Watches and Wonders 2024: IWC e o eterno Portugieser

A IWC tem o hábito de ciclicamente renovar as suas coleções e dedicar-lhes o seu stand no maior evento mundial de relojoaria. Este ano foi a vez da linha Portugieser — com uma interessante restauração arquitetural, novos mostradores e um calendário perpétuo eterno… com uma indicação válida para 45 milhões de anos!

Em Genebra

Não há maior referência a Portugal no universo da relojoaria de prestígio do que a linha Portugieser da IWC — com uma história quase centenária que remonta a 1939, na sequência de uma encomenda feita por dois comerciantes nortenhos de apelido Rodrigues e Teixeira: ao visitarem as instalações da marca em Schaffhausen, solicitaram um relógio que pudesse albergar um movimento de maior precisão cronométrica (que na altura eram feitos para os relógios de bolso). Foi escolhido o Calibre 74 com horas, minutos e pequenos segundos para uma ‘enorme’ (à altura) caixa de 43 milímetros.

Protagonista da IWC na W&W 2024: Portugieser Eternal Calendar | Foto: cortesia IWC

Segundo ideia do lendário Kurt Klaus, o mestre relojoeiro que idealizou o famoso calendário perpétuo Da Vinci e se mantém como símbolo vivo da mestria técnica da IWC, as linhas desse relógio original foram recuperadas para a ressurreição do Portugieser aquando do 125.º aniversário da marca, em 1993. Em 2024, o Portugieser foi a estrela da companhia na Watches and Wonders.

O Portugieser Perpetual Calendar 44 na nova cor de mostrador Horizon Blue | Foto: cortesia IWC

Atendendo ao catálogo da manufatura de Schaffhausen, a linha Portugieser (também conhecida por Portuguesa, Portugaise ou Portuguese, embora a IWC tenha solicitado a uniformização do uso da nomenclatura original em suíço-alemão) é — juntamente com a Pilot — a melhor sucedida da coleção. Se a linha Pilot é de inspiração militar, a Portugieser seduz pela sua elegância intemporal e não tem parado de crescer desde a sua (re)criação na década de 90. Este ano, no âmbito da Watches and Wonders, não só foi renovada, como também recebeu a adição de novas variantes, novas cores e um passaporte para a eternidade… com o Portugieser Eternal Calendar.

Portugieser: nova construção

Fundo da caixa do elegante Portugieser Perpetual Calendar 44 | Foto: cortesia IWC

Antes da referência a qualquer modelo em particular, é primordial destacar todo o trabalho de renovação estrutural patente nos novos Portugieser apresentados na Watches and Wonders: através de uma aplicação dupla da solução glassbox (tanto no lado do mostrador como no fundo transparente), associada a uma redução da secção média da caixa (a carrosseria em metal), os novos modelos apresentam uma melhor legibilidade de qualquer ângulo e parecem mais finos e elegantes… sem que o diâmetro ou a espessura seja reduzida.

Massa oscilante do IWC Portugisier Perpetual Calendar 44 | Foto: cortesia IWC

A construção do tipo glassbox foi uma tendência clara da edição deste ano da Watches and Wonders e a IWC potenciou-a nos quatro tamanhos de caixa Portugieser em que declinou as suas várias novidades: o Portugieser Eternal Calendar (44,4mm de diâmetro x 14,9mm de espessura), o Portugieser Hand-Wound Tourbillon Day & Night (42,4mm x 10,8mm), o Portugieser Automatic 42 (42,44mm x 13mm), o Portugieser Chronograph (41mm x 13,1mm) e o Portugieser Automatic 40 (40,4mm x 12,4mm).

Renovação estrutural com aplicação dupla da solução glassbox no lado do mostrador | Foto: cortesia IWC

Os mais complicados

O Portugieser Eternal Calendar foi mesmo a vedeta entre as várias novidades, pela ousadia de esticar ainda mais os limites do calendário perpétuo. O Calibre 52460 com sete dias de reserva de marcha integra uma nova rodagem de 400 anos, fazendo com que a precisão do calendário esteja assegurada até 3999. Mas essa extensão é uma bagatela se for tido em conta que a nova engrenagem idealizada para a apresentação dupla das fases da lua garante uma exatidão de… 45 milhões de anos!

hgfghj
A obra-prima da IWC para 2024 | Foto: MIguel Seabra/Espiral do Tempo

Não se sabe até quando dura a eternidade, mas 45 milhões de anos justifica o epiteto de ‘eterno’ no nome de um relógio assente numa caixa de platina e com mostrador em esmalte.

IWC Portugieser Eternal Calendar | Foto: cortesia IWC

Já o Portugieser Hand-Wound Tourbillon Day & Night surge numa caixa no ouro 5N de maior rigidez registado pela IWC (designado por Armor Gold) e com mostrador preto Obsidian Black lacado; a originalidade prende-se com um indicador esférico dia/noite às 9 horas que foi ideia de um estagiário e que é novidade no âmbito da IWC. O Calibre 81925 de carga manual apresenta uma autonomia de 84 horas. E a correia de aligátor é confecionada pela casa italiana Santoni, como é habitual na marca e sucede nos restantes modelos.

Portugieser Hand-Wound Tourbillon Day & Night | Foto: cortesia WC

O já conhecido Portugieser Perpetual Calendar 44, base do Portugieser Eternal Calendar, também beneficiou da tal afinação arquitetural e tem o mostrador num nível um pouco acima da secção média da caixa — ‘vestindo’ abaixo do que as suas dimensões indicam, pelo menos parecendo mais pequeno do que a geração anterior do mesmo relógio. Uma sensação que só valoriza a reformulação estrutural no design do Portugieser, sem que se perca o seu perfume de sempre.

IWC Portugieser Perpetual Calendar 44 | Foto: cortesia IWC

Os submostradores também foram bem trabalhados, com as escalas exteriores a assentarem em 15 camadas distintas de laca transparente. Está disponível em Armor Gold com mostrador pérola, em Armor Gold com mostrador Black Obsidian, em ouro branco com mostrador Horizon Blue e em ouro branco com mostrador Dune). Motorizado pelo conhecido Calibre 52616 de corda automática, com sete dias de autonomia.

Os essenciais

IWC Portugieser Chronograph | Foto:cortesia IWC

O Portugieser Chronograph tornou-se logo no mais popular modelo da linha Portugieser a partir do seu ‘renascimento’ em 1993, primeiro assente num calibre Valjoux. Na presente década, ganhou novas cores de mostrador e um movimento de manufatura — o Calibre 69355. E agora recebeu quatro novas versões em metal precioso com outros tantos mostradores: Armor Gold com mostrador pérola, Armor Gold com mostrador preto Black Obsidian, ouro branco com mostrador Horizon Blue e ouro branco com mostrador Dune.

IWC Portugieser Automatic 42 | Foto: cortesia IWC

O Portugieser Automatic 42 é a nova geração do Portugieser Automatic Days, assente no Calibre 52011 de corda automática com um mínimo de 168 horas de reserva de carga. Teve a sua estética e tipografia afinadas, para além da nova designação que inclui o número alusivo ao seu diâmetro — para o distinguir mais facilmente do outro modelo mais pequeno. Apresenta a escala da reserva de marcha num submostrador que surge às 3 horas para contrapor simetricamente ao submostrador dos pequenos segundos às 9. Está disponível em seis versões: aço com mostrador opalino e ponteiros dourados, aço com mostrador opalino e ponteiros azulados, aço com mostrador azul, aço com mostrador Dune, ouro rosa com mostrador preto Black Obsidian e ouro branco com mostrador Blue Horizon.

IWC Portugieser Automatic 40 em ouro branco com mostrador Horizon Blue e em ouro rosa com mostrador Black Obsidian | Foto: cortesia IWC

Finalmente, o Portugieser Automatic 40, lançado já nesta década, foi subtilmente atualizado — não só no mostrador, com um submostrador de pequenos segundos mais minimalista e de acabamento azurage mais pronunciado, mas também com a adopção de um fundo glassbox. As duas novas versões são declinadas em ouro rosa com mostrador Black Obsidian e em ouro branco com mostrador Horizon Blue. O Calibre 82200 garante 60 horas de autonomia.

No nosso pulso:

Outras leituras