Novidades, Relógios destaque 2

Baselworld 2017: as novidades Rolex

Rolex_Sea_Dweller

Depois da euforia, a bonança. Andava tudo muito nervoso com os teasers das novidades 2017 da Rolex. E muitos acertaram que a marca iria celebrar o 50º aniversário do Oyster Perpetual Sea-Dweller com um lançamento especial. Depois de tantos segredos, eis que a gigante da coroa revelou o que tantos esperavam. Deixamos um breve apanhado das novidades Rolex.

A Rolex mantém-se como um nome à parte no âmbito da relojoaria e continua a ser uma das marcas mais reconhecidas em todo o mundo, pelo que as expectativas no que diz respeito ao lançamento de novidades são sempre muito elevadas e qualquer alteração é analisada ao máximo. Depois, há aquela questão do segredo que a marca sabe trabalhar tão bem – porque os novos relógios são mesmo guardadas até a uma data precisa e ninguém sabe de nada até lá. Como o proibido é sempre o mais apetecido, o que acontece é que há mesmo quem se dedique a tentar adivinhar quais serão os lançamentos da marca, numa espécie de previsão que faz bater muitos corações.

Depois, seguem-se teasers Rolex que pouco revelam, mas que estimulam ainda mais a curiosidade e a ansiedade. Com tanto zunzum, o resultado é o natural: uns batem palmas de alegria e outros ficam mais desiludidos perante as novidades apresentadas.

Não nos podemos esquecer de que o ano passado foi de euforia com a apresentação do messianico Oyster Perpetual Cosmograph Daytona em aço nas tradicionais duas variantes de mostrador branco ou preto. Além disso, havia muita expectativa em torno de novos modelos GMT Master II ou Explorer II. A marca respondeu com a celebração do 50º aniversário do Sea-Dweller, mas acabou por introduzir algumas alterações menos esperadas. Aqui fica um resumo geral de cada uma das novidades da gigante da coroa, mas em breve iremos abordar algumas com mais pormenor.

Oyster Perpetual Sea-Dweller Ref. 126600 50º anniversary

Sea Dweller © Rolex

Rolex Oyster Perpetual Sea-Dweller Ref. 126600 50º anniversary. © Rolex

Para celebrar o meio século do Sea-Dweller, a Rolex apresentou a nova geração do seu incontornável modelo profissional de mergulho e com alterações bastante acentuadas e até inesperadas. As grandes diferenças relativamente ao modelo anterior passam pela ampliação da caixa dos 40 mm para 43 mm e pela introdução da lupa Cyclops às 3 horas na indicação da data. Além disso, o mostrador apresenta ainda a referência “Sea-Dweller” em vermelho, como alusão ao primeiro Sea-Dweller, lançado em 1967.

Sea Dweller © Rolex

Rolex Oyster Perpetual Sea-Dweller Ref. 126600 50º anniversary. © Rolex

Outra das grandes novidades prende-se com o movimento: pela primeira vez um modelo da categoria Profissional da Rolex é equipado com o Calibre 3235, um movimento de corda automática de vanguarda, com escape Chronergy de rendimento otimizado, 70 horas de reserva de corda e uma frequência de 4 Hz. Com caixa em aço 904L e luneta rotativa unidirecional com disco Cerachrom preto, o novo Sea-Dweller é estanque até 1220 metros e, claro, inclui válvula de hélio – uma patente Rolex de 1967.

Por fim, é incontornável referir o mostrador preto do qual se destacam os indexes e ponteiros – com revestimento Chromalight. O perfeito contraste para uma melhor legibilidade, principalmente em contexto de relógios de mergulho.

Oyster Perpetual Cosmograph Daytona

Cosmograph Daytona © Rolex

Oyster Perpetual Cosmograph Daytona © Rolex

Em 2016, a Rolex lançou o tão desejado Daytona em aço, desvelado nas tradicionais duas variantes de mostrador branco ou preto — mantendo praticamente a mesma arquitetura da caixa e o mesmo tamanho, mas com um look substancialmente diferente devido à integração de uma luneta negra em Cerachrom com graduação fina de extraordinária precisão. Agora, a marca volta à carga, mas com três novas versões do seu modelo Oyster Perpetual Cosmograph Daytona: em ouro amarelo, ouro branco e Everose. Além da nova aposta de materiais, outra das novidades prende-se com a introdução da bracelete Oysterflex de elastómetro – bracelete apresentada pela primeira vez no Yacht-Master. Os novos Daytona estão equipados com o Calibre 4130, agora com Rolex Superlative Chronometer Certification que garante uma precisão de +2/-2 segundos por dia.

Cellini Moonphase

Cellini Moonphase © Rolex

Rolex Cellini Moonphase © Rolex

Sobretudo conhecida pelo inconfundível perfil dos seus modelos assentes na caixa Oyster, a Rolex renovou há dois anos o discreto Cellini — a linha de contornos clássicos batizada em honra do músico e escultor renascentista Benvenuto Cellini. De entre os três diferentes modelos com 12 possíveis variantes, por aqui chegámos a destacar o Cellini Dual Time; mas este ano, a Rolex apresenta o Cellini Moonphase, o primeiro Rolex em 50 anos a recuperar a indicação do ciclo lunar.

Cellini Moonphase © Rolex

Rolex Cellini Moonphase © Rolex

Com caixa em 39 mm, o Cellini Moonphase é lançado em ouro Everose e apresenta um bonito mostrador branco lacado com um disco azul esmaltado às 6 horas no qual está representado o ciclo lunar: a lua cheia surge como um aplique em meteorito e lua nova surge como um círculo. O disco com as luas roda e um indicador às 12 horas no submostrador permite a sua leitura. Por fim, a data é indicada na periferia do mostrador através de um ponteiro com extremidade em forma de lua em quarto crescente.

Oyster Perpetual Yacht-Master II

Yacht Master II © Rolex

Rolex Yacht-Master II © Rolex

O Yacht-Master II de 2007 já tinha representado a entrada num novo patamar de complexidade graças a um cronógrafo dotado de memória mecânica que exaltou a histórica associação da marca ao universo das regatas, tornando a complicação cronográfica com countdown perfeitamente pertinente. O Yacht-Master II  surge agora com algumas alterações no mostrador, nomeadamente, um indicador triangular nas 12 horas e um indicador retangular nas 6 horas para uma melhor legibilidade. Além disso, surge com novos ponteiros, típicos dos modelos profissionais da Rolex.  Com caixa de aço e luneta rotativa bidirecional com anel em Cerachrom azul, o Yacht-Master II é animado pelo Calibre 4161, movimento cronógrafo mecânico de corda automática bidirecional com roda de colunas e embreagem vertical, desenvolvido e manufaturado pela Rolex.

Yacht Master II © Rolex

Rolex Yacht-Master II © Rolex

Oyster Perpetual Sky-Dweller

Sky Dweller © Rolex

Rolex Oyster Perpetual Sky-Dweller. © Rolex

Com o Oyster Perpetual Sky-Dweller, a Rolex veio confirmar que só lança modelos novos de raiz quando deseja apresentar algo inédito que marque a diferença. E a complicação suplementar incluída (calendário anual) representa mesmo uma nova dimensão na história recente da marca, exaltando a originalidade das soluções encontradas e revelando a mestria técnica da manufatura genebrina sem que o seu ADN tenha sido traído. E em 2017 surgem novas versões: pela primeira vez, este que é claramente um relógio destinado a viajantes surge numa versão bicolor  – em Rolesor amarelo e Rolesor branco e completamente em aço.

Sky Dweller © Rolex

Rolex Oyster Perpetual Sky-Dweller. © Rolex

Além disso, o mostrador sofreu alterações: em vez de numerais árabes ou romanos, os novos modelos surgem com indexes retangulares e ponteiros alongados, com revestimento Chromalight. Lembramos que o Sky-Dweller tem um calendário anual apelidado Saros (fenómeno astronómico de revolução da Terra e da Lua que regula os eclipses) que distingue os meses de 30 ou 31 dias, devido a uma engenhosa colocação de rodas dentadas no mecanismo. Os ponteiros principais indicam o tempo local e estão sincronizados com a data; o disco de 24 horas fornece o segundo fuso horário; a indicação do mês (de 1 a 12) surge em pequenas janelas na base dos indexes das horas.

Oyster Perpetual Yacht-Master 40

Yacht Master 40 © Rolex

Rolex Oyster Perpetual Yacht-Master 40. © Rolex

Em 2015, a Rolex apresentou uma única novidade na sua linha Professional: o Oyster Perpetual Yacht-Master que surgiu com pormenores que foram novidade absoluta na história da Rolex. Na altura, foi lançado em Everose (nos tamanhos 40 e 37mm) com um inédito mostrador negro e luneta Cerachrom preta de algarismos em relevo, acompanhado da primeira bracelete cauchu de sempre da Rolex que, na verdade, nem é propriamente de cauchu — é a tal Oysterflex (que este ano vem equipar também o Daytona), patenteada por integrar uma lâmina de metal superelástico (em titânio e níquel) revestido por borracha vulcanizada da última geração. Este ano,  a Rolex apresenta o Oyster Perpetual Yacht-Master 40 numa versão com luneta rotativa bidirecional cravejada de safiras de várias cores, tsavorites verdes e um diamante triangular nas 12 horas.

Yacht Master 40 © Rolex

Rolex Oyster Perpetual Yacht-Master 40. © Rolex

Oyster Perpetual Datejust 41 e Lady-Datejust 28

Datejust 41 © Rolex

Rolex Oyster Perpetual Datejust 41. © Rolex

Depois do lançamento do Datejust 41 no ano passado, a Rolex avança para novas variantes, desta vez em aço e Rolesor branco. Os novos Datejust surgem, assim, com luneta canelada, e numa variada seleção de mostradores. No caso das versões Rolesor amarelo e Rolesor Everose, apresentadas no ano passado, as novidades passam pela caixa redesenhada e pelo novo Calibre 2325: com 12 patentes, escape Chronoenergy e autonomia de, aproximadamente, 17 horas. E, claro, mais uma aposta da Rolex com Superlative Chronometer Certification.

Lady Datejust © Rolex

Rolex Lady-Datejust 28. © Rolex

Por fim, na linhagem de relógios assumidamente de senhora, surge uma versão em aço e outra em Rolesor branco do Oyster Perpetual Lady-Datejust 28, com luneta de ouro branco canelada ou cravejada de diamantes. Em causa está também uma seleção variada de mostradores. À semelhança das versões em ouro e Rolesor de 2015 e 2016, os novos modelos surgem com caixa redesenhada e ampliada para os 28mm e com o Calibre 2236 de última geração.

Lady Datejust © Rolex

Rolex Lady-Datejust 28. © Rolex

Consulte o site oficial da Rolex para mais informações sobre as novidades apresentadas na edição de 2017 de Baselworld.