Atualidades, Histórias

EDIÇÃO IMPRESSA: com o verão chega o número 59 da Espiral do Tempo

capa espiral 59

Com a chegada do verão chega também às bancas mais uma edição da Espiral do Tempo: o número 59, mais precisamente. E sim, são 140 páginas bem frescas, cheias de vida e cheias de histórias, com o novo Rolex Sea-Dweller em grande destaque. ‘Transparência” surge como o fio condutor deste número – um tema abordado segundo os mais diversos ângulos. Para aguçar o apetite deixamos o editorial!

Ativismo

«IS TRUTH DEAD?»*

Três letras esmagadoras num fundo vermelho, em jeito de uppercut nos leitores da Time Magazine.

Foi, pelo menos, o que senti quando vi esta capa publicada na edição do passado dia 3 de abril deste semanário norte-americano. Desde então, referi inúmeras vezes esta capa em conversas casuais. Separar o joio do trigo no mar de notícias que recebemos diariamente requer mais do que nunca manter bem em alerta o nosso espírito crítico.

Tudo bem.
E o que isto terá a ver com a bela relojoaria?

Duas (felizes) décadas neste setor de atividade permitem-me afirmar que a indústria relojoaria padece, hoje, de uma maior opacidade. A informação gerada pelas marcas assenta em dossiers de imprensa bastante rígidos, por vezes confusos, e ilustrados com fotografias ‘amigas do Instagram’, o que nem sempre significa informativas. Mais: um crescente número de fábricas deixou de aceitar fotógrafos durante as visitas às mesmas. Exige um esforço muito maior. Precisamos de decuplar a nossa equipa para chegar aos decisores, quer durante as feiras do certame, como nas viagens internacionais e as apresentações locais. Recebemos no nosso escritório cada vez mais modelos para poderem ser analisados de uma forma idónea, e fotografados no nosso estúdio. E é a trocar semanalmente relatos dessas conversas de bastidores que a equipa consegue consolidar informação que julgamos pertinente.

Esta constatação obrigou-nos a refletir melhor sobre o nosso papel e sobre a forma como temos acesso a informação relevante. Motivou, em parte, a escolha da temática desta edição: a transparência. E, muito naturalmente, esta nossa atitude de ‘ativistas’ (!) obrigou-nos a abrir a caixa de pandora dos preços, com a reprodução de um dossier já publicado este ano pela excelente revista suíça Europa Star e os editores Pierre e Serge Maillard. Como facilmente se constata, a ‘verdade relojoeira’ ainda não morreu!

Postos de parte os aspetos económicos do nosso setor e voltando aos relógios, ficámos surpreendidos pela variedade de possibilidades que a temática da transparência nos permite. Escolhemos alguns temas de entre muitos, nomeadamente uma reflexão sobre as várias utilizações do vidro de safira ou ainda o espantoso modelo ATMOS Marc Newson, cuja campânula é constituída por cristal da Maison Baccarat.

E, como não podia deixar de ser, esta edição de verão transpira água em muitas das suas páginas, com fotografias de relógios dentro e fora do meio aquático! Para a nossa capa, a equipa criativa escolheu o cenário paradisíaco da Lagoa de Albufeira para soprar as 50 velas do novo Sea-Dweller da Rolex.

Vejam e comentem nas nossas redes sociais: Instagram e Facebook.

Resta-me a agradecer o empenho e a dedicação da nossa pequena equipa, que me deixa a cada edição, a cada produção, a cada post, mais orgulhoso. Estou convicto de que a marca Espiral do Tempo chegou hoje a uma maturidade editorial, gráfica e fotográfica que a permite sonhar ainda mais alto. Sempre em prol dos profissionais do nosso ramo, bem como dos amantes da haute horlogerie. Até porque nós não nos cansamos de repetir que … a bela relojoaria é eterna!

* Terá a verdade morrido?

Folheie aqui o número 59 da Espiral do Tempo.

 

 

Artigos Relacionados