

Graham Chronofighter Vintage GMT

 

Graham Chronfighter Vintage GMT © Graham

Graham Chronfighter Vintage GMT © Graham

Graham Chronfighter Vintage GMT © Graham

Graham Chronfighter Vintage GMT © Graham

A Graham celebrou em 2016 o 15.º aniversário do seu Chronofighter, com o lançamento de uma bela série com caraterísticas rétro e que ainda hoje nos continua a encher as medidas. Foi por isso com satisfação que recebemos a notícia de que uma versão GMT vinha complementar o elenco.

Porque gostamos:
* Porque se já o afirmámos uma vez, não temos receio de o voltar a afirmar: dos quatro modelos apresentados em 2016 e até de todos aqueles que foram sendo lançados pela marca ao longo de década e meia, nenhum fará tanta justiça ao espírito que esteve na génese do Chronofighter como a versão com mostrador preto e números e correia bege. Os novos GMT recuperam alguns destes códigos estéticos, nomeadamente o desenho da alavanca, mas também elementos de nova geração, como a luneta associada ao segundo fuso horário e que encontramos nas versões GMT regulares do Chronofighter e no Silverstone GMT.

* Porque unir cronógrafo e GMT é a sequência lógica no seio da coleção. A solução adotada para indicação do segundo fuso horário é nossa conhecida. Prima pela legibilidade que é o que se pretende num relógio deste género.

* Porque apesar de continuarem com a caixa de 44 mm, os novos modelos vêm responder a quem ficou mais desiludido com as versões que inauguraram a vertente vintage do Chronofighter. Tudo porque a luneta com disco em cerâmica preta, além de contribuir para uma personalidade mais contemporânea e até desportiva, amplia visualmente a dimensão do relógio. Quer isto dizer que parece maior.

* Porque os mostradores de efeito escovado soleil (diferente do acabamento sablé dos modelos do ano passado) são qualquer coisa e jogam com os reflexos de uma maneira que só quem usa tem mesmo noção. O caso dos reflexos na versão de mostrador castanho é especialmente notório.

* Porque estão disponíveis em cores que tanto respondem a quem prefere um estilo mais contemporâneo, como a quem prefere um estilo mais vintage ou até mais militar: preto, azul, castanho e verde. Estamos fãs em especial de duas versões: a versão verde e a versão castanha.

* Porque as correias em pele a condizer com o mostrador seguem a onda rétro necessária para complementar os elementos que ecoam o regresso ao passado.

Algumas notas técnicas:
Graham 
Chronofighter Vintage GMT
Referências/ 
2CVBC.B15A.L127S (mostrador preto/correia preta); 2CVBC.C01A.L126S (mostrador castanho/correia castanha); 2CVBC.G01A.L141S (mostrador verde/correia verde); 2CVBC.U02A.L129S (mostrador azul/ correia azul) Movimento/ Corda automática. Calibre G1733, 48 h de reserva de corda, 28.800 alt/h (4Hz), 28 rubis Funções/ Cronógrafo com botão de reset e alavanca start/stop, horas, minutos, segundos, data numa janela às 12 horas Caixa Ø 44 mm/ Aço, vidro e fundo em vidro de safira com tratamento antirreflexos, estanque até 100 m Bracelete/ Pele cosida à mão com pesponto bege e fivela em aço.

Jaeger-LeCoultre Duomètre Chronographe Magnetite Grey

Jaeger-LeCoultre_Duometre_Chronographe

© Jaeger-LeCoultre Duomètre à Chronograph Magnetite Grey

A linha Duomètre da Jaeger-LeCoultre —conhecida pelo seu movimento Dual-Wing —foi este ano enriquecida com novas versões, nomeadamente o Duomètre Chronograph Magnetite Grey. Desta vez, a novidade passa por um mostrador cinzento, em cinzento magnetite. É este o modelo que destacamos. Além do cronógrafo, foram ainda apresentados, também com mostrador cinzento, o Duomètre Spherotourbillon e o Duométre Quantième Lunaire. Todos com caixa em ouro rosa de 42 mm e braceletes castanhas em pele de aligátor.

Porque gostamos:

* Porque o movimento Dual-Wing surpreende sempre pelo conceito de bicefelia que lhe está associado: um mecanismo para as indicações do tempo e um outro para uma segunda complicação – sendo a precisão o principal objetivo. Se tecnicamente esta solução dá que falar, as possibilidades ao nível estético também são uma delícia para quem gosta de mostradores bonitos e elegantes, mas com laivos de tecnicidade.

* Porque o mostrador apresenta a dualidade característica da linha, sem esquecer a perfeita legibilidade. Por outro lado, o tom em magnetite é muito especial e oferece ao relógio um apontamento misterioso que casa bem com as aberturas na zona inferior da caixa: os elementos do calibre acabam por sobressair do tom escurecido e ganham estatuto de vedetas. Lembramos que o primeiro Duométre Chronographe que foi lançado não tinha estas aberturas; mas a alteração que entretanto foi feita tem tudo a ver com um instrumento de elevado calibre como este. Ou seja, faz todo o sentido.

* Porque a relação do tom do mostrador (mais uma vez, o tom dos mostrador) com o tom rosa da caixa, dos indexes e dos ponteiros  resulta e faz deste um relógio muito elegante, e que vai ao encontro das mais bem conseguidas tendências no mundo da relojoaria.

* Porque o movimento do irrequieto ponteiro foudroyante é mais um daqueles espetáculos que capta a atenção dos nossos olhos. Além de uma questão técnica (falamos de 1/6 de segundo) há sempre a questão do apelo visual.

* Porque a caixa de 42 mm tem o tamanho perfeito e emoldura o mostrador na medida certa. Sem mais e sem menos. Harmonia na disposição das funções, legibilidade, elegância e soluções técnicas de valor são assim guardados numa caixa muito confortável e com acabamentos requintados, entre o polido e o escovado.

Algumas notas técnicas:
Jaeger-LeCoultre 
Duomètre Chronographe/ Referência/Q601244J Movimento/ Mecânico de corda manual, Calibre Jaeger-LeCoultre 380, 21.600 alt/h, 47 rubis Funções/ Horas, minutos, segundos, cronógrafo, segundo foudroyante, indicação da reserva de corda do cronómetro e do cronógrafo. Caixa Ø 42 mm/ Ouro rosa 18 kt, vidro de safira com revestimento antirreflexos na frente e no verso, estanque até 50 m Mostrador/ Tonalidade cinza magnetite com acabamento opalino, indexes dourados Bracelete/ Pele castanha; fecho de báscula em ouro 18 quilates.

Oris Hammerhead Limited Edition

Oris Hammeread Limited Edition © Oris

A Oris associou-se à Pelagios Kakunjá, uma organização sem fins lucrativos que luta pela conservação dos tubarões, e apresenta o  Oris Hammerhead Limited Edition, um relógio que ajudará a angariar fundos para um projeto desta organização e que conta com o apoio do embaixador da Oris Jérôme Delafosse. Curiosamente, quando o fotógrafo Nuno Sá foi convidado a fazer um test drive com um Oris Aquis Depth Gauge Chrono, associou o cronógrafo que usou a um tubarão martelo. Parece que Oris Hammerhead Limited Edition vem fazer literalmente jus a esta comparação.

Porque gostamos:

* Porque o Oris Hammerhead Limited Edition baseia-se na coleção Aquis de segunda geração, lançada este ano, dando continuidade ao espírito e design do Aquis original de 2011, mas destaca-se por um perfil mais elegante – logo apresenta-se como um relógio visualmente mais leve apesar da caixa de 45 mm de diâmetro.

* Porque apesar de mais leve visualmente, o relógio mantém a sua identidade de relógio de mergulho: a luneta rotativa unidirecional com anel de cerâmica e a estanqueidade bem simpática de até 500 metros são apenas alguns dos elementos de destaque.

* Porque a ligação ao mundo do mar faz-se através de pequenas notas que sobressaem do mostrador. Falamos do tom azul do ponteiro central dos segundos e da escala dos minutos que contorna o mostrador. A ligação do azul ao mostrador antracite escovado (uma combinação que parece começar a ser muito adotada em relojoaria).

* Porque está disponível com duas opções de bracelete: aço ou borracha preta.

* Porque é uma edição limitada a 2000 exemplares personalizada no fundo com a gravação da imagem de um tubarão martelo e com o número de edição limitada.

* Porque no fundo trata-se de um relógio que, ao ser lançado, acaba por estar associado a uma causa nobre. Se para alguns isto pode não interessar nada, para outros é sempre um ponto a favor.

Algumas notas técnicas:
Oris
Hammerhead Limited Edition
Referência/ 1 752 7733 4183 MB Movimento/ Automático Oris Calibre 752, based on Sellita SW 200-1, com janela grande da data e dia da semana na posição das 3 horas Caixa/ Ø 45,50 mm em aço com coroa de rosca de segurança e proteção da coroa. Estanque até 500 m. Luneta rotativa unidirecional com anel de cerâmica embutido. Fundo em aço com gravação da imagem de um tubarão-martelo bem como o número da edição limitada/ Mostrador Cinzento com escala dos minutos branca/azul e indexes aplicados, preenchidos com Super-LumiNova®. Ponteiros das horas e dos minutos em níquel polido com inserções em Super-LumiNova®. Ponteiro central dos segundos azul, com inserção em SuperLumiNova® em forma de bola Bracelete/ Borracha preta com fecho de báscula ou aço/ Edição limitada a 2000 exemplares