Breguet

Viajantes no tempo

HISTÓRIAS – Viajantes do Tempo

A relojoaria sempre esteve na vanguarda da exploração — tanto no acompanhamento de expedições que desbravaram novas fronteiras como no desbravamento de novas soluções técnicas na arte de medir o tempo. Mas houve muitos protagonistas históricos e fundadores de marcas relojoeiras que foram ainda mais além, assumindo eles próprios o papel de pioneiros, colonos e povoadores.

ponteiros

HISTÓRIAS – Ponteiros: Apontar não é feio

EdT56 — Mais do que apenas um elemento estritamente funcional, os ponteiros de um relógio podem também ser um elemento de afirmação de uma marca. Entre função, estética e origem histórica, eles têm, afinal, muito mais para contar do que apenas as horas e os minutos de cada dia.

A. Lange & Söhne Datograph Perpetual

GALERIA – Anglage, perlage… bricolage

Edição impressa | Limar, chanfrar, aparafusar, polir, montar, cravar, ligar… A alta-relojoaria continua, ainda hoje, a resultar dos mais variados ofícios tradicionais e artes decorativas. Cada peça é minuciosamente trabalhada para, aliada a outros elementos, dar vida a um relógio supremo. Como os modelos aqui reunidos…

ET53_acusticos_01

HISTÓRIAS – A dimensão acústica do tempo

EdT53 — Os mais relevantes relógios desvelados recentemente apresentam algo em comum: oferecem um suplemento acústico e associam a arte da metalurgia à da engenharia micromecânica. Não é de agora: o advento dos primeiros relógios dignos desse nome foi rapidamente acompanhado por complicações sonoras — alarmes, repetições de minutos, pequenas e grandes sonneries que transformam qualquer pulso num campanário de igreja! Aqui fica a história de uma outra dimensão na medição do tempo que também teve raízes religiosas, mas com variantes especialmente lúdicas.

Repetição Minutos

HISTÓRIAS – Repetição de minutos: sonoplastia mecânica

EdT53 — Poucas complicações relojoeiras têm tantas nuances e exigem tanto do mestre relojoeiro como a complicação ‘repetição de minutos’. A multiplicidade de técnicas e métodos de construção exigem hoje, por parte do potencial comprador, um conhecimento aprofundado e uma atenção especial a determinados parâmetros.

ET35_Vacheron_Constantin_Patrimony_Traditionnelle_Chrono_QP

GALERIA – Big Five

EdT35 — Recordamos hoje uma produção publicada em 2010, ano que ficou marcado pela crescente afirmação de África, na vertente política e económica. Da dinâmica angolana até à enorme festa que foi o Campeonato do Mundo de Futebol na África do Sul, Portugal comungou destes momentos. África preenche, também, o imaginário dos grandes caçadores, e os Big Five – o leão, o elefante, o búfalo, o leopardo e o rinoceronte – constituem a excelência cinegética. Nesta produção, para celebrar este ‘ano africano’, juntámos marcas consideradas como as Big Five da relojoaria com cinco modelos que são autênticas ‘feras’.

Alarmes mecânicos

HISTÓRIAS – Alarmes mecânicos: toque da memória

EdT53 — Ainda os instrumentos do tempo não tinham sequer ponteiros para os minutos e já eram dotados de uma complexidade mecânica sonora capaz de chamar o utilizador à atenção. Os despertadores de mesa cedo se tornaram populares, mas a transição do relógio para o pulso no decurso do século XX não se revelou fácil para a função de alarme: foram escassas as companhias relojoeiras que se mostraram capazes de dominar a sua miniaturização — e a tendência de nicho mantém-se.

Patek Philippe Quantième Annuel

Sweet Christmas

EdT41 — Para um período que se pretende doce, embalámos em elementos feitos totalmente em açucar as doces peças relojoeiras que reservámos para esta produção. Como não pode deixar de ser feito, e a bem da dentição, a Espiral do Tempo recomenda parcimónia na degustação…