Zenith Defy: mergulho decisivo e vitaminado na Watches and Wonders

A Zenith não desvelou um numeroso lote de novidades na Watches and Wonders, mas apresentou novos modelos suficientemente importantes para complementar de maneira ideal o seu catálogo — sobretudo através de interessantes relógios de mergulho na linha Defy com muita vitamina C.

A Zenith tem um lugar perene na história da relojoaria mecânica de pulso graças ao seu recorde de prémios de precisão e sobretudo devido ao mais emblemático de todos os calibres cronográficos — o El Primero, que este ano cumpre o seu 55º aniversário. E entre as novidades apresentadas na recente edição da Watches and Wonders também pontificaram os novos Defy Skyline Chronograph (com mostradores prata, preto e azul) motorizados pelo Calibre El Primero 3600, uma adição inevitável à sua linha Defy Skyline de design integrado. Mas a aposta mais importante da manufatura de Le Locle foi num setor que tem estado ausente da coleção desde o final do século passado: os relógios de mergulho.

A Zenith voltou a investir nos relógios de mergulho | Foto: Zenith
Após mais de duas décadas, a Zenith voltou a investir nos relógios de mergulho | Foto: cortesia Zenith

E foi importante em duas vertentes, com o lançamento de um modelo Revival que é uma reedição muito fiel do primeiro modelo Defy de mergulho introduzido no fim da década de 60 e a estreia dos Defy Extreme Diver — que se juntam aos cronógrafos Defy Extreme como exemplo de relógios desportivos adequados às mais brutais atividades. E que são dignos sucessores dos primeiros Defy, que tinham a alcunha de ‘Coffre-Fort’ devido à robusta caixa octogonal com luneta de 14 facetas e notável estanqueidade para a época.

O pretérito e o presente: a reedição do Defy de mergulho original e a evolução contemporãnea Extreme Diver | Foto: cortesia Zenith

Defy Extreme Diver

O novo Defy Extreme Diver foi a principal novidade da Zenith na Watches and Wonders e surge declinado em duas tonalidades de mostrador que são também as mais básicas cores em qualquer linha de mergulho: preto e azul. Mas, em ambos os casos, com vitaminados contrastes em laranja para uma melhor leitura de algumas indicações fundamentais e para evocar uma ligação histórica e cromática ao primeiro modelo Defy de mergulho de há mais de 50 anos.

No pulso: as duas versões do Defy Extreme Diver | Foto: Miguel Seabra/Espiral do Tempo

Como já sucedia com os cronógrafos Defy Extreme, também os dois Defy Extreme Diver desvelados incluem um total de três braceletes à disposição e que podem ser facilmente alternadas através de um sistema rápido de troca — cada versão faz-se acompanhar de uma bracelete metálica, uma bracelete em cauchu e uma bracelete em tela técnica. Opções não faltam e cada uma delas dá uma distinta personalidade ao relógio.

Cada Defy Extreme Diver surge acompanhado de três diferentes braceletes com sistema de troca rápida | Foto: Zenith

Mas as braceletes e as cores incidem sobretudo no visual… e o Defy Extreme Diver é muito mais do que um atraente relógio de mergulho. É um verdadeiro tool watch assente numa poderosa caixa de 42,5mm por 15,5mm que é esculpida em titânio para maior conforto de utilização e resistente a 600 metros de profundidade. Também está dotado de todas as certificações necessárias relativamente a antimagnetismo, resistência aos choques e especificações de mergulho profissional.

A caixa em titânio denota o evidente pendor geométrico da histórica linhagem Defy | Foto: Zenith

Curiosamente, embora na senda do que a Zenith já vem praticando nos últimos tempos e em especial nos relógios Defy que não são cronógrafos, o movimento usado no Defy Extreme Diver tem por base o mítico calibre El Primero — mas desprovido das suas funções cronográficas, na variante El Primero 3620 SC. Tem a mesma alta frequência do movimento original (36.600 alternâncias por hora) e garante 60 horas de autonomia.

O movimento-base utilizado é a do El Primero… mas sem funções cronográficas | Foto: Zenith

Para além dos pormenores laranja nos ponteiros e da escala laranja dos minutos na orla do mostrador que apresenta facetas condizentes com a geometria da luneta interior (a parte exterior da luneta rotativa apresenta a inevitável escala de minutos que é obrigatória em qualquer relógio de mergulho analógico), outro aspeto identificativo do modelo é o padrão decorativo do mostrador; baseado na estrela do logótipo da Zenith, oferece um interessante relevo que reforça a profundidade do mostrador e a personalidade do conjunto.

Um perfil pujante e digno do cognome ‘Caixa-Forte’ do original de 1969 | Foto: Zenith

Defy Revival A3648

O Defy Revival A3648 é uma reedição muito fiel do original de 1969 e surge na senda dos vários outros modelos El Primero e Defy com a etiqueta Revival lançados pela Zenith nos últimos cinco anos, inspirados diretamente no riquíssimo património da manufatura de Le Locle.

Zenith Defy Revival A3648
Uma reedição saudosista de grande força cromática | Foto: Miguel Seabra/Espiral do Tempo

O próprio tamanho, com um diâmetro de 37mm por 15,5mm, respeita as dimensões da época de origem e satisfaz todos os amantes do vintage que gostam de relógios mais pequenos — mesmo tratando-se de tool watches. Apesar do seu formato midsize, o Defy Revival A3648 é um verdadeiro relógio de mergulho que respeita todas as exigências ISO. O toque contemporâneo dá-se através do fundo transparente em vidro de safira e sobretudo a integração da escala dos minutos numa luneta rotativa em safira que nunca poderia ter existido há 55 anos… mas que reforça o espírito rétro da peça e dá uma robustez (antirrisco, antichoque) bem superior ao plástico hexalite que adornava o original.

Zenith Defy Revival A3648
A caixa octogonal e a luneta de 14 facetas reforçam o pendor angular do Defy Revival A3648 | Foto: cortesia Zenith

A presença mais forte do laranja no Defy Revival A3648, em comparação com os Defy Extreme (de quem é o pai espiritual…), faz dele um relógio ainda mais vibrante e muito de acordo com o exuberante cromatismo da época. A coroa às 4 horas acrescenta-lhe singularidade e a própria bracelete replica a do original, feita pela lendária casa fornecedora Gay Frères. Mas não se trata de um mero piscar de olhos retrospetivo: tecnicamente, está apto para mergulhos até aos 600 metros (como o original e os Defy Extreme); mecanicamente, adota o movimento Elite 670 de corda automática com 50 horas de autonomia. O Defy Revival A3648 é muito mais do que um simples exercício de estilo nostálgico.

Zenith Defy Revival A3648
O Defy Revival A3648 utiliza vidro de safira e uma luneta de safira com a inserção da escala de minutos | Foto: cortesia Zenith

Quando os primeiros Defy foram publicitados como sendo ‘caixas-forte’, houve uma campanha em que prenderam vários exemplares à jante de um motociclo de corrida num teste de velocidade à volta do estádio de Wembley.

Uma caixa-forte com elevados índices de luminescência | Foto: cortesia Zenith

Mais de meio século depois, os Defy continuam a desafiar as experiências mais radicais…

Visite o site oficial da Zenith para mais informações.

Outras leituras