fbpx

O rotor: pleno de energia

A energia requerida por um movimento provém dos dedos ou do braço. A corda de tipo manual é aborrecida, mas mais simples. Na versão automática, estimula a inventividade dos relojoeiros e torna-se uma complicação por si só.

— 

Por David Chokron

Texto originalmente publicado no número 65 da edição impressa da Espiral do Tempo (inverno 2018)

MASSA DE TRANSLAÇÃO MONACO V4 DA TAG HEUER | Um exemplo raro de massa de translação: em vez de girar, a massa vai e vem num trilho.
MASSA DE TRANSLAÇÃO MONACO V4 DA TAG HEUER | Um exemplo raro de massa de translação: em vez de girar, a massa vai e vem num trilho.

A forma como um relógio mecânico recebe a energia define a sua identidade. A sua remontagem ou é manual ou automática. De um lado, os relógios que têm de receber corda à mão, girando a coroa. Quando esse gesto se concretiza, o relógio começa a funcionar. De outro lado, os relógios autónomos, já que são os movimentos do pulso que ativam os sistemas de corda automática. Em qualquer caso, quase todos os relógios automáticos são igualmente manuais. A primeira categoria é tecnicamente simples: a coroa faz girar uma série de rodagens, que culminam no tambor, o reservatório de energia do relógio, no qual se encontra uma mola. Ao ser enrolada, a mola armazena a força e, à medida que se vai desenrolando, permite que o movimento funcione. Os sistemas automáticos são acionados por massas livres, cujo deslocamento substitui a rotação da coroa. Estas inclinam-se para o mesmo lado que o pulso. Quando se move, a massa provoca o movimento de uma série de rodas que culminam, também elas, no tambor. Mas há mais do que uma maneira de fazer isso, consoante a sua forma, o seu tamanho e a sua localização.

MICRORROTOR BVLGARI | Os movimentos ultrafinos da Bvlgari são largos, o que deixa espaço para um microrrotor em platina. © Bvlgari
MICRORROTOR BVLGARI | Os movimentos ultrafinos da Bvlgari são largos, o que deixa espaço para um microrrotor em platina. © Bvlgari

Metade de discos

O primeiro tipo de sistema automático é, de longe, o mais difundido. Também designado de massa oscilante, este meio disco de metal é fixado por um eixo no centro e na parte de trás do movimento. Algumas marcas também utilizam rotores de três quartos, ligeiramente mais pequenos e que poupam na espessura do movimento, um efeito colateral que vai ao encontro das tendências atuais. É assim que se explica o crescente sucesso de uma solução nascida na década de 1960, o microrrotor que, apesar de não cobrir o calibre, dispõe de um volume dedicado no seu interior. De pequenas dimensões, é bastante alto e tem, há muito tempo, a reputação de dar mal a corda aos movimentos. Mas os progressos recentes em matéria de eficiência, e o sucesso dos movimentos finos, fazem com que tenha vindo a ganhar força. E, se for necessário aumentar o seu poder de remontagem, basta colocar dois ou até três num movimento. A perda de fineza é então compensada pelo apelo técnico de uma solução raríssima. O primeiro é unidirecional: a massa engrena apenas num sentido e gira no vácuo no outro. Esta solução é eficaz porque funciona de forma muito direta. Os sistemas bidirecionais, por sua vez, necessitam de inversores, que reorientam a força recebida pela massa na direção requerida pelo tambor. Estes mecanismos demoram a parar e não aproveitam o mínimo movimento da mão.

ROTOR ANELAR DO PIAGET ALTIPLANO | Uma metade do anel é pesada e a outra é leve, grande, fina, perfeitamente plana, um desafio para ser fabricada. © Piaget
ROTOR ANELAR DO PIAGET ALTIPLANO | Uma metade do anel é pesada e a outra é leve, grande, fina, perfeitamente plana, um desafio para ser fabricada. © Piaget

Força

Para ser eficaz, uma massa oscilante deve ser pesada. É assim que ela aproveita ao máximo os movimentos do pulso. A segunda solução é mais simples, mas afeta negativamente as dimensões do movimento. É por isso que as massas são densas, muitas vezes em tungsténio, a que as marcas chamam modestamente ‘metal pesado’. Os relógios mais nobres usam ouro maciço, mesmo de 22 ou 24 quilates, mais leve do que a liga padrão de 18 quilates, que contém menos ouro. Por outro lado, um rotor é mais eficaz quando tem um grande braço de alavanca. Quanto maior for, melhor funciona. Mas a alavanca pode ser aumentada artificialmente, pesando a parte exterior do rotor, a sua sarja e aliviando o resto. Daí a utilidade de segmentos de massa em ouro ou platina, que aumentam o rendimento. Outra constante é que as marcas têm interesse em esqueletizar os seus rotores, ou em marcá-los com ranhuras, porque só a borda é que necessita de ser pesada. Outro benefício oculto desses recortes é o facto de reduzirem a rigidez dos rotores, amortecendo os choques e protegendo o eixo central. O perigo que acompanha esse peso é a fricção. Um elemento pesado e em movimento cria atrito, o que consome energia. Os rotores são então montados em rolamentos de esferas. Às vezes, são feitos de aço, menos eficientes e mais pesados, mas silenciosos. As microbolas de cerâmica são mais leves, mais fortes e mais eficazes, mas criam um ruído de rolamento quando a massa gira, o que não é muito qualitativo.

ROTOR PERPETUAL ROLEX | As massas do inventor da corda automática moderna são abertas para diminuir a sua rigidez. © Rolex
ROTOR PERPETUAL ROLEX | As massas do inventor da corda automática moderna são abertas para diminuir a sua rigidez. © Rolex

Anéis

Neste mundo de rotores, existem duas exceções. A primeira é raríssima. Trata-se de uma massa de translação. Em vez de girar, ela vai e vem num trilho. A outra solução tem vindo a ser cada mais utilizada. Trata-se de rotores anelares. Em vez da metade de um disco, são anéis situados em torno do movimento — e não por cima —, que se ligam ao tambor através de rodas situadas na periferia dos calibres e não por um eixo central. Mas são de fabrico complexo porque são relativamente grandes, muito finos e assimétricos. Um anel cuja massa fosse perfeitamente repartida não giraria. É necessário uma parte mais leve e uma parte mais pesada, a que damos o nome de desequilíbrio. Mas o resultado não carece de vantagens. São belos, cónicos e não consomem mais do que um pouco de espessura. Podem ser anexados a movimentos existentes. E, sobretudo, não escondem o movimento. As marcas esforçam-se para o mostrar através de cenários de vidro de safira, para, em seguida, o mascarar com os discos. O rotor anelar não estraga o espetáculo e permite isso sem perder qualquer elegância.

MICRORROTOR CHOPARD | Em ouro de 22 kt maciço, espesso e de diâmetro pequeno, o microrrotor é uma solução popular para a Chopard. © Chopard
MICRORROTOR CHOPARD | Em ouro de 22 kt maciço, espesso e de diâmetro pequeno, o microrrotor é uma solução popular para a Chopard. © Chopard

Outras leituras