Histórias

EM FOCO – Os 10 anos do Rolex Yacht-Master II

Rolex Yacht-Master II

No décimo aniversário do lançamento do Yacht-Master II, a Rolex apresentou uma atualização da versão em aço do relógio que, à altura da sua estreia, estabeleceu diversos marcos na história da marca. Aqui fica uma homenagem aos dez anos do Yacht-Master II, com destaque para o mais recente modelo.

A família Yacht-Master nasceu em 1992 para reforçar a histórica ligação da Rolex ao universo náutico desportivo – associando uma luneta de platina em relevo a uma caixa em aço numa versão de três ponteiros acompanhada de data. Era mais um modelo Rolex essencial e fiel à tradição da marca em fazer relógios simples e fiáveis. Porque por maior que seja a reputação da Rolex enquanto ícone global do luxo, a marca genebrina nunca pretendeu enveredar pelos caminhos complicados da alta-relojoaria. Foi por isso que o advento do Yacht-Master II com o seu cronógrafo de contagem decrescente, em 2007, surpreendeu os aficionados… tanto como o Sky-Dweller e o seu peculiar calendário anual, em 2014.

Rolex Yacht-Master II

O Rolex Yacht-Master I lançado este ano em Baselworld. © Espiral do Tempo/ Susana Gasalho

Há dez anos, o Yacht-Master II não só estreou uma inovadora complicação dotada de memória mecânica como também uma caixa de inédito tamanho sobredimensionado na coleção da marca. A Rolex nunca quis verdadeiramente embarcar na onda das ‘complicações’ – não por falta de competência técnica, mas porque o termo está habitualmente associado a relógios pouco práticos e invariavelmente frágeis. As complicações que passaram a dominar o catálogo da marca na segunda metade do século XX são as mais simples: a data (Datejust), eventualmente também o dia da semana (Day-Date), o cronógrafo num único modelo (Daytona). O novo Yacht-Master II já surgiu no século XXI e saiu ligeiramente dessa órbita, sendo o primeiro cronógrafo munido de contagem decrescente com memória programável!

As diferenças

Ao contrário de todos os outros relógios do catálogo Rolex (à excepção do mais recente Sky-Dweller), o Yacht-Master II apresenta um mostrador ‘elaborado’ que traduz automaticamente a complexidade das suas funções. E é precisamente no mostrador que foram introduzidas as alterações presentes no modelo apresentado na edição de Baselworld deste ano.

Começando pelos ponteiros: os anteriores ponteiros eram lineares, em bastão; os novos acompanham mais a tradição dos modelos da linha Professional em geral e do Yacht-Master (1) em particular – os chamados ponteiros ‘Mercedes’, destacando-se obviamente o das horas com a sua forma especial tão caraterística do ADN da marca; o dos minutos mantém a forma de bastão mas surge seccionado e recortado para não obstruir a leitura dos dados da função de contagem decrescente. Os novos ponteiros passam a equipar todos os modelos Yacht-Master II: para além da referência em aço (Ref. 116680), também em Everose Rolesor (aço e ouro rosa Everose, Ref. 116681), em ouro amarelo (Ref. 116688) e em ouro branco com luneta de platina (Ref. 116689).

Rolex Yacht-Master II

Os ponteiros do novo Yacht-Master II acompanham mais a tradição dos modelos da linha Professional em geral e do Yacht-Master (1) em particular – os chamados ponteiros ‘Mercedes’. © Espiral do Tempo/ Susana Gasalho

Já no mostrador propriamente dito saltam à vista as mudanças nos indicadores das 12 e das 6 horas; anteriormente eram quadriláteros como todos os outros, mas agora o das 12 é triangular e o das 6 tornou-se retangular para que haja uma distinção mais imediata em caso de menor luminosidade. A peculiaridade do mostrador, que tem os já referidos ponteiros das horas e minutos ao centro e ainda pequenos segundos às 6 horas, consiste numa escala situada entre as 8 e as 4 horas para os minutos decrescentes (ponteiro ao centro com ponta em triângulo); há ainda outro ponteiro central (vermelho) para os segundos decrescentes.

Rolex Yacht-Master II - O ponteiro dos minutos

Rolex Yacht-Master II – O ponteiro dos minutos. © Espiral do Tempo/ Susana Gasalho

A estrutura do Yacht-Master II, talhada num monobloco de metal, ostenta um diâmetro de 44 mm – o maior na coleção da Rolex. A caixa inclui uma coroa ladeada por protetores laterais e tornada anti-infiltrações pelo sistema Triplock (que lhe garante estanquicidade a 100 metros) mais os dois botões do cronógrafo, e é encimada por uma luneta rotativa designada Ring Command Bezel (também o Sky-Dweller inclui uma do género) revestida de cerâmica que assegura a interação entre o mecanismo e a caixa do relógio. Rodando a 90 graus, a luneta acede à função de programação da contagem decrescente e fecha essa programação.

A bracelete é Oyster com elos centrais polidos, fecho Oysterlock e sistema Easylink com extensão de 5mm para pequenos ajustes.

A bracelete é Oyster com elos centrais polidos, fecho Oysterlock e sistema Easylink com extensão de 5mm para pequenos ajustes.

A bracelete é Oyster com elos centrais polidos, fecho Oysterlock e sistema Easylink com extensão de 5mm para pequenos ajustes.

A Funcionalidade

A grande originalidade do Yacht-Master II reside no facto de o Calibre 4160 permitir contagens decrescentes de 0 a 10 minutos, para estabelecer o momento da largada de regatas com várias sequências de partida. E o termo ‘programável’ – e não simplesmente ‘ajustável’ – deve-se ao facto de o relógio se ‘lembrar’: quando se faz um restart da contagem decrescente, o ponteiro countdown retoma o lugar onde iniciou a última contagem. Um feito notável para um calibre mecânico.

Rolex Yacht-Master II

Quando se faz um restart da contagem decrescente, o ponteiro countdown retoma o lugar onde iniciou a última contagem. Um feito notável para um calibre mecânico. © Espiral do Tempo/ Susana Gasalho

A cronometragem da partida de uma regata faz-se apoiando no botão ‘start/stop’ para accionar a contagem decrescente – finda a qual o ponteiro pára no 0 e o ponteiro dos segundos continua a sua marcha. Se necessária, a sincronização da contagem decrescente, no momento do sinal oficial (sonoro ou visual), é feita através de breve pressão a fundo sobre o botão ‘reset’; o ponteiro dos minutos da contagem decrescente reposiciona-se no minuto mais próximo, enquanto o ponteiro dos segundos volta ao 0; e quando se solta o botão ‘reset’, o minuto e o segundo partem automaticamente para a contagem decrescente. Para parar, basta apoiar sobre o botão ‘start/stop’.

Rolex Yacht-Master II

A estrutura do Yacht-Master II, talhada num monobloco de metal, ostenta um diâmetro de 44 mm – o maior na coleção da Rolex. © Espiral do Tempo/ Susana Gasalho

Para inicializar a contagem decrescente, pressiona-se o botão ‘reset’ e o ponteiro dos minutos retoma o minuto programado aquando da última programação, enquanto o dos segundos volta para o 0. A programação da contagem decrescente é feita rodando a luneta 90 graus no sentido contrário aos ponteiros do relógio; depois pressiona-se o botão ‘reset’ até se ouvir um clique, desenrosca-se a coroa para a colocar na posição 1 e posiciona-se o ponteiro dos minutos rodando a coroa no sentido em que se dá corda. Devolve-se a luneta à sua posição original, rodando-a em 90 graus no sentido das agulhas do relógio até se ouvir um clique; trata-se de uma manobra que devolve o botão ‘reset’ à posição inicial e desbloca o botão ‘start/stop. Finalmente, empurra-se a coroa e enrosca-se, ficando o relógio pronto para a contagem decrescente consoante o tempo programado!

Virtudes Mecânicas

O Calibre 4160 exigiu na altura mais de 35 mil horas de estudo e deriva muito do mecanismo cronográfico automático que alimenta o mais conhecido Cosmograph Daytona. Composto por 360 peças, bate a 28.800 alternâncias/hora e apresenta uma autonomia de corda na ordem das 72 horas; a função da contagem decrescente é possível graças a uma roda de colunas e uma embraiagem vertical.

Rolex Yacht-Master II_02

A caixa inclui uma coroa ladeada por protetores laterais e tornada anti-infiltrações pelo sistema Triplock (que lhe garante estanqueidade até 100 metros) mais os dois botões do cronógrafo, e é encimada por uma luneta rotativa designada Ring Command Bezel. © Espiral do Tempo/ Susana Gasalho

O mecanismo é dotado de um espiral Parachrom Blu (tem um milésimo da espessura do cabelo humano, feito pela Rolex numa liga 85% Niobium e 15% Zirconium) com curva Breguet, 10 vezes mais resistente aos choques e insensível aos campos magnéticos. Como não podia deixar de ser, a precisão do relógio valeu-lhe ser certificado na altura pelo Controlo Oficial Suíço dos Cronómetros (COSC) e a versão mais recente já conta com o certificado Superlative Chronometer – com uma tolerância mais apertada de -2/+2 segundos por dia e a garantia alargada de cinco anos.

Vocação Náutica

Como não podia deixar de ser, trata-se de um relógio profundamente enraizado na história da marca – que tão ligada está à água, ao mar e à estanqueidade. Hans Wilsdorf, fundador da Rolex, registou duas patentes em La Chaux-de-Fonds no ano de 1926 – que lhe granjeariam fama e fortuna. Essas patentes estão ambas ligadas ao conceito Oyster e à obsessão então existente de tornar estanques os cada vez mais populares relógios de pulso: uma tinha a ver com a construção da caixa a partir de um monobloco (uma junta introduzida numa caixa com fundo e aro de rosca), que actualmente envolve 150 operações diferentes; a outra estava relacionada com a forma de aparafusamento da coroa (através de um tubo, sistema baptizado de Twinlock ou Trilock).

Rolex Yacht-Master II

A programação da contagem decrescente é feita rodando a luneta 90 graus no sentido contrário aos ponteiros do relógio. © Espiral do Tempo/ Susana Gasalho

Criados na segunda metade do século XX, os modelos Submariner e Sea-Dweller estabeleceram novos padrões de estanqueidade e passaram a reinar sob os mares. O Yacht-Master domina sobre as águas desde 1992 e o Yacht-Master II surgiu em 2007 como fruto de uma íntima associação da marca aos desportos náuticos e de toda a sua experiência alcançada no patrocínio de várias regatas de relevo – como a regata Sydney-Hobart, a Maxi Yacht Cup ou a Middle Sea Race. A atualização surgiu este ano, uma década depois. Ei-la no nosso pulso:

IMG_1613

Rolex Yacht-Master II © Espiral do Tempo/ Miguel Seabra

Para finalizar, aqui deixamos a ficha técnica; para mais informações, consulte o site oficial da Rolex.

Características Técnicas

Rolex
Yacht-Master II

Referência/ 116680
Movimento/ Perpetual, mecânico calibre 4161, de corda automática, cronógrafo de regata. 72 horas aproximadamente.
Funções/ Horas e minutos no centro, pequeno ponteiro de segundos às 6 horas. Contagem regressiva programável com memória mecânica e sincronização “on the fly”. Stop-seconds para ajuste preciso da hora.
Caixa Ø 44 mm / Aço, vidro de safira. Estanque até 100 metros. Rolex Ring Command bidirecional giratória. Disco de cerâmica Cerachrom azul, numerais e inscrição gravados
Bracelete/ Oyster em aço. Oysterlock, desdobrável com dispositivo de segurança, sistema Easylink com extensão rápida de 5 mm
Preço/ € 17.550