Crónicas

TAG Heuer Monaco

Crónica: Ser quadrado é fixe

EdT55 — «Quadrado» (adjetivo popular figurado): pouco inteligente, sem agilidade de pensamento; limitado, pouco recetivo a inovações; obtuso; convencional, retrógrado; tradicionalista. Ironicamente, as pessoas que conheço que gostam de relógios quadrados — e, por extensão, relógios de forma — são exatamente o oposto dessa definição pejorativa. Não tinha Steve McQueen o cognome ‘King of Cool’?

Galeria

Ponto de vista: a 54.000$ USD por minuto

Sopram ventos de mudança no mundo da relojoaria e, curiosamente, uma boa parte da corrente de ar tem sido provocada por meios de comunicação especializados como a holandesa Fratello Watches ou a norte americana Hodinkee. Ainda ninguém se constipou seriamente, mas é inequívoco que já há narizes vermelhos.

Cronica_EncontrosImediatos

Crónica: Encontros imediatos de relógio no pulso

Gosto de relógios de todos os tamanhos, feitios e de complicações. Mas, após todo este tempo, aprendi a reconhecer que foram as relações humanas que tornaram a minha carreira de jornalista ainda mais aliciante — graças ao carisma e à personalidade das pessoas que fui encontrando por esse mundo fora através das mais diversas circunstâncias. Até mesmo por causa de uma piza ou de uma tatuagem.

Make_Watchmaking_Great_Again

Reflexões em Genebra: ‘Let’s Make Watchmaking Great Again!’

Há uma atração quase irresistível por parte de quem escreve sobre alta relojoaria para fazer analise económica sobre o setor, como se esse fosse o ângulo principal sobre o qual a maioria dos consumidores baseia a sua opção de compra. Um exercício de redação que é executado como se o autor se estivesse a dirigir aos leitores de um Financial Times.

Morabeza

Crónica Viagens: «Morabeza»*

EdT56 — O arquipélago encaixado entre África e a América, povoado por Europeus e Africanos, com o qual todos se identificam.  Terra de toda a gente, talvez não pertença a ninguém, património bem tangível da humanidade, as outrora ilhas virgens transportam agora no rosto do seu povo a mescla de outros povos que por lá passaram, para fazer do arquipélago a sua casa ou apenas um ponto de passagem que deixa saudade… desculpem, sodade. * «Morabeza» não tem tradução literal. É percetível como o saber receber do povo cabo-verdiano.

Cronica_Hubert_SIHH_01

Reflexões em Genebra: #SpeedyTuesday

Em Genebra – Afirma-se que a história se repete. No entanto, se há uma história que a indústria relojoaria suíça não quer ver repetida é a mudança de paradigma que a tecnologia quartzo impôs nos anos 70. Nessa altura, centenas de pequenas e médias empresas produziam milhões de relógios mecânicos, exportando-os para os quatro cantos do Planeta.