fbpx

Jaeger-LeCoultre Reverso Tribute Moon: sangue azul

O Reverso integra a aristocracia relojoeira há quase nove décadas, e contribuiu decisivamente para a consagração nobiliárquica da Jaeger-LeCoultre. Com uma linhagem impressionante desde a estreia em 1931, o lendário modelo reversível surge agora numa variante Tribute Moon que passa por ser uma das suas mais belas versões dos últimos tempos.

A linha retangular da Jaeger-LeCoultre tem conseguido redefinir-se e reinventar-se ao longo do tempo, tornando-se no relógio de pulso mais eclético de sempre na sequência de múltiplas variações elaboradas durante as duas últimas décadas — e a sua árvore genealógica de crescentes ramificações deu recentemente mais um apetecido fruto: o Reverso Tribute Moon, um elegante exercício de estilo que é bem representativo do discreto charme da Grande Maison.

Jaeger-LeCoultre Reverso Tribute Moon  © Paulo Pires / Espiral do Tempo
Jaeger-LeCoultre Reverso Tribute Moon | © Paulo Pires / Espiral do Tempo

O grande desiderato de qualquer empresa relojoeira com pedigree é, precisamente, conceber relógios que consigam capturar o imaginário dos aficionados e ultrapassem o teste do tempo para se tornarem verdadeiros ícones, instantaneamente reconhecíveis no pulso. O Reverso é, seguramente, um dos modelos mais míticos da história, e a nova variante, Tribute Moon, inclui duas complicações muito caras à manufatura de Le Sentier: o calendário analógico com as fases da Lua num submostrador e o duplo fuso horário em mostradores contrapostos que aproveitam a caraterística reversível da caixa. Em cada detalhe estético e pormenor mecânico, constata-se todo o requinte da Jaeger-LeCoultre, numa criação com ‘sangue azul’.

Quase nove décadas depois da sua criação, o Reverso mantém-se como uma das bandeiras da marca – um produto de imagem forte com uma herança que vem desde a eclosão do movimento art nouveau e utilização do aço, no final do século XIX, até aos elementos art déco bem vincados A caixa retangular e as três estrias constituem uma forte identidade estilística, ainda mais reforçada na variante Tribute Moon.

O Reverso é um relógio elegante que tem uma génese desportiva: as suas origens remontam a 1931, quando um oficial britânico solicitou um modelo que pudesse ter o vidro protegido durante os atribulados encontros de polo.

A outra face

O conceito de reversível — desenvolvido consecutivamente por César de Trey, Jacques-David LeCoultre, Edmond Jaeger e Alfred Chavot, na década de 30 do século passado — ganhou uma nova dimensão nos anos 90: em vez de um verso metálico fechado, um segundo mostrador. A base da caixa dos novos Reverso Tribute surge com uma curvatura ergonómica que assenta melhor no pulso, enquanto o interior é decorado com um motivo raiado para maior sofisticação visual.

Mostrador no verso da caixa com indicação dia/noite © Paulo Pires / Espiral do Tempo
Mostrador no verso da caixa com indicação dia/noite | © Paulo Pires / Espiral do Tempo

Reto e verso

De um lado, o pormenor da data analógica indicada por um ponteiro com uma lua crescente na extremidade e a abertura para o disco lunar com uma lua martelada à mão acompanhada de uma constelação de estrelas; do outro lado, a indicação dia/noite num disco bicolor que sobressai no mostrador de fundo azul picotado em Clous de Paris. Duas caras distintas, a mesma personalidade e o tempo indicado por ponteiros Dauphine.

Jaeger-LeCoultre Reverso Tribute Moon © Paulo Pires / Espiral do Tempo
Jaeger-LeCoultre Reverso Tribute Moon | © Paulo Pires / Espiral do Tempo

Patilha e partilha

A caixa mid-plus (49,7 por 29,9 mm) do Reverso Tribute Moon alberga o histórico e fiável calibre 853 de corda manual — acrescentado de uma modificação para o ajuste dos fusos horários que torna possível o acerto através do novo sistema de patilha, que está discretamente colocada no topo da caixa reversível.

Jaeger-LeCoultre Reverso Tribute Moon © Paulo Pires / Espiral do Tempo
Jaeger-LeCoultre Reverso Tribute Moon | © Paulo Pires / Espiral do Tempo

Fecho de báscula

O novo fecho de báscula com sistema duplo de dobradiças é o complemento ideal para a correia azul em pele de aligátor; a sua ergonomia permite o ajuste ideal para o pulso mantendo toda a segurança.

Pormenor do fecho de báscula do Jaeger-LeCoultre Reverso Tribute Moon © Paulo Pires / Espiral do Tempo
Pormenor do fecho de báscula do Jaeger-LeCoultre Reverso Tribute Moon | © Paulo Pires / Espiral do Tempo

Sofisticação à superfície

A importância da textura: juntamente com os índices azulados aplicados à mão, a superfície opalina granulada dá um relevo suplementar à beleza do mostrador principal.

Jaeger-LeCoultre Reverso Tribute Moon © Paulo Pires / Espiral do Tempo
Jaeger-LeCoultre Reverso Tribute Moon | © Paulo Pires / Espiral do Tempo

Coroa e corretores

Além da tradicional coroa, que permite o acerto dos ponteiros das horas e dos minutos em ambos os mostradores, a caixa inclui dois botões embutidos que facilitam o rápido ajuste do dia e das fases da Lua.

Jaeger-LeCoultre Reverso Tribute Moon © Paulo Pires / Espiral do Tempo
Coroa e botão embutido para ajuste rápido do dia e das fases da Lua | © Paulo Pires / Espiral do Tempo

Consoante a vontade do utilizador, o segundo mostrador pode ser ajustado para um fuso horário distinto (independentemente do fuso patente no mostrador ‘principal’) ou simplesmente servir como visual alternativo.

Características Técnicas

Jaeger-LeCoultre
Reverso Tribute Moon

Referência/ Q3954820
Movimento/ Mecânico de corda manual Calibre JLC 853A, 42 horas de reserva de corda.
Funções/ Frente: horas, minutos, data, fases da Lua. Verso: segundo fuso horário, indicador dia/noite em 24 horas.
Caixa Ø 49,4 mm x 29,9 mm x 10,9 mm / Aço, reversível, estanque até 30 metros.
Bracelete/ Pele de aligátor com fecho de báscula em aço.
Preço/ Sob consulta

Jaeger-LeCoultre Reverso Tribute Moon: mostrador principal e mostrador do verso da caixa © Jaeger-LeCoultre
Jaeger-LeCoultre Reverso Tribute Moon: mostrador principal e mostrador do verso da caixa | © Jaeger-LeCoultre

Outras leituras