Hubert de Haro

Cronica_Hubert_SIHH_01

Reflexões em Genebra: #SpeedyTuesday

Em Genebra – Afirma-se que a história se repete. No entanto, se há uma história que a indústria relojoaria suíça não quer ver repetida é a mudança de paradigma que a tecnologia quartzo impôs nos anos 70. Nessa altura, centenas de pequenas e médias empresas produziam milhões de relógios mecânicos, exportando-os para os quatro cantos do Planeta.

EdT56_editorial

Somos o que fazemos

EdT57 — Sessenta e cinco mil, quatrocentos e trinta e sete — 65.437. Já que a bela relojoaria é também indissociável da precisão, decidimos contar o número de quilómetros percorridos pela equipa da Espiral do Tempo apenas no mês de novembro.

EdT56_editorial

A voz de Cassandra

EdT56 — No dia 9 de setembro, Tim Cook, CEO da Apple, iniciou a apresentação que fez do novo Apple Watch com um diagrama intitulado «2015 Worldwide Watch Sales». Nesta tabela, a Apple afirmava ser o segundo maior vendedor de relógios, logo a seguir ao gigante Rolex.

JeromeLambert

SIHH 2016/ Encontro com Jérôme Lambert

Em Genebra — No âmbito da edição de 2016 do Salão Internacional de Alta Relojoaria de Genebra, tivemos a oportunidade de nos sentarmos mais uma vez com Jérôme Lambert, CEO da Montblanc, para alguma troca de impressões face a um ano particularmente especial, tendo em conta a celebração dos 110 anos da marca.

Espiral do Tempo 53

Espiral do Tempo 53 nas bancas: uma edição para ler e ‘ouvir’!

Chega, neste fim de semana, às bancas a edição de inverno 2015 da Espiral do Tempo. Dedicado à Música, este número surpreende com temas que nos fazem ‘ouvir’ c0mo nunca o mundo da alta-relojoaria. Além de abordagens óbvias como as complicações acústicas ou as edições especiais musicais, procurámos pontuar a revista com temáticas que vão além dos relógios, mas sempre relacionadas com o Tempo. Em destaque, a entrevista exclusiva a Rodrigo Leão, com fotografia de Rita Carmo. Leia aqui o editorial.

ET50_Editorial

NeoVintage

EdT50 — «Nada se cria, nada se perde, tudo se transforma». Esta afirmação do cientista francês Lavoisier, que permitiu definir as bases da química moderna, serviu de ponto de partida da nossa reflexão sobre a evolução atual da relojoaria moderna. A longa sucessão de modelos comemorativos não estará a afastar quem procura mais ousadia no design? Como explicar a moda atual dos relógios históricos ou também chamados vintage?