fbpx
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Relógios históricos Vacheron Constantin em exposição sobre o tempo

A Vacheron Constantin associou-se ao Institute for Digital Archaeology para apresentar The Heartbeat of the City: 500 Years of Personal Time, uma exposição sobre o tempo e a sua medição que irá contar também com uma seleção de 12 instrumentos do tempo históricos da marca suíça. Apresentada inicialmente no Museu de História da Ciência de Oxford, entre 26 de outubro e 14 de dezembro de 2020, a mostra viajará depois pelo mundo inteiro. 

O Museu de História da Ciência de Oxford (Reino Unido) irá acolher, entre os dias 26 de outubro e 14 de dezembro de 2020, uma exposição dedicada ao tempo e à sua medição. Promovida pelo Institute for Digital Archaeology (IDA) a exposição intitula-se The Heartbeat of the City: 500 Years of Personal Time e vem celebrar os 1000 anos de relojoaria mecânica e os 500 anos de relojoaria suíça. Para o evento, a Vacheron Constantin disponibilizou uma seleção de 12 peças históricas da sua coleção privada, entre as quais se encontra um dos primeiros relógios sonnerie da marca — um repetidor de quartos datado de 1816 — e um relógio de forma, destinado a pessoas com deficiência visual, concebido em 1964.

«A história da medição do tempo tem sido marcada por invenções e descobertas que a transformam numa das mais incríveis aventuras humanas», refere em comunicado Louis Ferla, CEO da Vacheron Constantin. «A nossa Casa e os seus 265 anos de história têm participado em pleno nesta aventura graças ao engenho dos nossos antepassados relojoeiros, cuja excelência é a nossa melhor motivação para continuarmos a superar-nos.» Já Roger Michel, fundador do IDA, explica: «Sem métodos para medir e acompanhar o tempo, perdemos a capacidade de apreciar a sua passagem. Por outras palavras, se não o medirmos, o tempo perde todo o seu sentido. Portanto, um relógio ou calendário não é apenas um instrumento para medir o tempo, é uma expressão da conceção humana do tempo.»

Com a exposição, o IDA propõe-se assim explorar a ligação intrínseca entre a noção de tempo e o engenho para o medir utilizado ao longo das sucessivas épocas. Para isso, apresenta uma série de artefactos, muitos dos quais são testemunhas de eventos que marcaram determinada época. Entre os objetos apresentados na retrospetiva dos relógios históricos, destaque também para uma escultura cinética monumental que representa o escape de âncora, referido como um dos dispositivos mecânicos mais engenhosos alguma vez produzidos.

O programa associado inclui ainda um ciclo de conferências, bem como experiências de realidade virtual, de acordo com a vocação do IDA de potenciar as tecnologias digitais ao serviço da história.

Inicialmente patente no Museu de História da Ciência de Oxford, a exposição irá mais tarde viajar pelo mundo, com primeira paragem em Nova Iorque, prevista para a primavera de 2021.

A Vacheron Constantin disponibilizou já uma série de imagens de alguns dos relógios cedidos para a exposição. Aqui estão eles, com legendas adaptadas a partir de informações cedidas pela marca:

Relógio de bolso em ouro rosa, repetição musical dos quartos, mostrador em ouro guilloché – 1816  © Vacheron Constantin |  Este relógio de bolso, equipado com um mecanismo de repetição musical de quartos, tem a assinatura da Vacheron Chossat & Cie, com referência a Charles-François Chossat, um comerciante de aço genebrino que foi sócio de Jacques-Barthélemy Vacheron durante vários anos, antes da sua aliança com François Constantin, em 1819. Fabricado por meio de um refinado trabalho manual, tem a caixa e o mostrador em ouro rosa, sendo este último gravado com um motivo guilloché com cartelas esmaltadas para as horas.
Relógio com bracelete de corrente em forma de pomander em prata e ouro vermelho – 1885 |
Este relógio com bracelete de corrente da Vacheron Constantin, concebido para a Boucheron, ilustra a criatividade que envolve a criação de peças femininas numa época em que os relógios de senhora eram considerados como peças de joalharia e acessórios, em oposição à natureza rigorosa dos relógios de bolso masculinos. Em forma de pomander – um pequeno frasco de perfume – e decorado com um mecanismo relojoeiro, este modelo em prata delicadamente gravado com incrustações em ouro, apresenta um mostrador com movimento esqueletizado e um fecho recortado decorado com um monograma. © Vacheron Constantin
Relógio de tipo sabonete oeil-de-boeuf em ouro amarelo, cronógrafo com repetidor de minutos, mostrador esmaltado com contadores de 30 minutos e pequeno ponteiro dos segundos – 1900 | O príncipe Napoleão (1864-1932), neto de Jérôme Bonaparte, encomendou este relógio de bolso oeil-de-boeuf, assim denominado devido à abertura redonda na tampa protetora com dobradiça, que permitia ler as indicações do tempo. Trata-se de um cronómetro monopulsador com repetidor de minutos com uma coroa situada às 3 horas, para facilitar o manuseamento das funções do cronógrafo. © Vacheron Constantin
Relógio aviador em aço, mostrador esmaltado – 1903 | A história dos relógios de pulso refere com frequência os relógios dos pioneiros da aviação, como a resposta para a sua necessidade de disporem de indicações do tempo especialmente salientes. A Vacheron Constantin desempenhou um papel importante nesta evolução, especialmente com este modelo de relógio de pulso em aço, equipado com uma longa correia de couro para ser atado à perna. Com mostrador esmaltado branco, tem pequenos segundos, asas laterais e coroa às 12 horas, para garantir uma boa legibilidade. © Vacheron Constantin
Relógio de bolso em ouro amarelo, fundo da caixa esmaltado cloisonné estilo Art Nouveau, mostrador prateado – 1905 | Na Exposição Internacional de Milão, em 1906, a Vacheron Constantin apresentou uma coleção de relógios de grande elegância que foi condecorada com o Grande Prémio do Júri. A coleção incluía este relógio de bolso em ouro amarelo. O fundo da caixa é decorado com um motivo de cardo estilo Art Nouveau, em esmalte cloisonné, enquanto o mostrador prateado em dois tons apresenta um motivo guilloché no centro, trabalhado à mão. Um relógio que ilustra na perfeição as peças de artesanato concebidas pela Vacheron Constantin naquela época. © Vacheron Constantin
À esquerda: Relógio de bolso com hora universal, mostrador prateado com indicação de dia/noite e 24 horas – 1949 | Este relógio de bolso em ouro é um exemplo da integração do sistema World Time de Louis Cottier num relógio de bolso. Tem um mostrador prateado, equipado com um disco externo giratório em dois tons para a indicação de 24 horas e o disco das cidades com 41 localizações. Esta complicação avançava, na época, ao compasso do desenvolvimento dos meios de transporte e das comunicações|  À direita: Relógio de pulso retangular de persiana em ouro amarelo – 1929 | A história da Vacheron Constantin é marcada por várias colaborações. Entre elas, destaca-se a Verger Frères, uma joalharia parisiense fundada em 1872, com a qual a Casa manteve uma relação muito próxima durante várias décadas. Este relógio, em ouro amarelo, é protegido por lâminas estreitas que se abrem como uma persiana veneziana. Um sistema de segurança situado às 6 horas em ponto permite ativar as persianas e expor deste modo o mostrador com um fino acabamento desbastado com numerais arábicos dourados aplicados. © Vacheron Constantin
Relógio de pulso ultra-plano para homem em ouro amarelo com repetição de minutos e mostrador prateado – 1943 |  Durante mais de dois séculos, os complexos mecanismos acústicos ocuparam um lugar de honra na Vacheron Constantin, cujos arquivos mencionam pela primeira vez, em 1806, um relógio com sonnerie. Estas obras-primas da miniaturização acabaram por representar um desafio no advento do relógio de pulso. Já este modelo em ouro amarelo com repetição de minutos é o seu máximo expoente. Depurado, distingue-se pela extrema espessura, realçada por duas asas em forma de gota. © Vacheron Constantin
À esquerda: Relógio de pulso quadrado em ouro rosa para pessoas com deficiência visual, com mostrador chapado a ouro – 1964 | Apesar de ter sido produzida na segunda metade do século XX, ilustra a variedade de campos de expressão explorados pela Vacheron Constantin ao longo dos seus 265 anos de história. Com este relógio quadrado em ouro rosa, cujo mostrador apresenta indexes horários em relevo, a Casa desenvolveu um modelo de relógio concebido especificamente para pessoas com deficiência visual. Um pulsador na carrure da caixa permite libertar o bisel e o vidro, que giram sobre uma dobradiça, para libertar o mostrador e permitir uma leitura tátil das indicações horárias | À direita: Relógios de pulso “Mercator” bi-retrógrados em platina, mostrador com esmaltagem champlevé – 2001 | A esmaltagem, uma forma artística de longa tradição em Genebra, foi sempre a especialidade da Vacheron Constantin e associada a famosos modelos como este relógio em platina dedicado a Mercator (1512-1594). Este ilustre matemático e geógrafo flamengo foi o primeiro a conceber projeções geográficas em planos. Para homenagear o cartógrafo, o mostrador do relógio reproduz em esmalte champlevé o mapa da Europa, a partir dos seus próprios desenhos, com duas bússolas em forma de ponteiro para a indicação retrógrada dos minutos e das horas.
Relógio de bolso em ouro amarelo, fundo da caixa decorado com uma pintura esmaltada em miniatura representando O Fumador de Adriaen Brouwer – 1964 | A arte da pintura esmaltada em miniatura fez com que Genebra se tornasse internacionalmente famosa, desde o século XVII até aos dias de hoje. Esta tradição perpetuou-se ao longo dos séculos até hoje, em especial com Carlo Poluzzi (1899-1778), miniaturista e pintor de esmalte, cuja obra foi muito apreciada pelas manufaturas relojoeiras. Podemos admirar uma das suas magníficas criações no fundo da caixa deste relógio de bolso em ouro amarelo, que reproduz “O Fumador”, uma obra pintada em 1637 pelo artista flamengo Adriaen Brouwer.
Relógio de pulso Platinum Traditionnelle Calibre 2755 com turbilhão, repetição de minutos e calendário perpétuo, mostrador cinzento ardósia – 2010 | Com caixa de 44mm, este combina três grandes complicações da alta-relojoaria: turbilhão, calendário perpétuo e repetição de minutos com um regulador de sonnerie centrípeto para garantir o desenvolvimento de sequências musicais de forma regular e sem interferências. Concebido e desenvolvido no seio da Manufatura, o Calibre 2755 e as suas 602 peças foram trabalhados durante três anos. © Vacheron Constantin

Visite o site oficial da Vacheron Constantin pra mais informações.

Outras leituras