fbpx
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Prémio Gaïa 2018: vencedores anunciados

A cerimónia de entrega da edição de 2018 do Prémio Gaïa decorreu ontem no Museu Internacional de Relojoaria de La Chaux-de-Fonds. Reinhard Meis, Maximilian Büsser e Paul Clementi foram os nomes distinguidos por esta iniciativa que tem como objetivo homenagear e reconhecer as personalidades que contribuem para a notoriedade da indústria relojoeira, da sua história e da sua técnica.

Realizou-se ontem, dia 20 de setembro, no Museu Internacional de Relojoaria de La Chaux-de-Fonds (MIH), a cerimónia anual do conceituado Prémio Gaia/Prix Gäia que reconhece e presta homenagem a personalidades que contribuem para a notoriedade da indústria relojoeira, da sua história e da sua técnica. Entre os candidatos, Paul Clementi, Reinhard Meis e Maximilian Büsser foram os nomes distinguidos nas três diferentes categorias englobadas pelo prémio. E todos estiveram presentes na cerimónia para receberem o seu galardão.

Esta iniciativa, que conta já com 25 edições, distinguiu no passado nomes como Jean-Claude Biver — que anunciou ontem que iria abandonar as responsabilidades operacionais no Grupo LVMH —, Anita Porchet — artista especializada em esmaltagem —, Roger Smith — nome incontornável no domínio da criação e estudo da relojoaria de origem inglesa  —, ou os reconhecidos relojoeiros François-Paul Journe, Jean-Marc Wiederrecht, Vianney Halter ou Kari Voutilainen.

No site parceiro dedicado a esta distinção, refere-se que o  “Prémio Gaïa é para a relojoaria o que o Prémio Nobel é para a filantropia global: a recompensa suprema, um tipo de prémio intemporal que torna excecional a carreira de uma pessoa.”

Mas a edição de 2018 trouxe consigo novidades. A organização anunciou que, a acrecentar às categorias oficiais, o prémio lança também uma bolsa para incentivar novos talentos nas mesmas categorias, com a distinção Horizon Gaïa. O prémio irá assim apoiar projetos individuais que deverão ser concluídos no prazo de um ano e é na edição do próximo ano que serão anunciados os primeiros nomes premiados.

Para já, aqui fica o perfil dos galardoados de 2018:

História e Investigação: Reinhard Meis

O historiador Reinhard Meis é a personalidade homenageada na categoria de História e Investigação, tendo sido destacado pela sua importante compreensão da história técnica da relojoaria, graças a uma investigação exaustiva e independente, e pela excelência das suas publicações no campo dos relógios complicados. No site dedicado ao Prémio Gaïa refere-se que os seus livros são bem conhecidos de um determinado target de cientistas e entusiastas, são densos e intensos, tal como o conhecimento e habilidade que neles podemos encontrar.

Reinhard Meis

Artesanato e Criação: Paul Clementi

Paul Clementi

Já no âmbito da categoria de Artesanato e Criação, o júri selecionou Paul Clementi destacando as suas competências alargadas no ambito da manufatura e artesanato, bem como do seu conhecimento histórico em benefício de criações inventivas levadas a cabo com uma ética irrepreensível. Paul Clementi é atualmente diretor técnico na Bovet, mas o seu percurso teve início enquanto aluno na escola de relojoaria de Besançon, tendo depois passado por ateliers de restauro, pela L’Epée e pela Parmigiani e como mestre no Colégio Técnico de La Chaux-de-Fonds. É reconhecido pelo facto de ter conseguido desenvolver conhecimento nas mais diversas áreas especializadas .

Empreendedorismo: Maximilian Büsser

Maximilian Büsser

Por fim, Maximilian Büsser, bem conhecido no mundo da relojoaria graças à marca por ele criada, foi distinguido na categoria de Empreendedorismo. A sua MB&F, mais do que uma marca é um conceito que, ancorado num imaginário muito original, aposta em máquinas relojoeiras criadas com os mais diversos e conceituados profissionais. As suas ‘Horological Machines’ surgem assim como objetos extraordinários, tanto ao nível do design como dos próprias abordagens técnicas. Além do desenvolvimento e criação de relógios e outras máquinas, Maximilian Büsser lançou ainda a M.A.D. Gallery, um espaço dedicado não só às suas ‘horological machines’, como também à promoção e exposição de arte de inspiração mecânica. O júri do Prix Gaïa distinguiu, assim, Maximilian Büsser “pela sua criativa abordagem de relojoaria no design e marketing dos seus produtos e pelo modo inovador como gere o seu negócio”.

Para mais informações, visite a página dedicada ao Prix Gaïa, criada pelo Watchonista, site parceiro da iniciativa.

Outras leituras