Dubai Watch Week 2023: Reuge e as corridas de camelos

A Reuge é uma histórica manufatura suíça de caixas e autómatos musicais que recentemente reentrou na ribalta relojoeira através da sua aquisição pela De Bethune. Na Dubai Watch Week apresentou três criações, com destaque para uma corrida muito especial.

O autómato Camel Race da Reuge
Uma peça criada em especial para a Dubai Watch Week 2023: o Camel Race | © Reuge

A Reuge foi fundada em 1865 na localidade montanhosa de Sainte-Croix, no cantão de Vaud. Ali ao lado, em L’Auberson, fica a manufatura da De Bethune — uma das mais conceituadas marcas independentes de alta-relojoaria criadas no presente milénio. Após colaborações num passado recente, a De Bethune adquiriu a secular companhia em fevereiro e os frutos começam a ver-se. Durante a Dubai Watch Week, o espaço denominado Collector’s Club teve em permanente exibição três criações da Reuge. Uma delas chamou particularmente à atenção: uma corrida de camelos com celebração musical no final.

Vista geral e lateral do autómate Camel Race da Reuge que mimetiza uma corrida de camelos
Para tornar o cenário mais real, a Reuge e escolheu o bronze para que a patina evoluísse com o tempo e melhor replicasse a natureza cambiante do deserto | © Reuge

A Reuge é uma verdadeira manufatura suíça no mesmo âmbito das mais famosas casas relojoeiras: só utiliza materiais e fornecedores locais para confecionar as suas lendárias caixas musicais e animações derivadas; os seus artesãos têm um conhecimento profundo das técnicas de metalurgia, marqueteria (trabalhar a madeira) e da automação mecânica. Tem fabricado peças exclusivas para grandes celebrações ou presentes especiais — desde uma caixa musical especial para celebrar o casamento real de Carlos e Diana até a outra que comemorou a coroação do rei Guilherme Alexandre dos Países Baixos.

Detalhe dos camelos do autómate Camel race da Reuge
A Reuge recriou uma corrida evocativa das ancestrais tradições locais de criação e corridas de camelos | © Reuge

Em especial para a Dubai Watch Week, a Reuge pegou no conceito Escalado Mécanique já visto em criações como a Milarius e a Racing Legend para recriar uma corrida de camelos evocativa das ancestrais tradições locais de criação e corridas de camelos. E desde 2020 que as corridas de camelos integram o programa de património cultural imaterial da Unesco. Para a peça apresentada, a Reuge recriou palmeiras e dunas para tornar o cenário mais real e escolheu o bronze para que a patina evoluísse com o tempo e melhor replicasse a natureza cambiante do deserto.

Camel Race da Reuge
Além de apresentar várias corridas que podem animar qualquer sala ou festa, com apostas ou não, a Camel Race integra uma caixa musical com 144 notas | © Reuge

A base mecânica utiliza um sistema de correntes que evoca o ritmo do galope e ímanes para fixar os dromedários — cujo nome vem do grego ‘dramein’ (que significa ‘correr’), uma vez que conseguem alcançar uma velocidade de ponta de 65km/h e manter uma média de 40km/h durante uma hora. Na criação da Reuge, uma reserva de corda de 41 minutos permite apresentar várias corridas que podem animar qualquer sala ou festa, com apostas ou não. Um extraordinário exemplar de arte mecânica acompanhado de uma caixa musical com 144 notas!

O bronze domina esta peça | © Reuge

Outras leituras