fbpx
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Foi assim

EdT53 — Se deitarmos fora as revistas antigas, vamos perder uma oportunidade de saber algo que, de outra forma, esqueceremos, desaprenderemos ou, talvez, nunca sequer cheguemos a saber.

Crónica originalmente publicado no número 53 da Espiral do Tempo – Inverno 2015

Neste momento, há revistas esquecidas em casas de estores fechados, onde só se vai no verão. Debaixo dessa sombra, o tempo parece não passar. Nessas divisões, há grãos de pó que pairam devagar, perturbados por nada, todos os ruídos vêm lá de fora, do mundo que nunca para. Neste momento também, há revistas em mesas de salas de espera, vão-se aguentando entre outras, a sua sobrevivência é mais difícil, passam por dezenas de mãos e, a pouco e pouco, perdem páginas, descolam-se dos agrafos. Mesmo assim, nesse tumulto, podem durar meses ou anos.
As revistas velhas contêm uma sabedoria rara.

A matéria essencial do jornalismo é o presente. No início de cada dia, os jornais propõem uma atualização do mundo. As notícias são aquilo que mudou. Nos cabeçalhos dos jornais, não faz sentido dar conta do que permaneceu. Tudo isso se tem por adquirido. Só faz sentido chamar a atenção para aquilo que, ao mesmo tempo, é novo e relevante.

Custa pouco discernir a novidade: não existia e passou a existir. Já a relevância depende da avaliação que se for capaz de fazer do futuro. No presente, com as ferramentas e as proporções do presente, falta perspetiva.

Ainda assim, não se creia que a distância é sempre útil para uma melhor compreensão do tempo e das suas marcas. Muitas vezes, olhando para trás, temos dificuldade de perceber como fomos capazes de ser alguma coisa que, no seu tempo, era absoluta e inequívoca. Como pudemos escrever aqueles bilhetinhos para alguém que, por fim, tanto nos dececionou? Anos depois, custa tanto a entender que, contra a nossa memória, queremos acreditar que talvez tenham imitado a nossa caligrafia.

Há uma certa dimensão do presente que só pode ser entendida na hora. Mais tarde, toda a informação que se possui pode ajudar a enquadrar, a compreender teoricamente, mas nunca será suficiente para se conseguir ajuizar com total discernimento o que foi estar lá.

É por isso que as revistas velhas possuem uma sabedoria própria, que só pode ser encontrada aí e que, por esse motivo, é rara.

Nas revistas velhas, ficou cristalizada a vivência do presente que se conseguiu retratar. Só naquele momento poderia ser captada daquela forma. Os penteados são apenas uma das múltiplas atrações dessas páginas. Os valores ficaram expressos na maneira como se escreveram certas frases, na escolha de adjetivos. E há os nomes desconhecidos que são apresentados como importantes, como cultura geral, e há a autoconfiança das fotografias, rostos famosos que nunca vimos, a ostentarem uma eloquência invulgar. Folhear essas revistas mostra-nos que uma parte da verdade daquele tempo nunca se concretizou. Quando aquelas páginas chegaram à tipografia, havia certezas do tamanho de montanhas, sólidas como montanhas e que, mesmo assim, se dissolveram na passagem dos anos.

Essa é a sabedoria das revistas velhas: um dia, todas as certezas que nos rodeiam serão relativizadas. Um dia, seremos desconhecidos até de nós próprios. Estamos aqui, isto é tudo e, no entanto, alguém está a ver-nos de longe, com nostalgia, curiosidade ou incompreensão. ET_simb

Outras leituras