Oris

Into the Wild

GALERIA: Into The Wild (quase, quase como no filme…)

Ter tempo é o maior luxo dos dias de hoje. Ter tempo para ir à descoberta, para procurar novos caminhos, para contornar convenções e esquecer algumas das rotinas e regras quotidianas. A nossa proposta é: deixe-se levar. Ganhe coragem para reencontrar momentos únicos em lugares arrebatadores – no meio do nada ou no meio de tudo. Sem tempo, sem horas marcadas, sem ideias definidas. Ter a coragem de mudar de direção para ir ao encontro de algo novo. Mas com o relógio certo no pulso. Afinal, há companhias que não se dispensam. 

entrada_bronze

TENDÊNCIA: trabalhar para o bronze

EdT 59/ Os relógios em bronze não constituem particular novidade, mas passaram a ser mainstream a partir do momento em que a Panerai lançou a primeira edição do seu Bronzo — hoje em dia, já vai na terceira e, entretanto, várias outras marcas de renome adotaram um material que tem acompanhado a história da Humanidade nos últimos quatro milénios, e que, aquando do seu advento, se tornou tão relevante que mereceu uma era batizada com o seu nome. Estaremos nós na Idade do Bronze na relojoaria?

Oris Nauticampo

Oris marca presença na Nauticampo 2017

Quem passar pela Nauticampo nos próximos dias vai encontrar por lá um stand da Oris, no qual a marca destaca em especial a sua ligação ao mar. Em exposição estão alguns modelos da linha Divers Sixty-Five e da linha Aquis. Demos um saltinho por lá.

IMG_1493

PONTO de VISTA: revivalismo Oris em viagem ao passado

Baselworld cumpre este ano o seu centésimo aniversário – e o número de modelos de diferentes marcas apresentados ao longo de um século deve atingir seguramente as várias centenas de milhar. Alguns deles são repescados de um passado mais ou menos glorioso para se tornarem num grande sucesso e a moda do neo-vintage está mesmo para ficar. A Oris é das companhias relojoeiras que melhor tem surfado nessa onda.

A nossa escolha

BASELWORLD 2017: a nossa escolha do dia 1

Baselworld abriu hoje as portas ao público em geral, mas na verdade o evento arrancou ontem com um dia  dedicado em exclusivo à imprensa. E, com seria de esperar, há muita euforia, muitas novidades e muito para contar. Aqui fica assim uma seleção da equipa da Espiral do Tempo alguns dos modelos que mais nos chamaram a atenção neste primeiro momento do maior evento da relojoaria. 

01 752 7733 4183-Set MB - Oris Hammerhead Limited Edition

Baselworld 2017/ Oris Hammerhead Limited Edition: espécie marinha

No seguimento de uma longa tradição de relógios de mergulho iniciada na década de 60 e reforçada superlativamente nas duas últimas décadas, a Oris lançou mais uma notável referência associada à cultura marítima – neste caso, o Hammerhead Limited Edition, num modelo que homenageia uma espécie predadora em perigo de extinção: o tubarão-martelo. Parte da verba decorrente das vendas é canalizada para o projeto de conservação de tubarões dirigido pela organização Pelagios Kakunjá.

Nossa Escolha

Escolhas da semana: Vintage GMT, Duomètre Chronographe Magnetite e Hammerhead

A versão GMT de uma das mais felizes interpretações do Chronofighter da Graham, novos modelos Duomètre da Jaeger-LeCoultre que se distinguem não só pelo já reconhecido conceito técnico, como pelo impacto estético do mostrador cinza magnetite e um relógio pujante de mergulho como tendem a ser os relógios de mergulho da Oris: são estes os modelos que destacamos esta semana. 

Oris Big Crown Propilot Air Racing Edition VI

Big Crown ProPilot Air Racing Edition VI: coroa nas nuvens

EdT57 — Desde o lançamento do Big Crown Original Pointer Date de 1938, a história da Oris passou a estar intimamente associada à aeronáutica. Trave mestra da coleção, a linha Big Crown expandiu-se recentemente com a variante ProPilot, de personalidade mais contemporânea e militar — e foi com base no Big Crown ProPilot Day-Date que a marca de Hölstein lançou a mais recente edição limitada dedicada à escuderia Air Racing de Don Vito Wyprächtiger: o Big Crown ProPilot Air Racing Edition VI.

Oris_Altimeter_Behind_the_Scenes_01

Bastidores: voar com os pés bem assentes na terra (aquela foto do Oris que deu mesmo muuito trabalho…)

Por trás de uma grande foto, há (quase sempre) uma grande história para contar. Ao criar um estúdio interno, a Espiral do Tempo apostou à séria em cada vez mais mais conteúdos visuais próprios. Tem sido um processo de evolução, ao longo do qual temos aprendido com os erros, mas também com as coisas boas que fazemos. O resultado do nosso trabalho com a Oris para a edição 54 da Espiral do Tempo já há muito que é conhecido dos nossos leitores, mas poucos têm ideia das peripécias que escondem as imagens. Abrimos as portas e revelamos alguns segredos.