fbpx

10 anos De Bethune DB28

A De Bethune está a celebrar 0 10º aniversário do seu emblemático DB28 com três novos modelos — todos eles diferentes, mas que seguem, cada qual à sua maneira, a essência do DB28 original. Cada um deles tem a sua história e traduz, segundo a marca, 10 anos de trabalho intenso e investigação no âmbito da mecânica e da estética. O triunvirato é formado pelo Ultra-Thin DB28XP, pelo DB28XP Starry Sky e pelo DB28XP Tourbillon.

E já lá vão dez anos desde que a De Bethune lançou o primeiro DB28, um modelo que nasceu da ideia da marca de La Chaux l’Auberson em apresentar uma identidade própria e uma visão resolutamente futurista da arte da relojoaria. Em traços gerais, a coleção distingue-se pela forma distinta da caixa e pela coroa às 12 horas, inspirada nos relógios de bolso que o mestre co-fundador Denis Flageollet tão bem conhece, mas também pelas asas flutuantes desenhadas para proporcionar o máximo conforto. Atualmente, na coleção regular, a linha DB28 engloba a maior parte das inovações técnicas estabelecidas pela De Bethune ao longo dos anos, como o balanço em silício, a espiral própria com curva terminal patenteada, o sistema triplo de antichoque, as asas flutuantes e a emblemática indicação 3D de fases da Lua a partir de uma esfera de paládio e aço temperado/revenido a azul.

No fundo, trata-se  de uma coleção que une passado, presente e futuro da cultura relojoeira. É a própria marca que o diz. E nós concordamos. Sem mais demoras (e aconselhando a leitura de um artigo dedicado ao perfil da marca), apresentamos assim os três novos modelos que vêm celebrar a primeira década de vida da linha DB28, todos eles destacando um design que se tornou inconfundível e cada uma deles com características que os tornam distintos. A De Bethune refere que é «necessário voltar ao DB Digitale e ao Dream Watch 1 para compreender a fonte de inspiração do DB28», mas nós acrescentamos que não é preciso voltar a lado nenhum para perceber que os três novos modelos são assumidamente De Bethune.

DB28XP

De_Bethune_DB28XP
DB28XP  © De Bethune

O novo DB28XP vem abrir os primeiros passos da marca no mundo dos relógios ultrafinos, num relógio que combina o lado estético tão característico da De Bethune com a complexidade associada à criação de um instrumento do tempo de reduzida espessura. Com um design purista, mas ao mesmo tempo futurista, o novo DB28XP apresenta uma caixa em titânio numa arquitetura de fusão de espaço, tempo e luz. Em causa está assim uma relação de diferentes formas — hemisférica, côncava, esférica — com acabamentos acetinados e polidos, numa interessante mistura difícil de encontrar em modelos ultrafinos. A verdade é que a reduzida espessura deste relógio de pulso é realçada precisamente por este jogo de formas e na relação de espaço entre elas, ao mesmo tempo que o mostrador oferece uma original abordagem da arte do guilhoché. Falamos assim de um relógio com caixa em titânio que junta o ontem, o hoje e o amanhã através das diferentes formas, das técnicas tradicionais, dos materiais utilizados e de um design fora de série, muito de inspiração espacial. No centro, encontra-se a inconfundível platina em forma de delta que oferece iluminação adicional ao todo o conjunto. Ao mesmo tempo o destaque vai para o tom monocromático que encontramos em toda a peça — um tom prata entrecortado apenas pelos apontamentos azuis dos ponteiros e pelos rubis.

DB28XP Starry Sky

DeBethune_DB28XP_Starry_Sky
DB28XP Starry Sky © De Bethune

O DB28XP Starry Sky é outra das novidades que vem celebrar os 10 anos do DB28. Neste caso, o relógio inspira-se no DB28 Skybridge, que apresentava o céu noturno no mostrador, mas vai ainda mais longe ao ser apresentado com um firmamento azul Microlight, numa estreia para a marca. O resultado é um jogo de cores e texturas hipnotizante, principalmente se tivermos em conta o modo como o céu estrelado sobressai da caixa em titânio polido espelhado. Clássico por inspiração, graças à sua forma redonda e ultrafina e à sua coroa às 12 horas, o DB28 Starry Sky supreende ainda pelo facto de o firmamento que podemos ver no mostrador não ser fruto do acaso. Na verdade, é possível selecionar a hora, a data e a localização pretendidas e a De Bethune replica esse mesmo mapa celeste no mostrador. Na periferia encontra-se a indicação das horas e dos minutos em numerais arábicos, bem como a discreta assinatura da marca às 12 horas. Os ponteiros em ouro rosa foram especificamente desenhados para dar vida e contraste suplementar a esta edição específica.

DB28XP Tourbillon

DeBethune_DB28XPTourbillon
DB28XP Tourbillon © De Bethune

Uma receita vencedora num relógio que reflete tão bem o modo como técnicas de outros tempos e inovações de sempre podem ser reinventadas com um toque surpreendente. Neste caso, falamos do modo como o turbilhão é integrado na perfeição nas linhas espaciais do DB28. Segundo a marca, o novo DB28XP Tourbillon é inspirado no mostrador do DB28 Digitale, oferecendo a indicação das horas, dos minutos e ainda dos segundos através do turbilhão de 30 segundos (duas voltas por minuto). Estamos assim perante um elegante mostrador branco prateado minimalista, com reflexos que derivam da decoração guilhoché trabalhada à mão. Ao mesmo tempo, o círculo azul das horas na periferia surge como uma moldura que enaltece ainda mais o minimalismo e o próprio turbilhão, o grande protagonista do mostrador. Lembramos que o turbilhão foi um dispositivo inventado para compensar os efeitos da gravidade na precisão do relógio. Hoje tem-se questionado a sua função, surgindo antes como forma de demonstração da perícia técnica das marcas. Mas para a De Bethune, os seus relógios não são apenas exercícios de design ou de demonstração de habilidades técnicas. Há também uma funcionalidade por trás. Com uma elevada frequência de 36.000 alt/h, o turbilhão está localizado às 6 horas e distingue-se pelos 0,18 gramas de leveza da gaiola composta por 63 componentes e que dá uma volta sobre si mesma e cada 30 segundos. A leveza tem aqui uma explicação. A marca justifica que se trata de um turbilhão concebido para as atuais dinâmicas dos relógios de pulkso: para compensar a violência dos movimentos do braço, a gaiola do turbilhão deve ser  mais leve possível, operar com o máximo de frequência e velocidade de rotação e o mínimo de peso e inércia». Por fim, um apontamento espetacular: o fundo do relógio é decorado com a posição dos planetas no céu na noite genebrina em que o DB28 foi galardoado com o Grand Prix d’Horlogerie de Genève, em 2011.

Visite o site oficial da De Bethune para mais informações.

Outras leituras