fbpx

A. Lange & Söhne: uma nova tríade de respeito

Após o hat-trick de abril, a manufatura A. Lange & Söhne voltou a selecionar um trio para celebrar o período estival; do triunvirato, destaca-se naturalmente a sétima edição limitada com a chancela artística Handverkskunst — até porque o Cabaret Tourbillon Handverkskunst marca o retorno do emblemático modelo retangular Cabaret após um hiato de dez anos.

Depois dos naturais lançamentos de abril na feira Watches and Wonders tornada plataforma digital em virtude da pandemia, a Lange & Söhne apresentou agora em julho a sua segunda ‘remessa’ de novidades referentes ao ano em curso — e se a primeira leva tinha somente três referências (o Lange 1 Perpetual, o Triple Split e o Little Lange 1 Moon Phase), a segunda manteve o mesmo diapasão com a apresentação de uma nova tríade: o Cabaret Tourbillon Handverkskunst, o Langematik Pertpetual e o Saxonia Thin.

Detalhe do mostrador do A. Lange & Söhne Saxonia Thin
Detalhe do mostrador do Saxonia Thin | © A. Lange & Söhne

Do triunvirato, destaca-se claramente o Cabaret Tourbillon Handverkskunst por duas fortíssimas razões. A primeira tem a ver com a designação ‘Handverkskunst’, a chancela que a manufatura germânica coloca nos seus modelos em tiragem limitada que celebram o mais alto artesanato; a primeira edição Handwerkskunst surgiu em 2011 — o Richard Lange Tourbillon ‘Pour le Mérite’ Handwerkskunst em ouro tom de mel. Seguiram-se-lhe o Zeitwerk Handwerkskunst (2012) em platina, o Lange 1 Perpetual Calendar Handwerkskunst em platina (2013), o Lange 1 Tourbillon Handwerkskunst em platina (2014), o 1815 Tourbillon Handwerkskunst em ouro rosa (2015) e o 1815 Rattrapante Perpetual Calendar Handwerkskunst em ouro branco (2017). A segunda razão prende-se com o regresso do formato retangular Cabaret, retirado do catálogo da A. Lange & Söhne há sensivelmente uma década.

A. Lange & Söhne Cabaret Tourbillon Handverkskunst
Cabaret Tourbillon Handverkskunst | © A. Lange & Söhne

Cabaret Tourbillon Handverkskunst

O Cabaret Tourbillon Handverkskunst em platina é assim a sétima edição limitada Handverkskunst e recupera para a ribalta a geometria do Cabaret, estreado em 1998 e que em 2008 teve precisamente uma variante com turbilhão denominada Cabaret Tourbillon — então o primeiro relógio da marca dotado do sistema zero-reset. Pessoalmente, há muito que tenho feito lobby pelo regresso do Cabaret ao catálogo da A. Lange & Söhne; mesmo que o formato tradicional redondo se adeque particularmente ao espírito da manufatura germânica, há muito de saxónico e de Dresden no estilo do Cabaret. A começar pelas linhas retas da caixa e a acabar com a data sobredimensionada, que remete imediatamente para um dos ex-libris da capital da Saxónia.

A. Lange & Söhne Cabaret Tourbillon Handverkskunst
Cabaret Tourbillon Handverkskunst | © A. Lange & Söhne

Inicialmente construída em 1814 por Gottfried Semper e palco de estreia de algumas das mais famosas obras de todos os tempos, a Ópera de Semper teve de ser reconstruída várias vezes na sequência de incêndios até ser completamente arrasada pelas bombas que devastaram a cidade no fim da Segunda Guerra Mundial. Foi reinaugurada precisamente 40 anos depois, em 1985, com a mesma ópera que tinha em cartaz antes da destruição: ‘Der Freischütz’, de Carl Maria von Weber. E com o relógio de 5 minutos concebido por Johan Christian Friedrich Gutkaes e Ferdinand Adolph Lange em destaque, lá em cima do palco.

Relógio dos 5 minutos na Ópera de Semper
Relógio de 5 minutos na Ópera de Semper | © A. Lange & Söhne

A reunificação da Alemanha e a Ópera de Semper fazem parte do imaginário contemporâneo da A. Lange & Söhne. A queda do Muro de Berlim permitiu o regresso a casa de Walter Lange, trineto de Ferdinand Adolph Lange, para fazer renascer a manufatura relojoeira dos seus antecessores que também fora bombardeada nos dias finais da guerra e cujos recursos técnicos e humanos foram recrutados para uma cooperativa (a Glashütte Uhren Betrieb, ou GUB) que passou a fazer relógios baratos para o povo que mais não eram do que… Trabants para o pulso. O relógio da Ópera de Semper, construído para que os espetadores não se distraíssem ou fizessem barulho ao consultar os seus relógios de bolso (muitos deles com complicações acústicas) e assente em duas janelas (uma para as horas, outra para 5 minutos), inspirou diretamente a data sobredimensionada que em 1994 surgiu no mais emblemático relógio Lange & Söhne da nova era (o Lange 1).

A. Lange & Söhne Cabaret Tourbillon Handverkskunst
Cabaret Tourbillon Handverkskunst | © A. Lange & Söhne

Foi precisamente na Ópera de Semper que a A. Lange & Söhne apresentou o seu modelo Handwerkskunst de 2015, como parte das festividades do 200º aniversário de Ferdinand Adolph Lange. Meia dúzia de anos depois, o novo Cabaret Tourbillon Handverkskunst revela-se mais uma obra-prima que junta o virtuosismo artístico à genialidade mecânica. O padrão losango esculpido à mão em esmalte translúcido no centro do mostrador em ouro é simplesmente hipnotizante e o fascínio é reforçado pelo efeito tridimensional; inspira-se nos losangos em ouro de seis dos marcadores das horas no mostrador. E faz-se acompanhar de uma fina linha de acabamento tremblage que separa os diversos sectores do mostrador e que também está presente no caixilho da janela para a data sobredimensionada. Os submostradores (pequenos segundos, reserva de carga de 120 horas) são em ouro rodinado e a ponte do turbilhão tem um acabamento espelhado negro.

A. Lange & Söhne Cabaret Tourbillon Handverkskunst
Cabaret Tourbillon Handverkskunst | © A. Lange & Söhne

O Cabaret Tourbillon de 2008 apresentou o primeiro turbilhão de sempre com zero-reset, parando os segundos ao travar o balanço dentro da gaiola do turbilhão aquando do ajuste da hora — retomando a marcha ao empurrar-se a coroa para a sua posição normal. Obviamente que o Cabaret Tourbillon Handverkskunst inclui essa valência no Calibre L042.1 de corda manual com 370 componentes, para além de tudo o resto e da própria decoração Handverkskunst que complementa o já de si rico acabamento decorativo típico de Glashütte.

Espera-se que seja o mote para o regresso do Cabaret ‘normal’ (horas, minutos, segundos, data sobredimensionada) à coleção regular, preferencialmente com as proporções mais afinadas com uma largura um pouco maior comparativamente com a altura da caixa. O Cabaret nasceu em 1998 com o intuito de revelar a mestria da marca germânica na confecção de calibres de forma, numa altura em que a esmagadora maioria dos relógios retangulares ou quadrados eram alimentados por movimentos redondos com enchimento nos cantos. Mas, uma dúzia de anos depois, o então CEO Fabien Kröne decidiu por termo à produção pelo facto de não se vender tão bem e porque o formato retangular está muito (demasiadamente?) associado a duas outras marcas do grupo Richemont, a Jaeger-LeCoultre (com o incontornável Reverso) e a Cartier (com os seus múltiplos Tank).

A. Lange & Söhne Cabaret Tourbillon Handverkskunst
Cabaret Tourbillon Handverkskunst | © A. Lange & Söhne

Pessoalmente, e tenho-o afirmado repetidamente ao atual CEO Wilhelm Schmid, sempre achei que haveria lugar no catálogo da A. Lange & Söhne para algo de tão diferente e especial como o Cabaret, mesmo que não fosse eventualmente tão bem sucedido como outras linhas da coleção — até por ser um relógio cheio de caráter que vai claramente contra a tirania do redondo que tem dominado a relojoaria ao longo da última dúzia de anos. E também, claro, porque… «life is a cabaret, old chum» — como cantava Liza Minelli.

Langematik Perpetual

Obviamente que o Cabaret Tourbillon Handverkskunst assume claro protagonismo, mas o novo Langematik Perpetual também merece destaque — até porque se trata de uma edição comemorativa do seu 20º aniversário. Em 2001 foi o primeiro relógio com calendário perpétuo dotado de uma data sobredimensionada e apresentava não só um botão que permitia o avanço simultâneo de todas as indicações do calendário como também a função zero-reset.

Detalhe do mostrador e da janela da grande data do A. Lange & Söhne  Langematik Perpetual
Langematik Perpetual | © A. Lange & Söhne

No Langematik Perpetual, os relojoeiros da A. Lange & Söhne conseguiram simplificar uma das complicações mais respeitadas pelos aficionados. Para além do tal astucioso sistema zero-reset (que coloca automaticamente o ponteiro dos segundos nas 12 horas, permitindo o acerto do relógio ao segundo), foi o primeiro a apresentar corretores individuais para cada função do calendário, concentrando também num só botão principal a regulação simultânea de todas as indicações do calendário: as 24 horas, a data, o dia da semana, o mês, o ano e as fases da lua! O Langematik Perpetual reflete bem a clareza de princípios teutónica que falta em tantos outros calendários perpétuos do mercado, sendo de ressalvar o facto de as informações mais importantes — horas, minutos e data — serem imediatamente legíveis.

A. Lange & Söhne Langematik Perpetual com caixa em ouro branco
Langematik Perpetual com caixa em ouro branco | © A. Lange & Söhne

O novo Langematik Perpetual surge declinado em duas versões (caixa de 38,5mm ouro branco e ouro rosa) dotadas de um mostrador azul intenso em prata maciça e o botão corretor do calendário surge agora embutido na caixa, deixando de ser visível de frente.

A. Lange & Söhne Langematik Perpetual com caixa em ouro rosa
Langematik Perpetual com caixa em ouro rosa | © A. Lange & Söhne

Saxonia Thin

O Saxonia Thin foi lançado há precisamente dez anos para enriquecer a família Saxonia com uma versão que perpetuasse as caraterísticas tradicionais da sua linhagem através de formas suaves e elegância redobrada. Simultaneamente, tornou-se no relógio mais delgado jamais realizado pela manufatura de Glashütte — que nunca quis entrar na corrida pelos relógios ultrafinos por achar que fino demais é… demasiado fino, afetando as proporções globais da peça na relação entre a espessura e o diâmetro.

A. Lange & Söhne Saxonia Thin
Saxonia Thin | © A. Lange & Söhne

Em 2016, o requintado modelo de dois ponteiros foi atualizado com um mostrador subtilmente trabalhado para melhor refletir a estética corrente da linha Saxonia; os índices das horas em formato bastão feitos de ouro maciço foram ligeiramente aumentados e colocados mais perto da luneta. A alteração fez com que o mostrador de tom prateado e concebido a partir de uma placa de prata maciça ganhasse então maior proeminência. O mostrador do novo Saxonia Thin em ouro rosa transporta o modelo para um patamar celestial graças ao fundo azul escuro estrelado.

A. Lange & Söhne Saxonia Thin
Saxonia Thin | © A. Lange & Söhne

A partir de uma base em prata maciça, o mostrador recebe uma camada de ouro azul com partículas em tom cobre que fornecem um aspeto espetacular, evocando a abóbada celestial noturna. A técnica de criação do fluxo de partículas que parecem estrelas é complexa e remonta à Veneza do século XVII. Tudo enquadrado numa caixa com 40mm de diâmetro por 6,2mm de espessura. Lá está: delgada mas não excessivamente.

Movimento do A. Lange & Söhne Saxonia Thin
Movimento manual L093.1 do Saxonia Thin | © A. Lange & Söhne

O Saxonia Thin é motorizado pelo calibre de corda manual L093.1, com escassos 2,9 milímetros de espessura; ostenta 72 horas de reserva de marcha e inclui os acabamentos típicos da Lange em todas as peças que o compõem. Os tradicionais marcos distintivos de qualidade da manufatura contemplam uma platina de três quartos em alpaca decorada com estrias de Glashütte, rodas com polimento radial, três chatôns de ouro aparafusados e o galo de balanço gravado à mão.

Muito possivelmente a A. Lange & Söhne não se vai ficar por aqui. É esperar pelo terceiro trimestre para ver o que acontece… mais um triunvirato de modelos para compor as novidades de 2021 não seria nada mau!

Visite o site oficial da A. Lange & Söhne para mais informações.

Outras leituras