AquaSaphir: Artya e a arte do mergulho em transparência

A Artya é uma marca menos conhecida do público em geral e tão fora da caixa como o seu genial fundador, Yvan Arpa. É também a primeira marca a conceber relógios de mergulho em caixas de safira — que ficam muito bem na paisagem marítima portuguesa. Estivemos com os AquaSaphir.

Qual o aficionado de relojoaria que não gosta de ter um relógio de mergulho, como tool watch de uso diário ou complemento lúdico de modelos mais elegantes? Hoje em dia há muito por onde escolher e as caraterísticas inerentes aos relógios de mergulho estão atualmente patentes nas coleções de praticamente todas as marcas relojoeiras. Sobretudo desde os anos 90, a popularidade dos relógios de mergulho fez com que a sua estética desportiva/casual se generalizasse e contribuísse para moldar o estilo do relógio contemporâneo. Mas há sempre quem conceba algo de novo.

Artya AquaSaphir Blue Wave | Foto: Miguel Seabra/ Espiral do Tempo

É o caso de Yvan Arpa, um ‘eletrão livre’ que passa por ser um dos maiores disruptores da alta-relojoaria e que até foi considerado pelo nosso colega Jack Forster como forte candidato a ‘Mais Interessante Personalidade do Universo Relojoeiro’. Yvan Arpa é um amigo de longa data da Espiral do Tempo e passou recentemente por Portugal, mostrando-nos em Cascais alguns exemplares AquaSaphir da linha de mergulho da sua marca Artya — e que são os primeiros relógios de mergulho com caixa em vidro de safira.

Yvan Arpa e a sua mulher passaram recentemente por Portugal | Foto: Miguel Seabra/ Espiral do Tempo

Artya AquaSaphir

A Artya é o projeto pessoal de um criativo que tem no seu currículo um mundo de aventuras e contribuições de destaque para marcas importantes. Enquanto especialista em artes marciais, chegou a ser lutador de full-contact no extremo oriente e entre as suas muitas aventuras contam-se a passagem de países a pé de lés a lés..

AquaSaphir Aventurine | Foto: cortesia Artya

No sua Suíça natal, optou pela relojoaria em vez do setor banqueiro, da área farmacêutica ou na indústria do chocolate. E a sua condição de designer ajudou-o a ter cargos de relevo inicialmente na Baume & Mercier; foi diretor executivo da Hublot entre 2002 e 2006, participando no lançamento do Big Bang; de 2006 a 2009 foi CEO da Romain Jérôme e introduziu o conceito de usar o DNA de mitos contemporâneos em relógios, como ferro enferrujado do Titanic ou pó lunar; foi também COO da Jacob & Co entre 2010 e 2011; e em 2013 lançou a Sphero Lucem, com canetas e facas de gama alta; paralelamente, tem servido de consultor e designer para uma multiplicidade de clientes, incluindo a Samsung (desenhou o smartwatch Gear S3).

Entretanto, a partir de 2009 criou a sua companhia Luxury Artpieces e lançou não só a marca Black Belt (com relógios dirigidos aos aficionados de artes marciais), mas sobretudo a Artya. A Artya tem sido um campo experimental para Yvan Arpa, criando exemplares que integram desde asas de borboleta a balas de pistola, passando por folhas de tabaco e até fósseis de dinossauros certificados.

AquaSaphir com mostrador verde | Foto: cortesia Artya

Tendo em conta tamanha folia criativa, a linha de mergulho Aqua não apresenta nenhuma solução completamente louca — mas inclui modelos muito interessantes, como os Depth Gauge com escala colorida de mergulho e descompressão no mostrador ou as versões com caixa de carbono, sem esquecer os mais tradicionais modelos em aço.

Outra AquaSaphir com mostrador em aventurina | Foto: Miguel Seabra/ Espiral do Tempo

No entanto, é a variante AquaSaphir que chama particularmente a atenção pela sua originalidade: a inédita utilização de caixas de safira em modelos de mergulho, para mais a um preço relativamente acessível (à volta de 30 mil euros) tendo em conta de que se trata de um material muito difícil de trabalhar e que até há pouco era comercializado em valores multimilionários. A Artya foi mesmo das primeiras marcas a desenvolver relógios com caixas em safira, começando a fazê-lo em 2013.

AquaSaphir Aventurine Blue Bezel | Foto: Artya

Há modelos AquaSaphir com mostrador esqueletizado e outros com luneta colorida. Também há uma versão com mostrador em meteorito colhido na Namíbia. Na construção da caixa não é utilizada qualquer peça metálica. Para o inerente conceito de transparência, os AquaSaphir de luneta transparente são ainda mais espetaculares — especialmente dois modelos que tivemos em mão: o AquaSaphir Blue Wave, com um mostrador com múltiplas camadas de esmalte que replica as ondas reproduzidas pela água quando se atira uma pedra, e o AquaSaphir Aventurine, dotado de um mostrador de um cristal estrelado relativamente raro que produz um efeito visual hipnótico.

Em Cascais com o AquaSaphir Blue Wave da Artya | Foto: Miguel Seabra/ Espiral do Tempo

Os modelos AquaSaphir têm também excelentes proporções, com os seus 41mm de diâmetro a vestirem bem mesmo pulsos mais pequenos devido à sua arquitetura de asas curtas. Para além da natureza antirrisco da safira (o terceiro mineral mais duro, atingindo 9 na escala de Mohs), todos os componentes da caixa recebem um tratamento anti-reflexo para uma transparência ainda mais pura e melhor visão do movimento mecânico no fundo com certificação cronométrica atribuida pelo COSC: o calibre ArtyOn de corda automática exclusivo da Artya, com 42 horas de reserva de carga e uma composição que inclui elementos em ouro rosa ou o recurso ao NAC para escurecer o aço.

AquaSaphir com mostrador azul | Foto: cortesia Artya

A utilização de Super-LumiNova BGW9 e uma estanquidade de 50 metros complementam as caraterísticas de um diver verdadeiramente surpreendente e que pode ser usado com classe em qualquer circunstância!

Outras leituras