Vacheron Constantin presta homenagem às Grandes Civilizações

No âmbito da sua parceria com o Louvre, a Vacheron Constantin lançou quatro novos relógios na série Métiers d’Art que prestam homenagem a grandes civilizações da Antiguidade. Cada modelo representa uma de quatro épocas através da reprodução de diferentes peças do Museu nos mostradores. Um lançamento limitado a cinco exemplares por cada tema, disponíveis apenas em boutiques da marca.

A coleção Métiers d’Art da Vacheron Constantin tem vindo, ao longo dos tempos, a dar a conhecer determinados capítulos da história, personalidades ou símbolos artísticos e culturais das nossas civilizações através da sua alusão em relógios requintadamente decorados. Em 2021, por exemplo, a Vacheron Constantin prestou homenagem a Bartolomeu Dias, a Vasco da Gama e a Pedro Álvares Cabral através de uma série de edições limitadas com mostradores inspirados num mapa do Atlas de Miller de 1519, cuja reprodução se conserva no Museu de Marinha, em Lisboa.

Métier’s d’Art – Homenagem às grandes civilizações: Vitória de Samotrácia
Métiers d’Art – Homenagem às Grandes Civilizações Victoire de Samothrace | © Vacheron Constantin

Este ano, no âmbito da sua parceria com o Louvre, iniciada em 2019, a Vacheron Constantin apresenta um conjunto de relógios que tem como base histórica obras da Antiguidade, de diferentes épocas, que fazem parte do acervo do Museu. Os novos relógios vêm integrar a série Métiers d’Art – que, por excelência, eleva ao máximo a vertente decorativa e artesanal da marca.

Métiers d’Art – Homenagem às Grandes Civilizações

As edições limitadas Métiers d’Art – Homenagem às Grandes Civilizações Grand sphinx de Tanis, Lion de Darius, Victoire de Samothrace e Buste d’Auguste concretizam-se em quatro relógios de pulso que ostentam a reprodução de peças selecionadas do catálogo de obras-primas do Museu do Louvre. Estas peças evocam diferentes civilizações da Antiguidade: o Império Persa, sob o domínio de Dario, o Grande, o Egito dos Faraós do período do Império Médio, o período helenístico da Grécia e o nascimento do Império Romano, com o advento de Augusto.

Métier’s d’Art – Homenagem às grandes civilizações: grande esfinge de Tanis
Métiers d’Art – Homenagem às Grandes Civilizações Grand sphinx de Tanis | © Vacheron Constantin

A composição artística de cada relógio exigiu uma construção de mostrador ‘em camadas’. Na base, encontra-se um mostrador de base ornamentado com diferentes motivos sobre o qual é aplicado um vidro de safira que ostenta a reprodução de cada uma das obras selecionadas do Museu do Louvre, sob a forma de medalhão de ouro esculpido, mas também inscrições gravadas da mesma época das obras reproduzidas.

A Grande Esfinge de Tanis, o Leão de Dário, a escultura helenística Vitoria de Samotracia e o Busto de Augusto foram assim as referências que estiveram na base desta série limitada.

Métier’s d’Art – Homenagem às grandes civilizações: leão de Darius
Métiers d’Art – Homenagem às Grandes Civilizações: Lion de Darius | © Vacheron Constantin

Os elementos do mostrador de base evocam igualmente antiguidades do Louvre e o trabalho de decoração que ali encontramos passa por ofícios artesanais tão diversos como esmaltagem, marchetaria com pedras, gravação em ponta seca e micro-mosaicos de pedra.

Sendo assim, mosaicos romanos, um esquife egípcio policromado, cerâmica e vasilhas gregas pintadas ou esculpidas em baixo-relevo e um friso de tijolos vidrados policromados de inspiração babilónica são os elementos reproduzidos nos mostradores dos diferentes relógios – com cada edição a referir diferentes elementos. Depois, foi aplicado por cima o vidro de safira com o medalhão e as inscrições.

As inscrições que encontramos neste vidro foram feitas através da técnica de gravura por metalização e reproduzidas na sua forma original – escrita cuneiforme, hieroglífos, alfabeto grego antigo e alfabeto latino, consoante o modelo. Podemos assim contar com um excerto da carta fundacional do Palácio de Dario, uma transcrição do cartucho do Faraó Merenptah gravado na esfinge de Tanis, uma lista de atenienses iniciados nos mistérios dos deuses olímpicos, que provém de uma estela votiva do século II, d.C. descoberta na Samotrácia e uma dedicatória ao Génio (protetor divino) da cidade de Russicada (atual Skikda na Argélia), que comemora a sua
criação por um dignitário local, abrindo a sua invocação com uma homenagem ao Imperador Augusto.

Métier’s d’Art – Homenagem às grandes civilizações: busto de Augusto
Métiers d’Art – Homenagem às Grandes Civilizações Buste d’Auguste | © Vacheron Constantin

No interior de cada um dos relógios, vive o Calibre 2460 G4/2 mecânico de corda automática que indica as horas, minutos, dia da semana e data através de quatro janelas dispostas na periferia do mostrador. A disposição das janelas e a ausência de ponteiros acabam por fazer com que os bonitos trabalhos artísticos ali expostos vivam ainda mais e possam ser devidamente apreciados. O fundo transparente da caixa permite contemplar o movimento do qual salta à vista o rotor decorado com uma representação da fachada oriental do Louvre e da sua colunata, inspirada nos trabalhos de gravura do século XVIII de Louis Le Vau e ClaudePerrault. Segundo a marca, a matriz do desenho foi esculpida à mão e utilizada posteriormente para imprimir as 20 massas oscilantes que compõem a série.

Com caixas de 42mm em ouro branco ou ouro rosa, consoante a variante, as edições limitadas Métiers d’Art – Homenagem às Grandes Civilizações Grand sphinx de Tanis, Lion de Darius, Victoire de Samothrace e Buste d’Auguste estão limitadas a cinco exemplares de cada série, disponíveis apenas em boutiques Vacheron Constantin. O preço é disponibilizado sob consulta.

As nossas impressões

As séries Métiers d’Art da Vacheron Constantin dispensam muitas palavras. São desde logo limitadas: peças que se tornam raras assim que nascem. No entanto, mesmo sabendo que estes relógios irão chegar a muito poucos, não deixam de ser fontes de histórias, de conhecimento e de cultura. Sempre que a marca apresenta um novo conjunto de relógios com chancela Métiers d’Art sabemos que vamos ficar a saber mais e sabemos que vamos querer saber mais. Também temos noção de que estamos perante peças trabalhadas e requintadas em termos decorativos e que merecem ser apreciadas enquanto exemplos de virtuosismo técnico e artístico ao alcance de muito poucos. E quando olhamos e acompanhamos por imagens todo o caminho de desenvolvimento de cada um dos relógios, o encantamento é, sem dúvida, uma certeza.

Tendo como base esta relação com a componente artesanal, artística e histórica, a parceria com o Louvre faz nesta série todo o sentido. Ficamos assim a conhecer quatro belíssimos relógios que vêm mais uma vez mostrar que a relojoaria tem sempre muito para contar, revelando-se constantemente uma porta de acesso às mais diversas áreas. Mesmo quando parece menos óbvio. O que não é o caso. Aqui fica uma galeria com mais imagens:

Clique na imagem para ver a galeria:

Outras leituras