Harry Winston

Ano do Galo

Galeria: onze relógios que celebram o Ano do Galo de Fogo

Se há animal que tem óbvia relação com o tempo é o galo, ou não fosse este um madrugador por excelência. E, no que diz respeito ao Ano Chinês, estamos precisamente no Ano do Galo de Fogo – celebrado no passado dia 28 de janeiro. Claro que muitas são as marcas que apresentam relógios inspirados no animal do zodíaco regente de cada novo ano chinês. Digamos que faz parte. Mas o mais interessante é encarar estes relógios como verdadeiras criações artísticas. Deixámos assentar a poeira de propósito, para agora fazermos uma pequena compilação de alguns dos modelos que foram lançados.           

Independentes: MB&F

INDEPENDENTES: movimento alternativo

EdT56 — As marcas e os criadores independentes têm vindo a afirmar-se entre as vedetas dos grandes certames relojoeiros ao longo da última década — desde Baselworld ao SalonQP. A partir deste ano, o Salon International de la Haute Horlogerie também lhes abriu as portas. Por que razão são eles tidos em alta estima pela crítica e pelos colecionadores? Como conseguem sobreviver numa conjuntura de recessão dos mercados relojoeiros? Aqui fica o ponto da situação.

Alarmes mecânicos

Alarmes mecânicos: toque da memória

EdT53 — Ainda os instrumentos do tempo não tinham sequer ponteiros para os minutos e já eram dotados de uma complexidade mecânica sonora capaz de chamar o utilizador à atenção. Os despertadores de mesa cedo se tornaram populares, mas a transição do relógio para o pulso no decurso do século XX não se revelou fácil para a função de alarme: foram escassas as companhias relojoeiras que se mostraram capazes de dominar a sua miniaturização — e a tendência de nicho mantém-se.