Novidades, Relógios

NOVIDADES | SIHH 2018: Regresso em… forma?

forma destaque

Em Genebra/ Aqui e ali, sentiu-se no Salon International de la Haute Horlogerie uma pequena reação à hegemonia dos relógios redondos que tão fortemente tem caraterizado a relojoaria dita mainstream no decurso da presente década. Passamos em revista alguns dos modelos interessantes ditos ‘de forma’ que foram desvelados na semana passada.

O regresso a um maior classicismo a partir do final da década transacta, numa reação conjuntural aos excessos verificados após a viragem do milénio e também capturando os gostos menos extravagantes da nova clientela chinesa, implicou um reforçar da natural supremacia dos relógios redondos perante os relógios ditos de forma – ou seja, todos aqueles com caixas que não sejam puramente circulares e que tenham um pendor mais ou menos geométrico, mesmo que os mostradores sejam redondos. E na 28ª edição do Salon International de la Haute Horlogerie viram-se alguns relógios ‘de forma’ interessantes que podem indiciar uma certa reação à tirania do círculo tão presente nos catálogos das marcas de índole mainstream, que de certo modo foi personificada em 2017 pelo modo como a IWC decidiu acabar com a versão ‘Gerald Genta’ do seu Ingenieur para tornar essa sua linha redonda (como sucedia antes dos anos 70) e também pela passagem da gama Da Vinci a caixas circulares.

Salão Principal

Para já, a primeira ilação a retirar é que as marcas de maior pendor joalheiro ou mais associadas à moda continuam a ser aquelas que mais ousam na utilização de arquiteturas geométricas, até porque os relógios de forma estão fortemente enraizados na sua história. Como sucede com a Cartier, que – e para além de vários relógios-jóia de forma – apresentou com grande pompa e circunstância a nova geração do seu icónico modelo Santos, um ano depois de ter recuperado o Panthère.

Cartier Santos. © Espiral do Tempo

Cartier Santos. © Espiral do Tempo

Cartier Baignoire Interdite; Crash Radieuse: Cartier Baignoire Débordante. © Espiral do Tempo

De cima para baixo: Cartier Baignoire Interdite; Cartier Crash Radieuse: Cartier Baignoire Débordante. © Espiral do Tempo

Transferida de Baselworld para uma primeira aparição no SIHH, a Hermès lançou modelos quadriláteros e rectangulares – formas que já estavam presentes no seu portefólio. O novo Hermès Carré H assumiu reconhecido protagonismo, com a versão de mostrador antracite e correia de couro Barenia castanha a recolher maior destaque em detrimento da versão preta; o Cape Cod, cujas origens remontam a 1981, também ressurgiu entre um lote de novidades que incluiu o Carré Cuir e mais o seu mostrador no mesmo padrão da correia escamada.

A Piaget desvelou novas versões do seu modelo elegante/desportivo Polo S, o tal que contém ‘uma forma dentro de outra forma’ – mas o que mais me prendeu a atenção foi uma nova versão ‘esverdeada’ (devido ao mostrador em pedra malachite) do modelo Black Tie apresentado há três anos e que é um relógio que exala aquele espírito único dos modelos geométricos que começaram a surgir bem no final da década de 60 e que caraterizaram os Anos 70. Também foi apresentada uma variante de caixa em ouro com mostrador azul, mas o mostrador verde seguramente que chamou mais as atenções.

Um dos mais surpreendentes modelos a contrariar a ‘tirania’ dos relógios redondos no #sihh2018 foi esta nova versão/reedição do histórico Black Tie da @Piaget, agora disponível com um mostrador mesclado em pedra preciosa verde. . One of the most unexpected models to go against the tyranny of the round watches at the #sihh was this new version/reedition of #Piaget’s historical Black Tie, now available with a stunning green dial. . . @espiraldotempo #espiraldotempo #espiraldotempostudio #espiraldotempomagazine #revistaespiraldotempo #wristshots #wristshot #green #saturday #horlogerie #horology #watchesofinstagram #watchoftheday #watchmovement #instawatch #instawatchclub #watches #luxurywatches #watchphotography #watchaddict #timepiece #hautehorlogerie #altarelojoaria #watchmagazine #watchquarter #topwatchphoto #watchgeek @rebekiss_

A post shared by Espiral do Tempo (@espiraldotempo) on

No plano das marcas puramente relojoeiras, a Audemars Piguet prossegue com a expansão da sua linha protagonista de luneta octogonal: a Royal Oak e a variação Royal Oak Offshore, também ela com um design integrado obviamente inspirado no Royal Oak original de Gerald Genta em 1972. Novas declinações do Royal Oak e, sobretudo, modelos associados ao 25º aniversário do Royal Oak Offshore dominaram as novidades, como a reedição do Royal Oak Offshore inaugural desenhado por Emmanuel Gueit em 1993 (a ‘Besta’ original, com mostrador azul e índices em vez dos algarismos usados atualmente) e duas tiragens de 50 exemplares (uma em ouro rosa, outra em aço) do impressionante Royal Oak Offshore Tourbillon Chronograph, dotado de um calibre redesenhado visível através do mostrador openworked e uma luneta octogonal estilizada nunca antes vista no catálogo da manufatura de Le Brassus. Claro que também houve novidades na gama Millennary, também ela ‘de forma’ devido ao seu aspeto oval horizontal.

 

Por sua vez, a Girard-Perregaux continua a apostar fortemente no seu Laureato – outro modelo famoso ‘repescado’ da década de 70 e com caraterísticas estéticas vincadamente herdadas desse período. Entre as novidades da gama encontram-se as variantes em cerâmica negra e sobretudo a versão cronográfica – com mostradores de totalizadores contrastantes ou não, em tamanhos de 42 e 38 milímetros, dotados de braceletes em aço ou correias de pele.

Girard_Perregaux_Laureato_Chronograph_02

Girard-Perregaux Laureato Chronograph 38mm. © Miguel Seabra/ Espiral do Tempo

A Richard Mille continua a investir no formato tonneau que é tão típico da marca; a vedeta da companhia foi o novo modelo destinado a celebrar a sua associação com o campeão de pólo Pablo Mac Donough; depois de um primeiro modelo couraçado (o RM 053) em 2013 com duas escotilhas para o mostrador e o turbilhão, o novo RM 53-01 Tourbillon Pablo Mac Donough dispensa qualquer superfície excessiva em aço/titânio porque as várias camadas de um vidro de safira revolucionário desenvolvido com a companhia Stettler Sapphire permitem um look desanuviado mantendo uma extraordinária capacidade de resistência aos choques provocados pelo martelo ou pela bola e a acidentes com o cavalo e outros jogadores. Mesmo em caso remoto de quebra, uma película de Polyvinil mantém a estrutura do relógio e o mecanismo no sem interior bem protegidos. O caraterístico azul celeste da bandeira argentina contrasta na perfeição com a caixa antracite mesclada em carbono TPT.

Evidentemente, a Panerai prosseguiu com novas variações das suas emblemáticas caixas cushion – desde os modelos mais complicados (Lo Scienziato e o Il Astronomo) até ao inesperado lançamento do Luminor Due em 38 milímetros, que fará as delícias de pulsos masculinos mais pequenos ou até mesmo femininos.

PaneraiLuminorDue

Officine Panerai Luminor Due 38mm. © Espiral do Tempo

 A Vacheron Constantin é um nome grado entre as clássicas manufaturas de alta-relojoaria suíça que tem um longo historial na concepção de relógios de forma e até mesmo assimétricos. Para além de novas versões do seu modelo desportivo de luxo Overseas, também ele de design integrado e com raízes na década de 70, a grande surpresa foi o lançamento da linha FiftySix – de espírito retro e mostrador redondo com 40mm de diâmetro mas denotando várias nuances geométricas na caixa, desde flancos não totalmente arredondados até à linha quase reta no espaço entre asas. Inspira-se no modelo de referencia 6073 dos anos 50, que a Vacheron Constantin considera ser “a década dourada dos relógios redondos”. O vidro tipo ‘box’ elevado relativamente à estrutura reforça a aura vintage, a par das divisões notadas no mostrador (o chamado ‘sector dial’). Está disponível em ouro e… aço, num piscar de olhos da Vacheron Constantin a um novo público.

Vacheron Constantin Fifty Six Day-date

Vacheron Constantin FiftySix Day-date. © Espiral do Tempo

A Parmigiani também surpreendeu com o investimento em força na sua linha geométrica Kalpa, inicialmente lançada em 2001. A forma da caixa é tonneau mas quase retangular e a atualização inclui movimentos de forma idealizados exclusivamente para caberem perfeitamente nos modelos Kalpa Chronor, Kalpagraphe Chronomètre e Kalpa Hebdomadaire. As caixas são de tamanho maior, mas as asas foram reduzidas. Uma linha imponente. Claro que não se pode falar de relógios de forma sem se mencionar o incontornável Reverso, da Jaeger-LeCoultre; a Grande Maison centrou toda a sua comunicação à imprensa na nova linha (circular!) Polaris, mas isso não significa que não tenha lançado novas versões do seu lendário modelo reversível – e lançou mesmo: o Reverso Tribute Small Seconds de mostrador azul, os Reverso Classic Medium e Large Small Second, os Reverso Classic Medium e Large Duoface Small Second, e ainda o Reverso Tribute Duoface Large Boutique Edition (limitado a 100 peças).

Carré des Horlogers

No ‘quarteirão’ do SIHH destinado às pequenas marcas independentes, sempre muito populares entre os conheceres e os aficionados, há que destacar o Chronomètre FB 1R.6-1 com turbilhão da Ferdinand Berthoud, assente na caixa modular do galardoado Chronomètre FB1 mas dotado de um mostrador do tipo Regulador que evoca muito bem o espírito dos cronómetros de marinha outrora idealizados pelo mestre Ferdinand Berthoud – mantendo o formato verdadeiramente original da estrutura de base.

A MB&F surgiu com uma nova declinação da Horological Machine 8 (HM8, de alcunha CanAm), denominada MoonMachine 2 e substituindo a inspiração automóvel por uma aura vincadamente lunar na sequência da colaboração da equipa de Max Büsser com o ‘lunático’ Stepan Sarpaneva. Um relógio de complexidade técnica e estética, com o típico ‘rosto’ da lua que constitui a imagem de marca do relojoeiro finlandês a surgir não só no vidro magnificador entre asas que projeta as horas e minutos através de discos como também no rotor que circula à vista na parte superior da carrosseria. A retro-futurista peça está disponível em três edições limitadas de 12 exemplares – titânio, titânio escurecido e ouro rosa.

Também a Hautlence investiu na geometria do seu Vortex Gamma em múltiplas variantes, mas o relógio que suscitou mais debate pertencia à sua sister company H. Moser & Cie e não chegou a ser apresentado ‘em pessoa’ no SIHH devido á enorme polémica que a sua divulgação para a imprensa gerou nos dias que antecederam o salão – o Swiss Icons Watch, uma espécie de Frankenwatch com referências a pelo menos dez marcas distintas e que era tanto uma homenagem a modelos emblemáticos da relojoaria suíça como também uma sátira. Pressões de vária ordem, e de gente com pouco sentido de humor, levaram o jovem CEO da H. Moser & Cie, Edouard Meylan, a apagar toda a comunicação relacionada com tão híbrida peça única e a cancelar o seu leilão com fins de beneficência…

Do lado de fora

Paralelamente ao SIHH, a chamada Geneva Wonder Week incluiu apresentações de muitas outras marcas em showrooms de prestigiados hotéis e não só: o grupo LVMH teve modelos de forma em destaque não só no seu barco dedicado às marcas TAG Heuer, Zenith e Hublot como também no espaço em que exibiu as novidades da Bvlgari, que continua em grande com as variações do Octo.

Em Meyrin, nas instalações da manufatura de movimentos AgenHor de Jean-Marc Wiederrecht, a nova marca Singer Reimagined apresentou uma nova versão do seu galardoado cronógrafo Track 1 – uma versão em ouro amarelo que acentua as formas muito à Anos 70 do relógio com um visual especialmente disco/funky.

Visitámos a AgenHor para conhecermos a segunda versão (em ouro amarelo para um look ainda mais à Anos 70) do melhor cronógrafo de 2017: o Track 1 da nova marca Singer Reimagined! Vejam as fotos complementares! . Prior to the #sihh we visited movement atelier #AgenHor to check out the second version of the exceptional Track 1 chronograph from retro-inspired new brand @SingerReimagined. Yellow gold case for a more ‘disco’ 70s look, fabulous innovative integrated AgenGraphe automatic movement with central chrono hour+minute+seconds register plus hour & minutes disc on the periphery. Congrats to CEO/designer @marco.borraccino, master watchmaker/movement conceiver @jwiederrecht and also to vintage @porsche modifier company @singervehicledesign’s CEO Rob Dickinson for the inspiration! Swipe left! ……….. @espiraldotempo #EspiralDoTempo #porsche #retro #chronograph #70s #sihh2018 #best #fashion #love #design #style #cool #picoftheday #instagram #instamania #photography @instawatch @swisswatches #watches #watch #timepieces #womw #swag #wristshot #dailywatch #watchporn #watchdaily #watchanish #watchesofinstagram #watchgeek, @dailywatch

A post shared by Espiral do Tempo (@espiraldotempo) on

Finalmente, lá para os lados de Genthod, mais precisamente em Watchland, a Franck Muller e a Cvstos desvelaram uma enxurrada de novos modelos baseados nas caixas tonneau tão associadas às duas marcas – incluindo uma nova forma de caixa com mostrador redondo completamente nova apresentada pela Franck Muller.

Mas sobre as novidades dessas duas marcas falaremos noutra ocasião…