fbpx
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

TAG Heuer Aquaracer x Bamford: o mais Racer dos Aquas

A TAG Heuer lançou há uns meses o resultado de mais uma colaboração com a Bamford Watch Department. Depois do TAG Heuer Monaco devidamente customizado, nasceu agora o Aquaracer x Bamford, um relógio em titânio que se distingue pelos acabamentos, tons antracite e detalhes em laranja. Aqui ficam as minhas impressões fotográficas sobre o novo Aquaracer x Bamford.

A Bamford Watch Department, sediada em Londres, é uma companhia assente no conceito de George Bamford sobre customização de relógios e que entretanto alargou a sua atividade à comercialização de acessórios e até de uma marca própria de relógios. No que diz respeito à personalização, se começou por ser um atelier de nicho dedicado a clientes que queriam ter uma peça única, rapidamente o seu trabalho se expandiu sob a forma de parcerias oficiais com algumas marcas do grupo LVMH — começando pela TAG Heuer, ainda durante a gestão de Jean- Claude Biver, e passando depois à Zenith e à Bulgari.

George Bamford a apresentar o novo TAG Heuer Aquaracer x Bamford © Tag Heuer
George Bamford, fundador da Bamford Watch Department, na apresentação do novo TAG Heuer Aquaracer x Bamford © TAG Heuer

E foi ainda antes de acabar o ano de 2020 que a TAG Heuer e a Bamford Watch Department apresentaram o resultado da sua segunda aventura conjunta. Desta vez, a linha Aquaracer foi a escolhida, depois de um Monaco personalizado que acabou por ser muito bem recebido pelo público.

Tendo em conta a óbvia relação da linha Aquaracer ao mundo do mar, é curioso notar que a customização levada a cabo pela Bamford para o TAG Heuer Aquaracer x Bamford acaba por se revelar mais racing do que marítima. Mas a verdade é que resulta. Se na forma é claramente reconhecível o design Aquaracer, já o cromatismo adotado — com elementos em laranja e preto — remete para outros ambientes.

Esta edição limitada a 1500 exemplares é, por isso, na minha opinião, um dos mais Racer de todos os Aqua.

George Bamford a apresentar o novo TAG Heuer Aquaracer x Bamford © Tag Heuer
George Bamford a apresentar o novo TAG Heuer Aquaracer x Bamford © TAG Heuer

A linha Aquaracer

A designação Aquaracer surgiu pela primeira vez em 1982, ligada à linha 2000 lançada por Jack Heuer, com o modelo designado por 2000 Aquaracer. Em 2005 recebeu em definitivo a designação Aquaracer.

Olhando um pouco para os últimos 16 anos, altura em que me tornei mais atento à relojoaria, sinto que a linha Aquaracer tem sido um pouco o ‘cantinho das brincadeiras’ da TAG Heuer. A variedade de modelos lançados sob a designação Aquaracer é avassaladora, assim como os diferentes calibres de base com que a marca os equipou. Mecânicos, de quartzo, o célebre Calibre S ou o Valjoux 7750 adaptado e designado pela TAG Heuer como Calibre 16, nas variantes cronógrafo.

O relógio TAG Heuer Aquaracer x Bamford deitado sobre discos de metal.
O novo TAG Heuer Aquaracer x Bamford surpreende muito pelo visual global graças à caixa e bracelete em titânio pontuadas por pormenores em laranja. © Paulo Pires / Espiral do Tempo


Já tiveram data às 3, às 9, 12, às 6 e às 4h30, com e sem lupa. Os mostradores já apresentaram todo o tipo de acabamentos, já foram analógicos, digitais e um misto dos dois. Em relação aos códigos cromáticos, o azul e o negro dominam a coleção Aquaracer desde o início variando, no entanto, em pequenos pormenores amarelos, verde lima, vermelhos, caqui ou cor de laranja.

Não quero com tudo isto minorar a linha Aquaracer, muito pelo contrário! A luneta e as proteções laterais da coroa são, para mim, os dois detalhes de design que dão imensa força à linha Aquaracer, seja qual for a opção cromática, mecânica ou quartzo e posicionamento da data. Quando elementos de design tão marcantes funcionam como alicerces sólidos para qualquer divagação estética, esse é um design de sucesso. A linha Aquaracer é um bom exemplo. E o novo TAG Heuer Aquaracer x Bamford traduz na perfeição toda a identidade estética da linha Aquaracer, garantindo no entanto um lugar ao sol enquanto relógio de grande originalidade no seio da família. Por um lado, por evocar um lado mais racing pelos tons cromáticos, e, por outro lado, por se apresentar como um relógio repleto de detalhes que saltam à vista a partir do momento em que é fotografado e usado também.

O TAG Heuer Aquaracer x Bamford

A primeira coisa que se sente é o peso! Ou a ausência dele. Habituado a manusear os tradicionais Aquaracer em aço, esta variante é um clássico caso em que o cérebro antecipa uma sensação e experimenta outra. Feito em titânio a diferença é por isso abismal. Quando tenho de fotografar um relógio, começo sempre pelos pequenos ajustes da data, horas, minutos e segundos.

Os devidos acertos das indicações para fotografar o relógio. © Paulo Pires / Espiral do Tempo

Gosto que este processo seja fácil, gosto de coroas de rosca e gosto que os saltos para acertar a data e as horas sejam simples de encontrar sem ser preciso o jogo do puxa e empurra. O Aquaracer x Bamford é, nesse aspeto, um tool watch para ser manuseado sem receios.

Depois deste passo, comecei então a fotografar.

Texturas

Na imagem que se segue a ideia era captar uma vista geral do relógio, realçando o acabamento sand blasted, de textura arenosa ou sablé da caixa e bracelete, e a decoração circular do mostrador. Mais uma vez, no trabalho que faço, menos luz é melhor luz. Uma pequena soft box estava colocada à esquerda do relógio, mas virada para o lado oposto, para uma parede branca. A luz refletida pela parede foi depois dirigida através de um refletor branco para o relógio. É curioso o efeito do acabamento sablé do relógio nas altas luzes, com aqueles pequenos picos de luz e mais suave e discreto nas zonas de penumbra.

O comportamento do acabamento sablé sob a luz. © Paulo Pires / Espiral do Tempo

A dada altura e devido à colocação da luz fiquei com a ideia de que o acabamento sablé do Aquaracer x Bamford seria mais intenso na luneta e menos intenso no resto do relógio. Tentei arranjar uma muralha de elementos refletores brancos que não uniformizassem o relógio em demasia e que não eliminassem a textura. O objetivo era captar a uniformidade do acabamento que, diga-se de passagem, é muitíssimo bom.

O visual antracite ganha ainda mais força graças à textura dos acabamentos. © Paulo Pires / Espiral do Tempo

Os números e marcações na luneta são ligeiramente vazados e o preenchimento, neste caso a preto, é depois aplicado. No entanto, toda a luneta é repleta de áreas vazadas, num jogo discreto, mas muito elegante. A coroa é grande e canelada o suficiente para poder ser manuseada sem esforço. Toda a peça, aliás, é muito tátil, apetece tocar.

O fundo da caixa apresenta a referência ao número de edição limitada e um capacete de escafandro no centro. © Paulo Pires / Espiral do Tempo

Pormenores em laranja

O mostrador preto é realçado com ponteiros lacados a laranja e que, tal como os indexes, são realçados em ambiente escurecido por revestimento luminescente Super-LumiNova. Os tracejados que circundam o mostrador, bem como a extremidade com riscas do ponteiro dos segundos, são mais alguns dos elementos que contribuem para a identidade própria deste relógio. Tentei captar estes pequenos pormenores, assim como o efeito circular do mostrador preto. O triângulo laranja na luneta é uma espécie de ‘cereja no topo do bolo’, num jogo de cores e materiais que tem tudo para não passar despercebido.

O triângulo cor de laranja da luneta rotativa unidirecional destaca-se da caixa e surge como complemento perfeito para os elementos cor de laranja do mostrador. © Paulo Pires / Espiral do Tempo

Luminescência

No TAG Heuer Aquaracer x Bamford, a luminescência é muito intensa. Os indexes e os ponteiros ficam muito bem definidos, sem ‘vazamentos’. Captar a luminescência é das fotografias que mais gozo me dá sempre fazer e resulta de um truque óbvio. Tira-se uma foto a gosto e reserva-se. Depois, junta-se um flash, acrescenta-se uma dúzia de disparos de flash diretamente no mostrador e fotografa-se com as mesmas definições da primeira imagem. Assim, ficamos assim com duas fotos que salientam na perfeição a força da luminescência no mostrador.

A luminescência é um dos pontos a destacar, principalmente neste que é um relógio com ligação ao mundo da água. © Paulo Pires / Espiral do Tempo

Aquaracer x Bamford: resumindo

Fotografar o novo Aquaracer x Bamford acabou por ser uma experiência com algumas surpresas. Na verdade, este não é um daqueles que relógios que acabam por ser mais bonitos nas fotografias do que ao vivo. Muito pelo contrário. Neste caso, as imagens salientam as texturas, os pormenores e poderão aguçar o apetite para o visual global, mas não fazem jus à experiência de o ter em mãos. Ao vivo, o TAG Heuer Aquaracer x Bamford não desilude e cativa de imediato. É um relógio de linhas atuais, versátil, confortável, de espírito urbano, mas desportivo também, que apela certamente a um público que gosta de usar num pulso um relógio bem rico em personalidade e com algumas histórias para contar.

Visite o site oficial da TAG Heuer para mais informações.

Outras leituras