Zenith

A nossa escolha

Baselworld 2017: a nossa escolha do dia 1

Baselworld abriu hoje as portas ao público em geral, mas na verdade o evento arrancou ontem com um dia  dedicado em exclusivo à imprensa. E, com seria de esperar, há muita euforia, muitas novidades e muito para contar. Aqui fica assim uma seleção de alguns dos modelos que mais nos chamaram a atenção neste primeiro momento do maior evento da relojoaria. 

Ulysse Nardin Classico Amerigo Vespucci

Tempo e narrativa

EdT51 — Mostradores que evocam viagens históricas, caixas que replicam texturas de paragens exóticas e fundos que relatam façanhas exploratórias ou que retratam protagonistas da conquista. Os métiers d’art transformam alguns relógios em verdadeiros livros de aventuras. Neles, os grandes feitos ganham uma nova vida e as histórias que narram transformam-se em arte.

Zenith_Jarama_

Jarama Classic: acelerar a 36.000 alternâncias/hora

Em Basileia e Madrid — Com um calibre histórico de alta-rotação, a Zenith tem investido em eventos automobilísticos de alta-voltagem com carros clássicos. O tiro de partida foi dado no lendário circuito de Jarama, onde foram apresentadas duas das novidades da manufatura de Le Locle com características neo-rétro. Já em Baselworld se tinha sentido esse perfume revivalista.

Zenith

Baselworld 2016/ Zenith apresenta Heritage Pilot Café Racer Spirit em grande estilo

A Zenith e a organização ′Distinguished Gentleman’s Ride′ (DGR) deram as mãos no passado domingo para um momento de motos clássicas muito especial. Em Baselworld, 50 gentlemen drivers celebraram estilo elegância na promoção de um rally que irá decorrer em setembro com o patrocínio da Zenith. A marca aproveitou a ocasião para apresentar o novo Heritage Pilot Café Racer Spirit, de estilo declaradamente vintage e equipado com o clássico calibre El Primero.

Bronze_03_Tudor_Heritage_Black_Bay_Bronze

Tendência: bronzeados

Estamos em ano olímpico e há aparentemente muitas marcas a quererem ganhar medalhas de bronze. Como a Tudor, com o seu novo Black Bay. Ou a Oris, com versões do seu Diver Sixty-Five. E até a Porsche Design, uma marca moderna com pendor para materiais e estéticas vanguardistas, escolheu o tom desse metal para um novo modelo em titânio — o que é simultaneamente aliciante e contraditório, porque o bronze ganha patina e oferece um visual que se torna gradualmente mais antigo. Entre novidades e não só, descubra alguns modelos que seguem esta tendência.

WinterRaid_1

Zenith: os vídeos do WinterRaid 2016

Como referimos em notícia anterior, a Zenith brilhou este ano enquanto cronometrista oficial do WinterRaid 2016, uma prova de automóveis clássicos que desafia o poder da neve e do frio em plenas montanhas suíças. A marca disponibilizou mesmo aos copilotos alguns relógios Zenith para que os mesmos fossem testados nas condições adversas que enfrentaram. Deixamos hoje os vídeos que mostram diferentes momentos da prova.

Zenith_EliteChronograph©Zenith

Elite Chronograph Classic

Depois do Elite 6150 que tem conquistado pelas linhas clássicas e minimalistas, a Zenith avança com a versão cronográfica do modelo equipada com o movimento El Primero: o Elite Chronograph Classic. Destaque para os simétricos totalizadores que contribuem para a harmonia do conjunto logo numa primeira abordagem.

Zenith Rolling Stones

El Primero Chronomaster 1969 Tribute to The Rolling Stones: conseguir satisfação

EdT53 — Os ‘Dinossauros do Rock’ mantêm toda a sua fama e todo o seu fascínio — e aparentemente tinham razão quando cantavam «Time is on my side», porque parecem mesmo eternos. Nessa perspetiva, a associação a uma marca relojoeira secular como a Zenith faz sentido, já que a histórica manufatura de Le Locle é simultaneamente tradicional e revolucionária, como o provou com o calibre El Primero em 1969 — ano simbólico de transição para os Rolling Stones com edição do álbum Let It Bleed, do qual destacamos três temas na página seguinte.

Alarmes mecânicos

Alarmes mecânicos: toque da memória

EdT53 — Ainda os instrumentos do tempo não tinham sequer ponteiros para os minutos e já eram dotados de uma complexidade mecânica sonora capaz de chamar o utilizador à atenção. Os despertadores de mesa cedo se tornaram populares, mas a transição do relógio para o pulso no decurso do século XX não se revelou fácil para a função de alarme: foram escassas as companhias relojoeiras que se mostraram capazes de dominar a sua miniaturização — e a tendência de nicho mantém-se.