«Less’ential»: quando menos é mais na Vacheron Constantin

Patente no VIP Lounge da boutique Vacheron Constantin, em Lisboa, até ao próximo dia 15 de setembro, a exposição «Less’ential» contempla uma seleção de relógios que fazem parte da coleção privada da marca fundada em 1755. A beleza através da simplicidade é o fio condutor.

A boutique Vacheron Constantin tem patente, até ao próximo dia 15 de setembro, a exposição «Less’ential» que contempla uma seleção de relógios de pulso e de bolso representativos da beleza através da simplicidade que tanto carateriza as criações da marca.

Parede do VIP Lounge da Vacheron Constantin em Lisboa onde está escrito: "Faure mieux si possible ce qui est toujours possible"
Na parede do VIP Lounge da boutique Vacheron Constantin em Lisboa as inspiradoras palavras que guiam a marca | © Cesarina Sousa / Espiral do Tempo

A lógica do essencial está assim na base do conceito desta exposição que ainda vai a tempo de visitar: «As proporções meticulosamente calculadas e a busca da harmonia encontram a sua expressão máxima na pureza das formas e nas linhas claras e perfeitamente inteligíveis. Aplicada à relojoaria e aos seus complexos imperativos mecânicos, a exploração em busca do ideal estético da Vacheron Constantin conduz a uma sofisticação inabalavelmente centrada no essencial. Na Maison, essa conceção minimalista do design de relógios traduz-se numa elegância natural. Tecnicamente, isso expressa-se por meio de um domínio inigualável dos movimentos ultraplanos, enquanto a dedicação aos detalhes, o delicado equilíbrio dos materiais e a composição inteligente conferem às criações da Vacheron Constantin uma aparência discreta, mas visualmente marcante», explica a casa suíça.

A exposição «Less’ential» contempla relógios de design minimalista que fazem parte dos arquivos da Vacheron Constantin. À direita: relógio Harmony em aço e ouro amarelo (1986) | © Cesarina Sousa/ Espiral do Tempo

Os relógios expostos estão incluídos numa janela temporal que vai de 1931 a 1986 e foram selecionados de entre as 1600 peças que integram a coleção privada da Vacheron Constantin. Todos eles são representativos da vontade de submeter os imperativos mecânicos à beleza do design e legibilidade das funções. Ao mesmo tempo, traduzem a capacidade de adaptação deste minimalismo relojoeiro a diferentes estilos e materiais.

Less’ential: os relógios

A exposição «Less’ential» pode ser visitada no VIP Lounge da boutique Vacheron Constantin até 15 de setembro, como dissemos. Trata-se da segunda seleção de relógios a ser apresentada desde que este espaço foi inaugurado. As peças estão expostas em vitrinas e junto delas podemos contar não só com um breve descritivo, como também de um QR Code que direciona para informações mais detalhadas disponíveis online. E, depois, o espaço em si, convida a aproveitar com tranquilidade o tempo ali passado.

Sendo assim, eis algumas das peças que é possível ficar a conhecer, sem aqui estarem organizadas necessariamente por ordem cronológica:

1931

Relógio de bolso bicolor em ouro amarelo e ouro rosa com mostrador lacado a preto | 1931 | Coleção Privada Vacheron Constantin Heritage | © Vacheron Constantin
Relógio de bolso bicolor em ouro amarelo e ouro rosa com mostrador lacado a preto | 1931 | Coleção Privada Vacheron Constantin Heritage | © Vacheron Constantin

Com 44mm de diâmetro e perfeita legibilidade graças ao contraste entre o tom preto do mostrador e os dois tipos de ouro, este relógio de bolso distingue-se pelo perfil esguio, no qual se integram a coroa e o bisel, sem de todo desvirtuar as suas linhas circulares. O facto de a ranhura de suspensão estar localizada polarmente oposta à coroa sugere que este relógio não estaria provavelmente destinado a ser guardado no bolso do colete. Esta peça é assim reveladora de como a evolução dos relógios também acompanhou a evolução do vestuário de acordo com as práticas da sociedade. Neste caso, trata-se de um instrumento do tempo concebido para o bolso das calças de um golfista que quisesse evitar danificar o seu relógio durante uma partida de golfe.

1936 e 1953

À esquerda: relógio de pulso em ouro amarelo, mostrador lacado a preto (1936); relógio de pulso Jubilee em ouro amarelo, corda manual, mostrador preto com algarismos dourados (1936); relógio de pulso em platina, mostrador cinzento mate, cravejado de diamantes (1953) | © Vacheron Constantin
À esquerda: relógio de pulso em ouro amarelo, mostrador lacado a preto (1936); ao centro: relógio de pulso Jubilee em ouro amarelo, corda manual, mostrador preto com algarismos dourados (1936); à direita: relógio de pulso em platina, mostrador cinzento mate, cravejado de diamantes (1953) | © Vacheron Constantin

Na imagem acima surgem três relógios, dois deles datados de 1936. O primeiro (à esquerda) é um relógio de homem com caixa de 30 mm em ouro amarelo. Trata-se de uma adaptação ao pulso de um relógio de pulso e distingue-se, tal como o modelo anteriormente referido, pelas formas circulares e excelente legibilidade. A coroa está inserida na caixa e as asas na carrure, possibilitando linhas muito harmoniosas. Os indexes em ouro contrastam com o mostrador preto revestido com tinta ‘Duco’ (substância usada pela marca entre os anos de 1930 e 1950) que, por sua vez, se destaca pelo ouro amarelo da caixa com alternância de superfícies polidas e escovadas. O relógio ao centro foi desenvolvido por ocasião da celebração dos 150 anos da Vacheron Constantin quando ainda se pressupunha que a marca tinha sido fundada em 1785. Só 10 anos depois, com a descoberta de novos arquivos, é que essa data terá sido posta em causa e foi devidamente esclarecida. Hoje, o ano de 1755 é assumido como o ano de fundação da manufatura. Com coroa às 12h e caixa em ouro amarelo, esta peça distingue-se também pelo mostrador preto, com indexes e algarismos em ouro. Já o relógio de pulso do lado direito remonta à década de 1950. Com caixa de 30mm em platina e asas cilíndricas, é testemunho de como a marca utilizou desde o início este material. Em destaque os diamantes no mostrador lapidados em carré e baguette, bem como os elegantes ponteiros Baton.

1943

Relógio de bolso em ouro amarelo com turbilhão de um minuto, pequenos segundos e mostrador em esmalte branco (1943) | © Vacheron Contantin

Com caixa de 55mm em ouro amarelo, o relógio de bolso aqui apresentado guarda consigo um segredo: um turbilhão que fica escondido de olhares, ao contrário do que entretanto se tornou mais habitual. O mostrador branco esmaltado surpreende pela simplicidade e nele podemos ler as horas, os minutos e os pequenos segundos. Nada neste relógio nos diz que por trás da sua aparente simplicidade se esconde o dispositivo criado para compensar os efeitos de gravidade. Mas há mais segredos: trata-se de uma peça distinguida com o boletim de primeira classe do Observatório Astronómico de Genebra, bem como com diversos outros prémios de cronometria.

1937 e 1943

À esquerda: Relógio de bolso Lepine em ouro rosa com mostrador dourado (1943); relógio de bolso em ouro amarelo, mostrador em ouro finamente granulado (1937) | © Vacheron Constantin

Ambos os relógios de bolso da imagem acima distinguem-se pela estética dourada e, naturalmente, pelas linhas despojadas e minimalistas. Depois, há que referir a reduzida espessura. Mas existem outros elementos que os distinguem em particular. O relógio da direita, de 1937, combina a forma retangular do anel de suspensão com a forma redonda da caixa de 43mm, num design que traduz bem o movimento Bauhaus, aplicado à relojoaria. O bisel sobredimensionado da caixa contribui para reforçar uma certa estética industrial, ao passo que os elementos do mostrador sublinham o lado funcional. Por sua vez, o relógio é sinónimo de simplicidade e ausência de adornos. Envolvido por uma caixa de 58mm, o mostrador em ouro e de dimensões generosas é complementado por indexes e numerais romanos em ouro rosa, bem como por dois ponteiros polidos no mesmo material. A estética e elegância livre de adornos combina com a reduzida espessura da caixa de tipo Lepine. Às 12h, encontra-se a coroa.

Visite o site oficial da Vacheron Constantin para mais informações sobre a marca.



Outras leituras